a lente lenta

Acerca de Fotografia e de fotografias (ou seja, acerca de qualquer coisa..)

Júlio Assis Ribeiro

Fulano desfocado, despachado e de difuso sentido de humor. Adora falar de si na terceira pessoa e discorre sobre toda uma variedade de assuntos, como se percebesse de algum. Gosta de imagens, de histórias e de parêntesis, e deu-lhe agora para isto...

Uma história mal contada

Sobre Lewis Carroll, o autor de "Alice no país das maravilhas", paira uma mancha. Se alguns tendem a olhar para ele como um homem patologicamente tímido, genial e genuinamente fascinado pela infância, outros vêem nesse fascínio traços de uma perversão. Mas ambos pontos de vista poderão ser pouco fieis à realidade da vida deste escritor, fotógrafo e matemático da Era Vitoriana.


Autor_não_identificado_Charles_Lutwidge_Dodgson_1852_1860.jpgAutor não identificado, Charles Lutwidge Dodgson, 1852-1860 Colecções da National Portrait Gallery, Londres, Grã-Bretanha

Defende-se, por vezes, que o olhar do observador constrói em larga medida o objecto da observação. A figura de Charles Dodgson (nome real de Lewis Carroll, o autor de Alice no país das maravilhas) e a sua caracterização parecem constituir um exemplo deste enunciado.

Até aos anos noventa do século passado, Dodgson era caracterizado de duas formas muito opostas relativamente ao seu carácter, mas que tinham dados de partida muito similares. Para ambas correntes, Dodgson foi um homem com dificuldades no relacionamento com adultos, e uma clara preferência pela companhia de crianças do sexo feminino. Se uns tendiam, por isso, a considerá-lo um homem puro, fascinado pela inocência das crianças, outros tendiam, com a mesma base, a vê-lo como uma personalidade perversa, com um óbvio desvio à norma sexual.

Estas apreciações fundavam-se nas descrições surgidas pouco após a morte de Charles Dodgson, sobretudo na biografia escrita pelo sobrinho, Stuart Dodgson Collingwood, intitulada The Life and Letters of Lewis Carroll, onze meses apenas após o óbito. Outras fontes eram as descrições de algumas das crianças, entretanto tornadas adultas, com quem o diácono travara conhecimento. Por fim, em 1954, a publicação resumida dos diários do escritor, fotógrafo e matemático acrescentou um pouco mais ao material de estudo dos “Carrollianos”.

O que diferia nestes pontos de vista eram pois os instrumentos de análise e, sobretudo, a perspectiva. Uns focalizam-se a relação de Dodgson com as várias meninas da sua predilecção numa leitura literal do material divulgado, e concentravam-se na criatividade literária e no génio do autor. Os outros, socorriam-se da vulgata freudiana na interpretação da obra e do homem, e concentravam-se no desvio à norma. Havia uma concordância em discordar, partilhando uma caracterização do homem.

Em 1999, a publicação de In the Shadow of the Dreamchild: A New Understanding of Lewis Carroll, de Karoline Leach, funcionou como um terramoto de grande intensidade no mundo dos estudiosos de Charles Dodgson. Neste livro, apareceu uma visão distinta. Uma visão que defendia que, relativamente ao criador de Alice, o edifício das grandes certezas estava assente sobre fundações, no mínimo, duvidosas.

Para Leach, toda a construção teórica à volta do homem, que então predominava, baseava-se não em fontes primárias e contemporâneas de Dodgson, mas em material escrito e divulgado após a sua morte. Estas referências fundadoras encontram-se, considera ela, inquinadas por uma perspectiva orientada para caracterizar Charles Dodgson de uma forma particular. Uma forma que não era particularmente fiel à real vivência deste.

Os herdeiros de Charles Dodgson procuraram, após a sua morte, criar uma imagem, que a seu ver, era mais simpática e condizente com o que deveria ser um diácono que escrevia histórias infantis. Foi seu objectivo afastar do conhecimento público aspectos que poderiam, no âmbito da mentalidade vitoriana, introduzir algum desagrado ou controvérsia.

Não lhes era conveniente a caracterização de Dodgson como um assíduo frequentador de peças de teatro - actividade mundana que a hierarquia da igreja anglicana considerava reprovável num sacerdote (condição, aliás, que Dodgson nunca exerceu com grande interesse). Não lhes era particularmente interessante o facto de se ter inserido no seio da elite artística da época, sendo próximo do grupo dos Pré-Rafaelitas. Não lhes era igualmente conveniente apresentar as relações de alguma intimidade com mulheres adultas, parte delas casadas. Tampouco, lhes interessava publicitar o interesse deste em espectáculos circenses e diversões aquáticas, onde os cavalheiros britânicos podiam regalar-se com visões femininas pouco vestidas para os padrões da época.

Charles_Lutwidge_Dodgson_O_pintor_Dante_Rossetti_e_a_sua_familia_Londres_1863.jpg Charles Lutwidge Dodgson, O pintor Dante Rossetti e a sua família, Londres, 1878 Colecções da National Portrait Gallery, Londres, Grã-Bretanha

Stuart Dodgson Collingwood, ao escrever a biografia do tio, aparentemente sob apertado escrutínio das tias, limitou-se a tentar criar uma versão laudatória, inócua, do homem. Uma versão cheia de pormenores insignificantes, redutores e, por vezes, fantasiosos. E fez isto, apesar do acesso directo à vastíssima correspondência e aos diários pessoais. Para os britânicos do final do século dezanove, a descrição de um homem tímido, dedicado às crianças, parecia ser a forma mais segura de apresentar um reconhecido, mas solteiro, escritor de histórias infantis.

