alegações finais

Escrevo porque não posso tocar você. Mas toco a alma, e isso é suficiente.

João Bakdash

O drama e os auto-retratos de Bryan Lewis Saunders

Após uma série de tragédias pessoais, Lewis decidiu elevar sua relação com o próprio trabalho. O resultado é uma excêntrica constatação de como as drogas alteram a percepção do mundo e de si mesmo.


PageImage-520142-4350329-IMG_1486Edit.jpg

O filtro de uma cultura narcisista e obsessiva – é assim que Saunders se define. Nascido em Washington, 42, Lewis era reconhecido por seu trabalho narrativo de poemas. Isso mudou no final do ano passado, quando o artista americano ganhou notoriedade na mídia por liderar uma catarse de expressão emocional.

O desenhista, que viveu boa parte da vida no Tennessee, faz auto-retratos desde 1995, e já nessa época experimentava o uso de drogas sintéticas. No entanto sua odisseia começa de fato na virada do século, quando se mudou temporariamente para um famoso edifício de 11 andares em Nova York, conhecido por seus moradores velhos e perturbados. A ideia era fazer um documentário sobre o local.

Zyprexa.jpg 10mg Zyprexa (após 2 semanas de internação no hospital)

Depois da mudança para o prédio, a vida de Saunders mudou brutalmente. Uma amiga da escola de artes comprou uma antiga igreja nas proximidades do edifício, para transformá-la numa casa. Jeniffer morreu durante o sono, quando um dos andares pegou fogo.

Poucos dias após o funeral da amiga, seu melhor amigo Don Morgan, também da escola de artes, deu um tiro na própria cabeça. Sorte ou azar, o rapaz sobreviveu - mas acabou com graves danos cerebrais e confusão mental permanente.

cocaine_.jpg Cocaína

Enquanto Morgan estava no hospital, o pulmão de Saunders teve sua terceira ruptura (pneumotórax espontâneo). Uma cirurgia removeu a parte de cima do órgão para evitar outro colapso.

Brandon Bragg, outro melhor amigo seu, estava vivendo grandes experiências em expedições, então decidiu chamar Saunders para viajar consigo. Durante os meses em que esteve com Bragg, Lewis retratou através do papel praticamente tudo o que encontrou. Foi uma experiência que o trouxe de volta á vida.

adderall.jpg 10mg Adderall

Parece que finalmente as coisas estavam se ajeitando para o rapaz, não é? Quando os dois retornaram para NY, Saunders estava muito desidratado e teve um surto psicótico. Acreditando que Bragg queria matá-lo, abandonou o amigo num mosteiro e voltou para o Tennessee... Foi quando teve a epifania das drogas.

Durante todos os dias, por vários meses, consumiu todo o tipo de droga imaginável, incluindo drogas prescritas por seu médico, e se colocou a desenhar. O consumo excessivo e a mistura de substâncias lhe causaram danos cerebrais reversíveis, de modo que hoje utiliza apenas drogas doadas para o projeto e num intervalo de tempo significativo.

Atualmente está finalizando seu oitavo livro de auto-retratos, são quase 8 mil desenhos. Confira uma curta galeria com outros resultados de sua experiência.

DMT.jpg DMT (antes e depois)

kindbud.jpg Marijuana Orange Bud

3db6eebc-cac3-46f7-b48c-e6d0ae8a619f.jpg Heroína

potbrownies.jpg 2 caixas de brownies

Wjnb3.jpg PCB (a droga mais forte segundo Saunders)


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/design// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //João Bakdash