Diego da Cruz

As vezes fico cansado de não escrever daí escrevo. O que não é nada de mais especial do que o que você faz quando sente uma necessidade bastante pessoal.

  • IMG_20160218_193029.jpg
    POR QUE OS GRANDES ESCRITORES SÃO COMO PARABÓLICAS?

    Os escritores que sobrevivem ao tempo são a princípio receptáculos e na sequência transmissores de sinais invisíveis aos olhos mais desatentos. Eles ajudam na construção da nossa verdade pessoal e assim mexem no mundo, a questão é: como?

  • asdasfa.png
    SOLIDARIEDADE R-EVOLUCIONÁRIA (OU ENSAIO SOBRE O SUFOCO)

    Quem sabe se uma visão verdadeira sobre solidariedade tivesse surgido alguma década antes, tivesse se difundido a ponto de respeitarmos e compreendermos o outro para além de fronteiras de países, os minutos de massacre na boate parisiense fossem minutos a mais de música no mundo e a criança não tivesse aparecido morta na praia europeia, mas esta ideia talvez não se difunda e as metralhadoras reinem de volta no meio de inocentes e a criança volte à praia, o homem frente ao tanque de guerra, o urubu espere o menino morrer pra se alimentar dele, as crianças surjam nuas novamente do mato no Vietnã...

  • 483337247.jpg
    Crise de identidade

    Chega um momento em que qualquer sujeito se pergunta coisas fundamentais, mas parece que estas perguntas estão condicionadas a não serem nunca mais respondidas neste mundo vampiro.

  • c60476d0e00011e390a5d3b7b9922f1c.jpg
    O tempo dos miseráveis e da industria cultural

    De barriga cheia não há motivos para questionar a ordem, portanto quando se está de barriga cheia só há motivos para acreditar que o universo é justo, só há olhos para o conto de fadas, de pança cheia a massa só quer o entretenimento da novela das nove que todos já sabem o final por ser o mesmo enredo, repetido há trinta anos; sentado na sala de cinema comendo pipoca só há motivos para adorar o Tarantino que continua derramando na tela o mesmo sangue que suja as calçadas das periferias diariamente e me reafirma como alguém privilegiado, porque este sangue não me suja. Não há cinemas nas periferias.

  • tumblr_lv6pnjnRxR1r0cr7ko1_500.jpg
    Somos mais baratos do que andam dizendo por aí sobre geração Y

    Anuladas as forças e capacidades da gente escolher, gostamos de tudo o que não quer nos tirar do lugar de conforto, nos agrada não mais o belo, mas o prático, o pronto, nos agrada qualquer coisa que não exija mais nada da gente. Consideramos atraente tudo o que é harmônico por ser igual, simétrico, e não colocar em cheque as nossas crenças e opiniões, perdemos portanto nosso senso estético.

  • burroughslifekiller.jpg
    Sobre intuição, violência e bem-estar

    Apesar de a utilidade da arte ser mais indireta quando comparada com a ciência, ela existe. A arte é não apenas útil como necessária. Afinal, a prática mais humanizadora é a prática artística, e um bem-estar social concreto é necessário e se dá principalmente pelo homem no seu nível mais alto, não o nível da razão, mas o nível intuitivo, estético, poético.

  • 18690-machado_e_a_abolicao.jpg
    Uma mulher quer matar o Machado

    Ela é responsável por um projeto que pressupõe a incapacidade de compreensão das pessoas mais comuns brasileiras de textos complexos, e está distribuindo uma versão de "O alienista" de Machado de Assis, reescrito de forma simplificada, de acordo com a linguagem e os padrões editoriais atuais.

  • 1779273_10152216890358559_126809665_n.jpg
    O "cult" é um meigo, não um intelectual.

    Uma geração que ecoa a frase "deus está morto" não pode ser mais contraditória, uma vez que é frágil e religiosamente movida por modismos, cria uma falsa aparência de intelectualidade, é levada por ondas "cults" e "hipsters", mas não consegue mergulhar.

  • 422775_366217736734479_1052590768_n.jpg
    Se combate o cárcere com personagens.

    A existência é tão discutida por ser motivo de clausura e sua grande busca é a liberdade, e entre algumas formas de liberdade, dentro das tantas facetas da realidade, está a imersão na ficção. Porém no nosso país, literária e cinematograficamente pobre, essa ficção está mais presente nas telenovelas e nas fofocas.

  • tumblr_mbyskmTOv11rayuyco1_1280.jpg
    Kolwitzstrasse 52

    Kollwitzstrasse 52 é um espetáculo que dialoga em inúmeras dimensões na construção das pontes que levam do estranhamento ao reconhecimento, construindo identidades sob o pressuposto de desmanchá-las.

  • 936776_568260613194285_254355552_n.jpg
    A gente escreve porque o inferno existe

    Escrever talvez seja uma das poucas formas de o combater o inferno - representação dos medos e conflitos - que existe de maneira irreparável, dentro ou fora da gente, uma vez que escrever exige uma determinada organização dos pensamentos. A partir dessa concepção de inferno, vê-se que ele é um grande motivo de escrita, desde diários pessoais como forma de tratamento psiquiátrico, até o inferno de Dante.

  • Thumbnail image for 988500_10151574176612423_2036289508_n.jpg
    A verdadeira poesia está no asilo

    Em tempos da supervalorização de tudo o que é visual, fazer poesia se torna cada vez mais, além de um ato necessário, um ato de coragem, visto que nossas liberdades estão regulamentadas como nunca. Embora o Brasil esteja publicando poetas que o tempo se encarregará de consolidar, surge também uma poesia sufocada, rasa, falha e nada transformadora, resultado da ditadura do consumo, da imagem e da comunicação.

  • A máquina universal dos sonhos

    A escolha da intelectualidade científica em detrimento da artística nos trouxe a um pandemônio atual, onde algumas noções básicas se confundem, como a noção de universalidade. A noção de heliocentrismo está confusa diante da noção de egocentrismo, e vivemos tempos onde o indivíduo narcisista e violento é o centro do universo, quando em verdade há uma máquina universal de sonhos e nossa individualidade é, na sua maior parte, coletiva. O papel do artista sempre foi, e nesse momento não deixa de ser, fundamental. O criador de cultura deve conceber o mundo além da ciência, de forma combativa.

Site Meter