Marco Gavazza

Marco Gavazza é Publicitário, com extensão em Planejamento Estratégico e Marketing Eleitoral. Editor do site BahiaMulher e colaborador em diversas publicações

MASSACRANDO O PORTUGUES

Não falo de idéias ou tendências, pois a estas, todos tem direito, sejam elas as mais esquisitas que forem. Falo da linguagem mesmo, da palavra escrita, vítima indefesa de uma pancadaria como nunca se viu antes.



marcha-no-rio-de-janeirotasso-marcleoafp.jpgAs manifestações de protesto contra o atual governo, que invadiram o Brasil nos últimos dias, revelaram uma violência assustadora, praticada contra a língua portuguesa.

02protestomaracana2006dramalho.jpg

Nas ruas, cartazes criativos e bem humorados nem sempre poupavam a gramática, mas até aí é aceitável, já que um povo que protesta pedindo, entre outras coisas, Educação, não pode ser lá muito letrado.

balas.jpg

Assustadoras mesmo foram as manifestações on line. Qual terroristas sedentos, surgiram das mais sombrias e inesperadas esquinas de blogs, sites e redes sociais verdadeiras milícias, exércitos de sociólogos, analistas políticos, militantes variados, filósofos e jornalistas de última hora, praticando atos de selvageria contra o idioma. Não falo de idéias ou tendências, pois a estas, todos tem direito, sejam elas as mais esquisitas que forem. Falo da linguagem mesmo, da palavra escrita, vítima indefesa de uma pancadaria como nunca se viu antes.

coluna2.jpg

Concordâncias foram apedrejadas, sentenças atropeladas, pronomes e advérbios pisoteados, conjunções e preposições incendiadas sem que pudessem esboçar qualquer reação. Neologismos escandalosos foram praticados à luz do dia.

Sem título.jpg

Não foram poucas as vezes em que se fez necessário ler mais de uma vez o título surpreendente de uma matéria, para descobrir -por exemplo- que não estava acontecendo uma corrida rumo à Presidência da República em 2014 entre os manifestantes, mas sim, que entre eles, havia uma preferência pelo presidente do Supremo Tribunal Federal. Complicado.

Dilma Roussef fez um longo discurso onde informou ser a Presidenta do país (!) e acrescentou: “eu tenho a obrigação tanto de ouvir a voz das ruas, como dialogar com todos os segmentos” esquecendo que a “tanto” contrapõe-se “quanto”.

Entretanto, não se limitaram apenas contra a gramática as bombas de gás “lacrimogênico” que foram lançadas no Brasil da Copa das Manifestações. O léxico também não escapou ileso das bordoadas e balas de borracha.

coluna 4.jpg

Na ânsia de mostrar conhecimento e profundidade diante de fatos cujas razões estão nos subterrâneos do movimento socialista latino americano e de acesso limitadíssimo, surgiram as teorias das “sociologizações de demandas retroalimentadas pela teocracia fascistóide” ou “um suposto viés de frescor numa vinculação orgânica com aparelhos sindicais”. Ou ainda “a esquerda e a direita tradicionalmente conservadora entrelaçando o fator facista de momentos potencializados pela imprensa falso moralista”.

Dói, tanto chavão, tanto lugar comum, tanta teoria e tamanha falta de argumentação concreta, real, local. Frases que não possuem qualquer outra função além de tornar a linguagem escrita em português, inútil. Orações como estas foram ao ar minuto a minuto, acompanhadas pelo coro incessante e veemente da condenação à “depedração” física que acontecia nas ruas.

Não sou mestre em Letras Vernáculas; aqui e ali acabo tropeçando em alguma regra desta nossa língua realmente difícil, mas o que vi nestes últimos dias foi de entristecer ainda mais quem vive neste país.

NYT.jpg

Cresci vendo meu pai ler jornais impressos e neles pegava carona, por pura imitação como convêm às crianças, mas foi ali que aprendi a ler de forma prática para mais tarde aprender a escrever de forma clara, objetiva, direta e com um mínimo de elegância. Talvez nem tenha aprendido corretamente, porém é o que ainda até hoje tento. Assim, quando vejo essas epidemias de erudição artificial -ou até mesmo uma erudição autêntica- tendo como objetivo apresentar uma informação ou opinião ao público imenso que freqüenta a internet, fico pasmo.

lareira-livro3-e1294857978881.jpg

Acredito que a pessoa que deseja ler um texto complexo, mergulhar nele e decifrar cada frase, cada entrelinha, corre para Joice, Proust, Dante e tantos outros escritores densos e geniais. De preferência confortavelmente instalado numa poltrona, com uma saudável taça de vinho ao lado e um cachorro deitado por perto. Além de uma lareira acesa, claro, se for o caso.

1890.13415-Sony-Tablet-S.jpg

Frente a um monitor ou com um tablet na mão e sabendo que no site ao lado alguma coisa já está mudando, o leitor espera clareza, síntese e -evidente- uma escrita sem erros, acho eu. Mas não foi o que se encontrou num momento em que a televisão e o rádio não davam conta de -ou não queriam- acompanhar os acontecimentos e a internet fazia isso com toda velocidade e mobilidade possíveis. O que chegou pela rede foi uma enxurrada de textos minados, com barricadas, barreiras e explosivos.

Nas ruas brasileiras e na internet, a língua portuguesa foi pisoteada de forma implacável. Buscando um lado bom em tudo isso que incendeia o Brasil, fica a certeza de que os protestos pedindo Educação de primeiro mundo são mais que necessários e urgentes.

1baurutalitazaparolli-1.jpg

Marco Gavazza

Marco Gavazza é Publicitário, com extensão em Planejamento Estratégico e Marketing Eleitoral. Editor do site BahiaMulher e colaborador em diversas publicações .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x2
 
Site Meter