a lente lenta

Acerca de Fotografia e de fotografias (ou seja, acerca de qualquer coisa..)

Júlio Assis Ribeiro

Fulano desfocado, despachado e de difuso sentido de humor. Adora falar de si na terceira pessoa e discorre sobre toda uma variedade de assuntos, como se percebesse de algum. Gosta de imagens, de histórias e de parêntesis, e deu-lhe agora para isto...

Os sítios obscuros

A Fotografia, que nasceu muito ligada às artes maiores tradicionais, mostrou-se estranhamente capaz de se afastar das coisas belas e ideais. Procurando ser verdadeira, acercou-se muitas vezes dos sítios obscuros da sociedade e alma humanas.


Jacob Riis, No fosso da pobreza, Nova Iorque, EUA, 1889, colecções do MOMA.jpgJacob Riis, "No fosso da pobreza", Nova Iorque, EUA, 1889 Colecções do MOMA, Nova Iorque, E.U.A.

A Fotografia, que aparece como prática viável em meados do século dezanove, sem história própria e limitada tecnicamente, socorreu-se, num primeiro momento, de modelos e temáticas que busca na artes maiores, sobretudo na pintura.

Praticava-se muito o retrato, a paisagem e a natureza morta, e alguns mais afoitos abalançavam-se nos tableaux vivants, encenações de momentos históricos ou ficcionais com recurso a modelos. Buscava-se composições equilibradas e pitorescas, almejava-se belas imagens. Mas a natureza "mecânica" do processo fotográfico alargou os praticantes muito para além da franja dos dotados para as artes, e rapidamente o mundo das imagens se tornou mais "democrático", mais aberto e inesperado. A Fotografia mostrou-se estranhamente capaz de se afastar das coisas belas e ideais, e de ser verdadeira.

Com ânsia documental, acercou-se dos sítios obscuros da sociedade e alma humanas. Mesmo entre os seus praticantes mais eruditos aparecem divergências em relação à tradição pictórica. Hugh Welch Diamond, um médico psiquiatra e fotógrafo, utilizando a técnica do calótipo, uma das primeiras vias de obtenção de imagem fotográfica, fez registos das feições dos seus doentes e da sua locomoção. O primeiro fotojornalismo, por acção de gente como Jacob Riis, também se dedicou à exposição dos excluídos e dos alienados. Mais tarde, esta temática acabaria por entrar no corpo central da fotografia mais autoral, mais "artística". Nomes como Diane Arbus comprovam-no.

Hugh Welch Diamond, Retrato de louca, 1852-54, Colecções do J Paul Getty Museum , los angeles_2.jpgHugh Welch Diamond, Retrato de louca, 1852-54, Colecções do J. Paul Getty Museum, Los Angeles, E.U.A.

Jacob Riis, Residente idosa, Esquadra de polícia de Eldridge Street, Nova iorque, EUA, 1890.jpgJacob Riis, Residente idosa, Esquadra de polícia de Eldridge Street, Nova iorque, EUA, 1890 Colecções do MOMA , Nova Iorque, E.U.A.

Diane Arbus,  Homem com rolos de cabelo, Nova iorque, E.U.A.jpgDiane Arbus, Homem com rolos de cabelo, Nova iorque, E.U.A, 1966 Arquivos do Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, E.U.A.

A par deste assalto mais informado ao lado marginal, há toda uma Fotografia vernacular que também a aborda. Fotógrafos comerciais que captam as figuras dos circos de aberrações e as fazem circular em postais e carte-de-visite, jornais sensacionalistas que seguem como rapaces as vítimas e os perpetradores de crimes, funcionários de esquadras e asilos que burocraticamente registam os seres da margem.

A maioria dessa Fotografia é desajeitada, tecnicamente medíocre. Mas alguma dela é surpreendentemente viva e competente, e atinge-nos com inesperada força.

O Justice & Police Museum de Sydney, na Austrália, alberga um fascinante arquivo de imagens forenses e de cadastro. Disponíveis online, com alguma informação escrita adicional, é facil perdermo-nos durante horas a vasculhar o submundo australiano de início do século vinte, numa viagem pelas estranhas e dramáticas histórias pessoais que conseguimos intuir nestas fotografias.

