Caroline Barrueco

mais aqui: http://noosfera.com.br

Trans-humanismo hoje: a primeira geração de ciborgues já está entre nós

Como uma brisa refrescante de experimentalismo científico, os precursores do trans-humanismo estão implantando todo tipo de tecnologia em seus corpos e cérebros.


neil harbisson.jpg Neil Harbisson tem uma antena implantada em seu crânio.

Segundo o filósofo e futurista Max More, o hibridismo entre máquinas e seres biológicos seria o próximo passo evolutivo dos seres humanos.

Existem algumas teorias bastante controversas, como a das Três Ondas da Evolução, do sociólogo e professor de bioética Paul Root Wolpe, que afirma que a seleção natural não está mais em vigor, e que agora entramos numa era de seleção controlada onde intencionalmente modificamos a nós mesmos e aos organismos que habitam o planeta.

Mesmo que a evolução via seleção natural ainda esteja acontecendo, ela é extremamente lenta, se comparada com a evolução da tecnologia, que está acelerando em velocidade exponencial. O trans-humanismo é um movimento de pessoas que acreditam que o corpo humano já está ficando obsoleto, e que não só podemos, mas devemos interferir na sua estrutura através do uso da tecnologia. Isso serviria principalmente para que melhor nos adaptemos ao momento em que vivemos, para que aperfeiçoemos e exploremos nossas capacidades intelectuais e físicas, para além do que humanos são naturalmente capazes.

jerry jalava.jpg Jerry Jalava acoplou um pendrive no lugar onde costumava estar seu dedo.

NEIL HARBISSON E O CIBORGUISMO COMO FORMA DE ARTE

A palavra cyborg é uma junção das palavras cyber e organismo, ou seja, para ser considerado um ciborgue é preciso ter partes orgânicas e eletrônicas interconectadas.

Talvez o mais popular ciborgue contemporâneo, o artista Neil Harbisson nasceu com acromatopsia, uma rara condição de extremo daltonismo que o impede de enxergar as cores, fazendo com que ele veja o mundo em tons de cinza.

Em 2004 Neil desenvolveu o Eyeborg, que é composto por uma câmera que capta imagens e converte as informações de cores em sons, enviando os sinais sonoros até o osso craniano atrás da orelha de Neil, onde a outra extremidade do Eyeborg está implantada cirurgicamente. Neil aprendeu rapidamente a reconhecer o som de cada cor, e passou a ouvir as diferentes nuances de cada nota sonora para compreender o mundo colorido.

Logo depois de instalar o Eyeborg, Neil escutou lugares que todo mundo dizia que eram lindos, como o oceano ou o pôr-do-sol, e ficou decepcionado. Agora seus locais preferidos são os supermercados, especialmente as seções de materiais de limpeza, que são cheias de cores. Neil gosta de pintar retratos sonoros de obras de arte ou rostos famosos. Aliás, sua visão pode ser considerada mais precisa do que a de uma pessoa comum, já que ele também consegue perceber o infravermelho e o ultravioleta.Nós somos todos deficientes se nos compararmos a outras espécies, um cachorro, por exemplo consegue escutar e farejar muito mais do que qualquer um de nós”, disse em entrevista.

Neil foi o primeiro ciborgue a ser reconhecido por um governo, quando em 2004 o Eyeborg foi oficialmente aceito como parte do seu corpo, e pôde constar em sua foto de passaporte. Em 2010, junto com sua amiga de infância e também ciborgue, Moon Ribas, criou a Cyborg Foundation, instituição sem fins lucrativos que ajuda humanos a tornarem-se ciborgues e defenderem seus direitos legais como tais.

Em 2012 a Cyborg Foundation iniciou uma parceria com a Universidade de Pernambuco, que visa desenvolver extensões biônicas e cibernéticas para brasileiros interessados.

stelarc.jpg Stelarc e sua terceira orelha.

Assim como Neil, Stelarc também acredita na ampliação e subversão dos sentidos humanos. Em 2007 ele iniciou um processo para adicionar uma orelha ao seu antebraço esquerdo. A orelha, que foi elaborada através de cultivo celular, está agora permanentemente implantada em seu antebraço. A intenção final é colocar um microfone dentro da orelha, e que o audio captado seja transmitido em tempo real, initerruptamente, por um site. Mas não encontrei o link desse site, então acredito que essa segunda parte da experiência ainda não esteja completamente pronta. Em seu site pessoal Stelarc discorre sobre a urgência do trans-humanismo “O corpo biológico não está bem equipado com sua composição atual. Precisamos ser aptos dentro da internet de uma maneira muito mais íntima (...) talvez agora seja o momento de reprojetar o corpo para que ele se equipare às suas máquinas".

AIMEE MULLINS E A MELHOR MANEIRA DE PREENCHER ESSE ESPAÇO

Aimee, que teve ambas as pernas amputadas quando ainda era um bebê, acredita que deficiências podem ser possibilitadoras de arte e poesia: “Seria bom que parássemos de pensar somente em termos de forma, função e estética e atribuíssemos valores diferentes. (...) Um membro protético não representa mais a necessidade de substituir a perda. Ele pode ser o símbolo de que o usuário tem o poder de criar o que quer que seja naquele espaço. De modo que pessoas que a sociedade uma vez considerou deficientes agora podem ser os arquitetos de suas próprias identidades.“ Aimee possui pernas de guepardo, pernas entalhadas em madeira maciça, pernas de cristal e muitas outras, ela gosta de lembrar que não precisamos replicar a humanidade como único ideal estético e escolhe entre as diferentes opções de próteses de acordo com seu humor.

aimee mullins.jpg Aimee usando suas pernas de guepardo em uma cena do filme Cremaster, do artista Matthew Barney.

