aleatoriedades

Cultura não factual.

Henrique Fernandes Coradini

Tenho um apego especial por artistas que tenham criado rumos para uns e ofendido vários. Do hip hop ao psicodélico, qualquer produção cultural que soe legítima e original dentro de seu tempo desperta meu interesse. Sou mais um jornalista perdido em Porto Alegre. [email protected]

Entrevista: Revista Prego, o underground em quadrinhos (e vice-versa)

Entrevista com Alex Vieira, editor da Revista Prego - uma das principais vozes dos quadrinhos underground brasileiros.


revista_prego (cesar berger).jpg Capa da 6ª edição da Prego. Ilustra de Cezar Berger.

A Revista Prego é hoje um dos principais expoentes dos quadrinhos underground brasileiros. Em sua 6ª edição, a revista já contou com a participação de mais de 100 artistas e foi lançada em diversos pontos do Brasil e de fora dele (recentemente a revista foi apresentada ao público português e espanhol). Seguindo uma temática que remete tanto aos quadrinhos pirados da Zap Comix – publicação dos anos 60 capitaneada por Robert Crumb que é considerada hoje a pedra fundadora dos quadrinhos underground – quanto aos pôsteres para bandas de hardcore do californiano Raymond Pettibon – responsável pelas célebres capas dos discos “My War” e “Slip it In” (entre outras) do Black Flag, a Prego reúne o que há de mais ousado e criativo nos quadrinhos da língua portuguesa. Em uma conexão Porto Alegre/Vila Velha (ES), falamos com o editor da revista, Alex Vieira.

Como é fazer quadrinhos underground no Brasil? Que condições são encontradas por quem se propõe a publicar materiais do gênero?

Alex Vieira: As condições são as mais precárias possíveis. Na verdade, não é preciso um grande aparato para se produzir quadrinhos, mas assim que ele está pronto a maior dificuldade é na parte da distribuição. Para que uma publicação não encalhe é preciso muito empenho.

Com quantos artistas conta a prego atualmente? Como funciona a seleção e como as decisões são tomadas dentro da revista?

A.V.: Já participaram cerca de 100 artistas desde a número um. Nós fazemos uma convocatória pela internet e assim convidamos novos artistas para participar. Também fazemos convites diretos para alguns artistas. Não temos uma equipe que trabalha full time na Prego (somente eu e mais um assistente aqui na loja/estúdio), mas quando vamos fechar uma edição, várias pessoas fazem parte do processo.

vibefoda.jpg"Tô numa vibe foda" - quadrinhos do gaúcho Diego Gerlach.

A revista está recém na 6ª edição e já evoluiu muito em sua estrutura. Está sendo publicada com mais páginas e com uma qualidade maior nos materiais. Como ocorrem essas melhorias (que envolvem custos maiores) e de que forma o público reage a elas?

A.V.: A cada Prego eu procuro melhorar algo em relação a edição anterior. A partir da Prego número 5 resolvi mudar o papel do miolo e da capa pra dar uma nova forma à publicação, visto que se iniciava uma série de publicações temáticas. Acredito que deu certo, pois foi muito elogiada, assim como a última edição. No geral, a resposta do público tem sido boa.

A última edição da revista Prego foi lançada em diversos estados do sudeste brasileiro e no sul. De que forma vocês conseguiram atingir um público tão grande sendo que normalmente publicações do tipo acabam limitadas ao espaço regional?

A.V.: Um lance que procuro deixar claro na Prego é que ela é uma publicação meio nômade. Eu vivo no Espírito Santo, mas acredito que as pessoas que participam da revista no sul por exemplo, fazem parte da publicação tanto quanto eu, então eles podem fazer lançamentos e distribuirem a Prego por aí. Todos os colaboradores tem direito a pegar a revista a preço de custo para revendê-la em sua cidade. Além disso, procuro participar sempre de eventos relacionados à cultura independente, publicação e artes visuais, aumentando a nossa rede de contatos pelo mundo.

Alex Vieira2.jpg Alex Vieira e a 6º edição da revista: "edição drogada".

E como surgiu a oportunidade de lançar a Prego em Portugal? De que maneira a revista foi recebida pelo público europeu?

A.V.: Já fazia algum tempo que eu estava em contato com a Associação Chili Com Carne, de Portugal. Eles organizavam a Feira Laica, que acontecia duas vezes por ano com e me convidaram para participar da Laica de Natal que aconteceu no Espaço Maus-Hábitos na cidade do Porto. Escrevi um projeto para a Secretaria de Cultura do Espírito Santo e consegui o financiamento das passagens. Assim distribuí a revista por lá e conheci vários colaboradores, editoras e selos que trocam material com a Prego até hoje. Esse ano pude voltar a Lisboa e fizemos um lançamento da Prego #6 juntamente com o fanzine Mesinha de Cabeceira, de Portugal. Rolou um bate-papo e foi bem legal. Também participei do Gutter Fest em Barcelona, que foi um evento que aconteceu pela primeira vez e reuniu autores independentes de diversas partes da Europa. A recepção foi ótima, tinha gente de lá que já tinha acessado a revista e agora teve chance de adquirir diretamente. Nessa última edição coloquei legendas em inglês para facilitar esse intercâmbio.

revistaprego_ilustra de lobo.jpg "Ejaculator" do artista Lobo.

Os quadrinhos da Prego seguem uma estética particular. A psicodelia, que se encontrava em um ponto de desgaste, parece ter encontrado renovação na estética punk. É correto afirmar que a prego faz quadrinhos punk/psicodélicos?

A.V.: Nas últimas edições fui deixando de lado o slogan inicial da revista, mas obviamente nossa veia punk e psicodelica continua ativa. Não vou dizer que é correto afirmar que fazemos quadrinhos punks psicodélicos para não nos prender somente a isso, mas também não vou negar que os fazemos.

Indique outras publicações independentes (ou não) interessantes para se conhecer os quadrinhos underground. Podem ser tanto brasileiras quanto gringas.

A.V.: Entre no nosso site que você vai encontrar várias publicações independentes nacionais e importadas além da Prego! www.revistaprego.com Obrigado pelo espaço!

pregada.gif Curta a página da Prego no Facebook


Henrique Fernandes Coradini

Tenho um apego especial por artistas que tenham criado rumos para uns e ofendido vários. Do hip hop ao psicodélico, qualquer produção cultural que soe legítima e original dentro de seu tempo desperta meu interesse. Sou mais um jornalista perdido em Porto Alegre. [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @destaque, @obvious //Henrique Fernandes Coradini