Ágora

Construções verbais de colunas abstrativas

Alícia Madrid

Somos todos universos ambulantes com almas metamórficas.

Brasil: uma cultura feita de culturas

Os processos de transformação cultural dentro da formação identitária do Brasil, segundo Darcy Ribeiro: desde o início, somos impositores da lei que nos oprime.


A cultura está em constante mudança, basta olharmos para o passado, mesmo que por um breve momento, para encontrarmos diferenças culturais entre as gerações mais antigas e as que viveram posteriormente. Bauman (2012) acredita que a cultura pode ser herdada ou incorporada, como um produto a ser consumido por cada ser humano que nasce, e sendo uma propriedade, é passível de ser “adquirida, dissipada, manipulada, transformada, moldada e adaptada.”

Retirantes, Cândido Portinari (1945).jpg

Laraia (2009) afirma que a cultura é dinamica na medida que os homens “têm a capacidade de questionar seus próprios hábitos e modificá-los” (p.95). O autor discorre sobre dois processos de mudança cultural: o primeiro diz respeito à mudança que ocorre intrinsecamente em um sistema, resultado da reavaliação das interações sociais e produto das forças de protesto e das lutas de um determinado grupo social.

O segundo processo ocorre através do choque entre culturas diferentes, situação na qual pode haver uma aculturação civilizatória brutal e impositiva ou branda e sutil. Seja qual for a natureza da influencia de uma cultura sobre a outra, o autor defende que esse processo de transfiguração cultural existe em praticamente qualquer cultura: o encontro entre sociedades difirentes sempre resultará em algum tipo de intercâmbio cultural.

Durante toda a história da humanidade observamos como o confrontamento entre culturas resulta em uma luta de poder pela conquista não só de capital e recursos, mas também da supremacia ideológica, o que se configura em vários aspectos sociais e áreas do conhecimento. Poucas foram as culturas que, havendo dominado outra militarmente, respeitaram-na e permitiram que os derrotados mantivessem suas crenças, costumes e valores, enfim, sua cultura.

Obra-2-Tarsila-do-Amaral-1886-1973-Uma-família.jpg

O Brasil não foi uma exceção, porém, aqui, diferentemente da maior parte dos outros lugares do mundo, houve uma intensa mistura entre culturas advindas de continentes diversos. Tal mistura gerou as sementes que, nesta terra, dariam início ao povo brasileiro. Desde então, nossa população se tornou cada mais um produto hibrido que carrega não só os genes de índios, africanos e europeus, mas também a bagagem histórica de supremacia e sofrimento vivida por eles ao chocarem-se em si. Nas palavras de Darcy Ribeiro (2006):

“Todos nós, brasileiros, somos carne da carne dos pretos indios supliciados. Todos nós brasileiros somos, a mão possessa que os supliciou. A doçura mais terna e crueldade mais atroz aqui se conjugaram para fazer de nós a gente sentida e sofrida que somos e a gente insensível e brutal, que também somos.” (p.108)

No momento em que a cultura brasileira passou a se consolidar e os integrantes das três matrizes culturais que a compunham começaram a efetivamente se ver como brasileiros, um novo processo foi criado: o processo de mudança interna do recém-construído povo brasileiro. Foi quando os primeiros brasileiros, diferentes em suas raízes, mas majoritariamente uniformes em sua condição como oprimidos, “se configura como um povo em si, que luta desde então para tomar consciencia de si mesmo e realizar suas potencialidades” (RIBEIRO).

Nos séculos seguintes, o povo nascente construiu e incorporou as características que hoje o definem, agregou um pouco de cada matriz que o originou e, por isso, se tornou único.

A duplicidade moral defendida por Darcy Ribeiro tornou-se parte do que é a cultura brasileira, carregada de estereótipos que buscam uniformizar uma gente tão complexa que dá a impressão de unir vários mundos em um só país.

Com ideais de igualdade e união, esperamos que o processo de endo-transformação cultural aflore cada vez mais o lado humano e resiliente que nos faz ter orgulho da terra onde nascemos.

Referências:

BAUMAN, Zygmunt. Ensaio sobre o conceito de cultura. LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil.


Alícia Madrid

Somos todos universos ambulantes com almas metamórficas..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Alícia Madrid
Site Meter