Um exemplo: Um tal Harry Leo Crawford aparece em três fotografias. De origem escocesa, casado em segundas núpcias com Elizabeth King Allison, funcionário de um hotel, aparentemente um cidadão dentro da normalidade, é preso em 1920, por suspeita do assassínio da primeira mulher.

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920, collecções do Justice & Police Museum, Sydney.jpgautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920 Colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

Sete anos antes casara com a viúva Annie Birkett, uma empregada da residência do Dr. G. Clark, em Sydney, de quem era então motorista. Após quatro anos de matrimónio, Annie Birkett desapareceu e Harry informou os vizinhos de que havia fugido com um canalizador.

Em 1919, Harry casou novamente indicando no registo a condição de solteiro. Nesse mesmo ano, denúncias de familiares da sua primeira mulher levam a que a polícia investigue o desaparecimento. Finalmente, um corpo, encontrado desfigurado em 1917, é exumado e identificado como sendo o cadáver de Annie Birkett, e a 5 de julho de 1920, Harry foi detido.

Mas esta história real de intriga policial esconde uma torção existencial e de identidade. O escocês Harry Leo Crawford era a italiana Eugenia Falleni.

Nos arquivos do Justice & Police Museum são disponibilizadas três fotografias. A primeira (acima), encontrava-se numa capa de papel com a inscrição "Falleni Man/Woman" ( Falleni Homem/Mulher), apresenta-nos o suspeito em roupas de homem, na esquadra central de Sydney, provavelmente em 5 de Julho de 1920, o dia da sua detenção.

A segunda, feita no final desse ano, em 21 de Outubro, é já uma imagem da penitenciária feminina onde cumpriria a pena, e Harry/Eugenia aparece nela vestido de acordo com o seu género biológico.

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália, 21 de Outubro de 1920, collecções do Justice & Police Museum, Sydney.pngautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália, 21 de Outubro de 1920, colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

A terceira, também uma imagem de cadastro da mesma penitenciária, feita oito anos depois, confirma-nos uma Eugenia Falleni em roupagens femininas.

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,  1928, collecções do Justice & Police Museum, Sydney.jpgautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália, 1928 Colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

Abstendo-me de falar mais da história desta personagem, duma vida plena de potencial romanesco que desafio os leitores a investigar, concentro-me no que está patente nas fotografias.

São três imagens sem grandes ambições. Fotografias de identificação. A inicial apresenta-nos Falleni na sua personificação masculina. As duas seguintes mostram-nos a sua verdadeira identidade, a que a biologia lhe impôs. A que a lei a forçou a aceitar.

Mas as imagens contam-nos uma história diferente. Olhando-se a linguagem corporal, a sensação que se tem é que a personagem travestida é a que consta das fotos da penitenciária, e não a da esquadra. Eugenia é muito mais natural e segura enquanto suspeito Harry Leo Crawford , do que enquanto condenada Eugenia Falleni.

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920, collecções do Justice & Police Museum, Sydney_pormenor.jpgautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920 (pormenor) Colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920, collecções do Justice & Police Museum, Sydney_pormenor2.jpgautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,início de 1920 (pormenor) Colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

autor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália,  1928, collecções do Justice & Police Museum, Sydney_pormenor.jpgautor desconhecido, Eugenia Falleni alias Harry Crawford, Sydney, Austrália, 1928 Colecções do Justice & Police Museum, Sydney, Austrália

Estas imagem falam-nos de Identificação e Identidade. E de como estes conceitos não são sempre avenidas cristalinas, funcionais e desimpedidas. São, por vezes, sítios obscuros, retorcidos, misteriosos.


Júlio Assis Ribeiro

Fulano desfocado, despachado e de difuso sentido de humor. Adora falar de si na terceira pessoa e discorre sobre toda uma variedade de assuntos, como se percebesse de algum. Gosta de imagens, de histórias e de parêntesis, e deu-lhe agora para isto....
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/fotografia// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Júlio Assis Ribeiro