Rob Spence preencheu a ausência de seu olho direito com uma câmera de vídeo sem fio. A câmera, que não parece nada com um olho verdadeiro, capta imagens coloridas e as transmite em tempo real para um pequeno dispositivo, onde as imagens podem ser gravadas. Em 2011 Rob lançou um curta-metragem sobre ciborgues contemporâneos, parcialmente gravado com sua câmera-olho.

rob spence.jpg Rob Spence e sua câmera-olho.

Jerry Jalava, que perdeu parte do seu dedo indicador em um acidente de moto, preferiu preencher esse espaço com um pendrive de 2gb.

Por não terem de fato partes biônicas conectadas ao corpo, nenhum deles pode ser considerado ciborgue, mas é interessante que pensemos que as possibilidades do nosso corpo podem ser muito mais divertidas e expandidas do que simples réplicas do corpo humano biológico, que ainda por cima é restrito por inúmeras normas estéticas.

ZOE QUINN E OS HACKERS DO PRÓPRIO CORPO

A programadora de games Zoe Quinn gostaria se sentir mais próxima das máquinas que usa para desenvolver seu ofício. No começo desse ano ela decidiu implantar um imã na ponta de um de seus dedos, uma das regiões do corpo com maior número de terminações nervosas. O que aconteceu foi que os nervos crescerem ao redor do imã, então agora Zoe consegue perceber e sentir os campos eletromagnéticos que a cercam.

Um número crescente de entusiastas e cientistas está testando e implantando tecnologia em si mesmos de forma autônoma.

zoe quinn.png Zoe exibindo suas novas habilidades magnéticas.

Toda a vez que Zoe chega perto de um computador, por exemplo, ela sente uma espécie de formigamento na mão, mas que não é exatamente isso, porque de fato é um novo sentido, e varia de acordo com a distância e intensidade do campo. “Como programadora de games, é realmente maravilhoso ser capaz de sentir as ferramentas com as quais faço minha arte, sinto mais do que nunca que os computadores são extensões de mim mesma.” Campos eletromagnéticos estão por toda a parte, mas muitas vezes somos ignorantes da presença deles. “Cada objeto tem seu campo eletromagnético único, com intensidade e texturas diferentes” ela relatou suas primeiras impressões acerca do implante aqui. Poucos meses depois do implante do imã, Zoe introduziu um pequeno chip em sua mão, no espaço entre o polegar e o dedo indicador. O chip pode ser programado para efetuar diversas funções, como desbloquear seu telefone ou iniciar um aplicativo. Também é possível que duas pessoas que contenham o chip, troquem informação entre si através de um aperto de mão, por exemplo.

Um pouco mais extremo, o computador que Tim Cannon instalou em seu braço tem uma bateria embutida, e envia informações sobre as funções corporais de Tim, como temperatura e rítmo cardíaco, em tempo real diretamente para seu celular.

tim cannon.png O computador que Tim Cannon implantou em seu braço tem diversas luzes de led que piscam para mostrar o status do aparelho.

A empresa Dangerous Things, responsável pela fabricação do chip que agora faz parte do corpo de Zoe, vende kits “faça-você-mesmo” para interessados em instalar chips e outros acessórios eletrônicos em seus corpos. Em geral os procedimentos são feitos em estúdios de modificação corporal. E os aparelhos são revestidos com uma camada de silicone cirúrgico, para evitar infecções. “Médicos aceitam a tecnologia desde que que seja para restauração, para que você pareça o que eles consideram normal, mas assim que você começa a falar sobre tecnologia para melhorar, aumentar, existe um uníssono de medo que eu ainda não entendo completamenteexplica Graafstra, criador do Dangerous Things, que usa o chip implantado na sua própria mão para destrancar a porta de casa. “Para algumas pessoas o corpo humano é um templo, uma coisa sagrada, na visão trans-humanista a pessoa é basicamente seu cérebro, e o corpo é visto como um veículo. E esse veículo tem muito a ser aperfeiçoado.

Mas meu prefrido é o chip que o artista Anthony Antonellis implantou em sua mão. O chip tem capacidade de armazenamento de apenas 1kb e sua única função é armazenar esse gif animado, que aparece na tela de qualquer telefone compatível que chegar perto da mão de Anthony.

anthony antonellis.gif O chip localizado dentro da mão de Anthony serve somente para disseminar esse gif animado.

Os adeptos do biohacking estão iniciando um movimento que só tende a crescer. A internet possibilitou uma libertação do conhecimento, antes restrito à uma parcela muito menor das pessoas, assim, agora todo mundo pode contribuir para o avanço desse campo, ainda tão pouco explorado.

A antrópologa Amber Case acredita que já somos todos ciborgues, porque já consideramos nossos smartphones como parte dos nossos corpos, e a internet como uma espécie de HD externo de nossos cérebros. “Todos nós já somos super humanos. Até o momento em que nossos smartphones ficam sem bateria.” Parece lógico que a tecnologia evolua para que deixemos de precisar de acessórios e baterias para acessar esse nosso "outro eu digital" como ela gosta de chamar. Pensando bem, desde o começo da humanidade nós usamos nossa tecnologia como extensão do corpo, mesmo que nunca antes de forma tão "simbiótica" como agora.

Stelarc completa “Tecnologia é o que nos define como seres humanos. Não é um tipo de alien ou antagonista, mas parte da nossa natureza.


Caroline Barrueco

mais aqui: http://noosfera.com.br.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/tecnologia// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Caroline Barrueco
Site Meter