a trompa lounge

Olhares Sobre a Música Portuguesa

Rui Dinis

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Jan de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses em a-trompa.net

O Quarto Fantasma e "A Sombra"

É uma sombra que nos esmaga. Mas é também o álbum de estreia do trio lisboeta O Quarto Fantasma, um disco pós-rock envolto num manto intensamente ambiental e experimental.


sombra_quartofantasma

Saciado, finalmente. E bem. À secura de há um ano atrás, provocada pela audição compulsiva do curto mas bem prazenteiro EP “Arder”, sucede-se agora uma deliciosa sensação de quase enfartamento. Quase, porque na verdade este enfartamento nada tem de excessivo que nos entupa perigosamente a alma ou o coração.

Em todo o caso, é ainda assim uma questão de fartura, mas boa. Porque não há fome que não dê em fartura, há um banquete à espera de ser devorado n’O Quarto Fantasma. Um disco novo, cheio, completo. Chama-se "A Sombra"(Raging Planet, 2013), o manjar.

o_quarto_fantasma.jpg

Lá dentro, e porque se trata de um quarto fantasma, particularmente exíguo, é também de claustrofobia a sensação imperante. As esparsas palavras lusas pouco ou nada desvendam, servindo essencialmente para adensar o mistério escondido por detrás de tais incessantes e explosivos movimentos sónicos. Com rugidos de vário grau, mecânicas díspares, é bom sentir este trio lisboeta claramente comprometido com um pós-rock de intensa luminosidade psicadélica.

Sem pressa, ficamos ali, sentados, hipnotizados pela dança desatinada das guitarras e pelo balanço avassalador da bateria. Hipnotizados por toda uma argumentação sonora mais ambiental que baila sem freio à nossa volta. Qual poesia dos sons, emoção e comoção, num rock que experimenta, que não pára, que nos absorve e nos vence, de prazer.

Enfim, as 11 faixas de "A Sombra", o álbum de estreia d’O Quarto Fantasma, não só confirmam o que já pressentíramos com o EP “Arder”, como nos surpreendem, positivamente; pela maturação; pela generosidade; pela profundidade; pela personalidade. Não há que ter medo, é entrar, se fechada é arrombar a porta d’O Quarto Fantasma e deixarmo-nos vencer. Porque há derrotas que sabem a vitória, tal a forma como nos saciam a fome. Eu estou saciado.


Rui Dinis

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Jan de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses em a-trompa.net.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/música// //Rui Dinis