Charles_Lutwidge_Dodgson_Margaret_Dodgson_ s_data.jpgCharles Lutwidge Dodgson, Margaret Dodgson (irmã), s/data

Ora, esta apresentação, elaborada por alguém que deveria ser uma autoridade no assunto, adquiriu um estatuto inquestionável. O facto das fontes de Stuart Collingwood terem permanecido inacessíveis durante muito tempo, cimentou esta percepção de Charles Dodgson na opinião dos estudiosos, e por arrasto, no público em geral.

A já referida publicação dum resumo dos nove diários sobreviventes (inicialmente eram treze) de Charles Dodgson em 1954, veio acentuar este desequilíbrio analítico, dado que permitiu dar aos estudiosos uma ilusão de aproximação aos materiais de Collingwood. Mas tratava-se de uma divulgação cerceada pelas sobrinhas, ainda vivas então, que diligenciaram no sentido de fazer desaparecer das transcrições tudo o que aparentemente se afastasse da biografia de 1898.

Outro aspecto interessante é o que resulta da leitura dos diversos textos produzidos por adultos, que travaram conhecimento com Dodgson em crianças. Alguns destes textos eram, decerto, auto-promocionais, na medida em que os autores procuravam publicamente associar-se ao famoso e, na altura ainda, insuspeito escritor. As descrições eram amiúde condizentes com a excessivamente amigável caracterização realizada por Stuart Collingwood e, por vezes, as antigas crianças conseguiam lembrar-se de factos que efectivamente não aconteceram, tal era a ânsia de serem coerentes com a imagem resultante daquele registo.

Se a família se revelou eficiente na defesa duma determinada descrição de Dodgson, não se revelou clarividente na antecipação dos efeitos dessa defesa. Aquilo que para os vitorianos era impensável , e para os eduardianos pouco admissível, tornou-se muito provável para a sociedade do pós-guerra.

As primeiras brechas na leitura do carácter de Dodgson advêm do excessivo centramento de alguns biógrafos na questão do seu relacionamento com as crianças-amigas. Em 1932, a biografia The Life of Lewis Carroll, de Langford Reed, elaborada a partir de pouco mais do que o texto de Stuart Collingwood, mas plena de convicção, lança explicitamente um postulado, que antes apenas fora sugerido - Charles Dodgson/Lewis Carroll apenas se interessava por relacionamentos com meninas, e o seu interesse terminava assim que estas atingiam a puberdade.

Charles_Lutwidge_Dodgson_Xie_Alexandra_Kitchin_a_tocar_violino_1876.jpgCharles Lutwidge Dodgson, Xie (Alexandra) Kitchin a tocar violino,1876 Colecções do National Media Museum, Bradford, Grã-Bretanha

Ainda que Reed fizesse esta afirmação no sentido de reforçar o carácter casto do biografado, definindo-o como alguém intocado pela luxúria, o facto é que, com ele, estava lançada a linha central dos estudos carrollianos. Se alguns continuaram do lado da linha que considerava a alegada obsessão com meninas como um interesse inocente, o facto é que a evolução das mentalidades, e a divulgação pública de múltiplos escândalos, tornaram difícil a crença em homens inocentes e assexuados para uma parcela progressivamente significativa da sociedade ocidental, sobretudo a partir de meados do século vinte.

Karoline Leach, e outros (Hugues Lebailly, Edward Wakeling e Douglas Nickel, nomeadamente), recentraram os estudos carrollianos em materiais primários e coevos do autor, e evitaram ter como ponto de partida a singularidade, per se, do homem. A obra de Dodgson e os seus comportamentos foram reanalisados no contexto societal da época. Desta nova abordagem, verificou-se que nem a caracterização anterior do homem era factual (Dodgson era uma pessoa algo idiossincrática, nalguns aspectos seria aquilo que se pode descrever prosaicamente como um "picuinhas", mas estava muito longe de ser o eremita distraído que a família apresentou), nem a sua atitude em relação às crianças era de facto singular, antes se inscrevendo num quadro que se pode designar como de culto da criança, próprio da época vitoriana. Para os contemporâneos de Dodgson, a infância era local de inocência, de não corrupção, opondo-se à idade adulta, essa sim plena de degradação moral e ética. Alice não se encontra sozinha no panteão de figuras ficcionais infantis do século dezanove, e início do século vinte, onde figuram também, por exemplo, os múltiplos jovens da obra de Charles Dickens e o Peter Pan de James Barrie.

Não se pode, em rigor, afastar categoricamente a mancha de suspeita que associa Charles Dodgson à pedofilia. Esta é particularmente resistente devido à actual consciência do problema. Uma consciência que impõe uma atitude justificadamente preocupada e desconfiada. Mas os dados objectivos existentes sobre esta figura permitem-nos duvidar das certezas categóricas antes tidas, quer relativamente à “santidade” do homem, quer à sua perversão.

Acaba por ser profundamente irónico que a atitude protectora da família, visando afastar de Dodgson qualquer possibilidade de escândalo resultante das suas relações com mulheres adultas, seja, em boa medida, a responsável pela muito mais escandalosa suspeição de pedofilia.


Júlio Assis Ribeiro

Fulano desfocado, despachado e de difuso sentido de humor. Adora falar de si na terceira pessoa e discorre sobre toda uma variedade de assuntos, como se percebesse de algum. Gosta de imagens, de histórias e de parêntesis, e deu-lhe agora para isto....
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/fotografia// @obvious, @obvioushp //Júlio Assis Ribeiro