above all

Falar e pensar, sobretudo o que me interessa

JHONS CASSIMIRO

Escrevo sobre tudo que parece ter vida e conteúdo, e que sobretudo tem proveito.

Abaixo a reciclagem, viva a lapidagem!

O que foi feito de tudo que a gente sonhou? O que foi feito da vida? O que foi feito do amor? (Milton Nascimento)


Diamond-.jpg

Há momentos impossíveis de esquecer. O primeiro dia de aula na tão sonhada faculdade; o minuto em que os chapéus de formatura são atirados para o alto; a assinatura da posse no emprego; a satisfação por trabalhar no que gosta...

São conquistas que precisam estar gravadas eternamente em nossa memória , visto a grande soma de energia que despendemos para alcançá-las. Tal energia, trabalhada durante anos de noites em claro, deve estar impressa em nossa alma, como se fossem facetas de uma pedra preciosa.

-formatura.jpg

Com o passar dos anos, surge a tão sonhada estabilidade. Por mais que saibamos o quão necessário é o aprimoramento, que garantiria a valorização de si mesmo, o elemento tempo (ou a ausência dele) vem nos roubar a capacidade de nos transformar em alguém melhor. Não dispomos de tanto pique como antigamente, vamos deixando de lado o aprendizado de coisas novas, nossa memória parece não querer mais ajudar, e aos poucos transformamos aquilo que já possuímos em um amontoado de coisas velhas, uma espécie de lixão.

A partir desse ponto, as conquistas passam a ser pequenas. Não há mais montanhas a serem escaladas, desertos a serem cruzados em busca de um objetivo incrivelmente desejável. O máximo que passamos a almejar é um aumento de salário, ou uma promoção no emprego. Aquele certificado guardado no nosso "lixão" está ali para garantir esse pequeno passo na carreira. Se tudo correr bem, será assim até a aposentadoria. Perdemos o sal da vida, adormecemos o leão que rugia por novas caças. Nada de grandes conquistas, de momentos inesquecíveis a serem adicionados à memória. Nossas vitórias brilharão apenas como garrafas Pet transformadas em uma bugiganga qualquer.

tumblr.jpg Foto: http://sustentavelhorrivel.tumblr.com/

Mas a vida não precisa ser um filme ruim, que ninguém deseja assistir, onde o roteiro acima descrito seja uma obrigação. Pelo contrário, é necessário que cada um escreva da sua maneira a história que, quando menino, desejou para si mesmo.

Quando menino, plantou sementes na esperança que as árvores o levassem até lugares altos e bonitos. De lá podia ver as mais variadas montanhas prontas para serem escaladas, por mais que soubesse que teria que enfrentar os barrancos e pedregulhos.

MaxRive.jpg Foto: Max Rive

Quando menino estava disposto a ultrapassar os barrancos, a escalar sobre as pedras, torna-se forte como elas.

É necessário relembrar a força que se tinha e acreditar que ainda se tem. Abrir os olhos e ver as outras montanhas que ainda precisam ser escaladas. As emoções novas, as histórias diferentes a serem vividas, a adição de vida à vida.

É preciso estar disposto a não querer a mesmice, não querer passar o resto dos dias encarando as mesmas situações, vendo o mesmo cenário, repleto de "garrafas pet" que não conseguem oferecer a beleza necessária à nossa satisfação.

O processo é demorado e necessita de esforços, para que nos lapidemos. Etapas a serem superadas, estudos a serem feitos, trabalho duro a ser realizado.

Busquemos nos transformar de pedra bruta em lapidada, para com isso agregar valor. Sejamos multifacetados e polidos, e por mais tempo que isso demore, saibamos que vale a pena.

Outros dias virão e independente do tempo que leve, precisamos nos transformar em joias.

Alertem todos alarmas, que o homem que eu era, voltou!

PS.: Este texto foi livremente inspirado na vida cotidiana, no filme "Febre do rato" de onde foi retirado o título; nas músicas "O que foi feito devera" de Fernando Brant, Milton Nascimento, Márcio Borges e "Redescobrir" de Gonzaguinha.


JHONS CASSIMIRO

Escrevo sobre tudo que parece ter vida e conteúdo, e que sobretudo tem proveito..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //JHONS CASSIMIRO