a razão singular do segredo

sobre o que escrevem os que escrevem?

Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este).

Flores e poemas

Uma pequena ode ao dueto mais belo do amor cortês


rosas2.jpg

"Uma coisa é amar-se uma mulher. Outra, dar-lhe rosas/
vermelhas. Uma coisa é o amor, outra é a homenagem/
ao objeto desse amor que prescinde de rosas."

Poema "As rosas vermelhas" de Lêdo Ivo

Assim escreve o poeta alagoano Lêdo Ivo sobre a relação entre amar e dar rosas, como se as águas do amar desaguassem no entregar rosas. Não sei como anda o faturamento das floriculturas nem como vão os versos dos namorados (leiam-se: noivos/maridos/amantes/amigos), mas esse artigo é uma homenagem ao dueto Flores & Poemas.

amor-cortes.jpg

Enquanto Marcelo Jeneci canta para a amada "Não te darei flores não te darei elas murcham, elas morrem", o Ricardo Reis, heterônimo do Fernando Pessoa, não teme em dizer "Coroai-me de rosas,/
Coroai-me em verdade,/
De rosas —//
Rosas que se apagam/
Em fronte a apagar-se/
Tão cedo!//
Coroai-me de rosas/
E de folhas breves./
E basta.
" A efemeridade - ou liquidez - dos amores encontram metáfora magnífica na entrega de rosas, é o que Pessoa não tem medo de entregar.

As pétalas genial e despretensiosamente dispostas em cores que dizem muito em beleza e morrem em dois ou três dias, mas entregar rosas - e recebê-las - é um ato que termina em si mesmo, não prescinde obra resultante, apenas a felicidade capsular do momento e as lembranças para o futuro. Por isso, para Pessoa, não importa se as rosas "se apagam", o eu-lírico quer ser coroado "de rosas e de folhas breves. E basta."

rosas murchas.jpg

Dar rosas equivale a dizer "que seja infinito enquanto dure", uma vez que o amor líquido pode caber em 50 anos, em 5 meses ou ainda em qualquer segundo de arrebatamento apassionato. Dar rosas - que depois murcharão - é um ato cortês de sinceridade.

Dar rosas é simbólico: a beleza do efêmero. Vinícius escreve que é "Preciso ter muitas rosas para receber/
O grande amor/
Quando for/
Sua hora de voltar"
, lembrando que as rosas tem múltiplas funções dentro da Babel do Amor, de um "eu te amo" a um "me perdoa", o mestre sabia das coisas, sabia também que "[Para viver um grande amor] É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista - muito mais, muito mais que na modista! - para aprazer ao grande amor" . Entretanto Vinícius entendia que se deve dar mais que rosas à Amada: "Eu quisera dar-te, ademais dos beijos e das rosas, tudo o que nunca foi dado por um homem à sua Amada, eu que tão pouco te posso ofertar."

gregri.jpg

Por fim, o gesto do amor cortês configurado em dar rosas é um ato simbólico e, símbolo por símbolo, Fernando Pessoa escreve:

"Dá-me lírios, lírios,

E rosas também.

Mas se não tens lírios

Nem rosas a dar-me,

Tem vontade ao menos

De me dar os lírios

E também as rosas.

Basta-me a vontade,

Que tens, se a tiveres,

De me dar os lírios

E as rosas também,

E terei os lírios —

Os melhores lírios —

E as melhores rosas

Sem receber nada.

A não ser a prenda

Da tua vontade

De me dares lírios

E rosas também."


Raul C. de Albuquerque

Estudante de Direito apaixonado por Letras. Apesar desse quadro, não acha que está no lugar errado, afinal, o amor às palavras demonstra-se de diversos modos. Poeta desde que nasceu, mas só começou a escrever poemas aos sete anos. Apaixonado por livros, chá e música clássica. Tem especial prazer em descrever inutilidades em perfis (como este)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Raul C. de Albuquerque