a razão singular do segredo

sobre o que escrevem os que escrevem?

Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este).

A Presença do Passado

Qual é a importância da presença do passado?
Por que guardar símbolos de tempos remotos (ou nem tão remotos assim)?
O que são monumentos passados quando se tem o progresso a realizar-se?


muro-de-berlim-queda.jpg

A noite do dia nove de novembro de 1989 foi emblemática para a história da humanidade. O pedido "Senhor Gorbatchev, derrube esse muro!" não foi atendido e o povo sacou as marretas e derrubou-o. Símbolo de um mundo politicamente rachado e ideologicamente dividido, o Muro de Berlim separava Marx de Adam Smith, os EUA da URSS, o capital do social - em tese!

Fato é que o muro ficou como símbolo de um período da história - há até historiadores que pregam uma nova divisão da História do Ocidente em que a queda do muro seja o marco inicial de uma nova era. O que restou do muro lembra-nos de um mundo passado: aquele que se debatia entre New York e Stalingrado.

East Side Gallery de Berlin.jpg

Com o tempo, o muro acabou sendo uma galeria de arte a céu aberto e o maior trecho que restou dele ficou conhecido como "East Side Gallery". ESG é o segundo ponto turístico mais visitado de Berlim, tem seu encanto por contrastar o passado que representa com a arte contemporânea e urbana que apresenta (arte esta feita por mais de 100 artistas diferentes).

Pois bem... o muro é importante. Mas, no início de março, 23 metros do muro foram removidos - isso mesmo, demolidos - para a construção de uma estrada de acesso a um condomínio de luxo. Após protestos, a obra foi embargada, mas depois foi liberada e ontem (27/03) foram retirados mais 5 metros.

259364-970x600-1.jpeg

Os protestos seguem e não são isolados: em terras brasileiras, o Museu do Índio "perdeu a concorrência" e será transformado no Museu Olímpico (em razão das Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro), mas...
Qual é a importância da presença do passado?
Por que guardar símbolos de tempos remotos (ou nem tão remotos assim)?
O que são monumentos passados quando se tem o progresso a realizar-se?

Nelson Mandela em seu discurso de posse disse, com todo o mérito que possui, sobre o Apartheid: "Perdoem, mas não esqueçam, para que não se repita." E eu não sou de contradizer quem foi preso por defender a igualdade entre as pessoas.

tn_620_600_protesto_museu_indio_desocupacao_rio_de_janeiro_foto_03.jpg

Fato é que se há passado é para que haja experiência. Se as experiências não foram boas - e muitas não foram, vide nazismo, apartheid, ditaduras... - devem ser lembradas para que não se repitam. Alguns marcos são homenagens e, geralmente, homenagens dignas, caso do Museu do Índio: há quem mais mereça lembrança e respeito neste barril verde e amarelo de corrupção que os indígenas? eles foram violados, sifilizados, violentados, negados, obscurecidos, descaracterizados e estão se perdendo aos poucos, misturando-se ao caldo sujo que emerge da mãe gentil.

O Muro de Berlim lembra-nos de um obscuro e temeroso tempo. Tempo em que o fim do mundo era hoje ou amanhã. E ele resistiu. E levou arte consigo. E o que dele sobrou, em vez de separar, hoje une. A ironia reside nisto: O capitalismo cumpriu e prometeu: derrubou o muro (agora, quase totalmente).

Pra concluir, um trecho da música do grande Chico que tenta não nos deixar "desbotar" da memória um tempo, ainda que infeliz:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída..."


Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// //Raul C. de Albuquerque