a razão singular do segredo

sobre o que escrevem os que escrevem?

Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este).

O azul de Carlos Pena Filho


carlos-pena-filho.jpg

"Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
e espere pelo instante ocasional.
Nesse curto intervalo, Deus prepara
e lhe oferta a palavra inicial."

Carlos Pena Filho, em "Para fazer um soneto"

São as instruções do poeta pernambucano Carlos Pena Filho "Para fazer um soneto". Ele, que cursou Direito na Faculdade de Direito do Recife, não poupou referências em sua poesia à cor azul, desse modo, acabou por ficar conhecido como O Poeta do Azul.

Segundo a psicologia, "o azul é a cor da lógica e da ponderação, estando também associada à plenitude". O azul é ainda ligado aos sentimentos bons e pacíficos que perduram. O pintor russo Wassily Kandinsky disse que o "azul atrai o homem para o infinito, despertando-lhe um desejo de pureza e do sobrenatural."

Pena Filho dedicou à cor azul um papel destacado na sua poesia. Em seus versos, o azul representa todo o etéreo que o encanta e que o assusta tentar definir. No texto "Soneto das Metamorfoses", o poeta confere ao azul a dubiedade entre a leveza de um banho de mar e o peso da morte:

"Carolina, a cansada, fez-se espera
e nunca se entregou ao mar antigo.
Não por temor ao mar, mas ao perigo
de com ela incendiar-se a primavera.

Carolina, a cansada que então era,
despiu, humildemente, as vestes pretas
e incendiou navios e corvetas
já cansada, por fim, de tanta espera.

E cinza fez-se. E teve o corpo implume
escandalosamente penetrado
de imprevistos azuis e claro lume.

Foi quando se lembrou de ser esquife:
abandonou seu corpo incendiado
e adormeceu nas brumas do Recife."

Carlos Pena Filho, em "Soneto das Metamorfoses"

CARLOS+DRUMMOND+DE+ANDRADE-Poemas.jpg

Cabe colocar aqui que o uso do multifacetado azul não se restringe à produção de Carlos Pena Filho, pois faz-se presente na poesia de outro Carlos, o Drummond de Andrade:

"As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos."

Carlos Drummond de Andrade, em "Poema de Sete Faces"

mario.jpg

Mário Quintana também usou o azul para versejar:

"É preciso construir uma torre
- uma torre azul para os suicidas.
Têm qualquer coisa de anjo esses suicidas voadores,
qualquer coisa de anjo que perdeu as asas."

Mário Quintana, em "Torre Azul"

neruda.jpg

Na lira do chileno Pablo Neruda, o dueto da paz, branco e azul, é citado para qualificar a amada:

"Para mim és tesouro mais intenso de imensidão
que o mar e seus racimos
e és branca, és azul e extensa como a terra na vindima.
Nesse território, de teus pés à tua fronte,
andando, andando, andando, eu passarei a vida."

mario-sa.jpg

O poeta suicida português Mário de Sá-Carneiro também viu no azul um modo de eufemizar o que tanto lhe afligia:

"Um pouco mais de sol - eu era brasa.
Um pouco mais de azul - eu era além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém..."

Mário de Sá-Carneiro, em "Quase"

penafilho2.jpg

O azul sempre poético. O amor de Carlos Pena Filho à cor azul expressou-se em completude no poema "Desmantelo Azul"

"Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori, as minhas mãos e as tuas.

Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul."


Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @obvious //Raul C. de Albuquerque