alicenascidades

Sobre cidades e o que Alice encontrou por lá

Alice Rangel

"Quem é você?", perguntou a Lagarta.
Não era um começo de conversa muito animador. Alice respondeu, meio timidamente, "Eu... eu mal sei, senhor, neste exato momento... ao menos eu sei quem eu era quando eu levantei esta manhã, mas acho que já passei por várias mudanças desde então."

Do outro lado do arco-íris: Os festivais de música eletrônica no Brasil

Paz, Amor, Harmonia e Liberdade não são apenas preceitos do Rainbow Gathering. Conheça a tribo de intinerantes que viaja o mundo atrás de festivais de música eletrônica que têm como mantra a filosofia do Paz, Amor, União e Respeito (PLUR).


No início do ano, circulou pela internet algumas fotos do Rainbow Gathering (veja o artigo da obvious); uma cultura nômade que se reúne anualmente em diversos países, em celebrações que tem como preceito o amor, a harmonia, a paz e a liberdade.
Sua semelhança com estilo de vida do movimento hippie fascinou os saudosistas dos anos 60, bem como os simpatizante do lema paz e amor.
Mas o Rainbow Gathering não é o único encontro capaz de reunir viajantes internacionais que cruzam o mundo em busca de festivais para celebrar filosofias neo hippies. Nascidos da cultura rave, os festivais de música eletrônica cresceram nos anos 90, sobretudo após a disseminação do goa trance, um estilo musical que surgiu do contato de djs com sonoridades da ilha de Goa, na Índia, produzindo faixas melódicas que se distanciavam do som industrial, tocado nas baladas européias. Nesta mesma ilha, os viajantes experimentavam festas a céu aberto que, mais tarde, levaram para Europa, juntamente com aquele novo estilo musical.

16436_1210411858519_5454299_n.jpg
Os adeptos do estilo passaram a se organizar em festas e festivais a céu aberto, por dias e dias, e adotaram como filosofia o PLUR, que significa Paz, Amor, União e Respeito (do inglês: Peace, Love, Union, Respect). Com o crescimento destas reuniões, o PLUR se tornou uma espécie de mantra para o público dos festivais, que se multiplicavam ao redor do globo, desembarcando inclusive no Brasil, no irresistível litoral baiano, hoje terra de um dos maiores festivais de música eletrônica, o Universo Paralello.

411885_10150986811228887_1927332546_o.jpg

As celebrações ocorrem em meio a natureza, sobre conceitos de sustentabilidade e preservação ambiental; também fazem parte da programação: apresentações de cultura alternativa, decoração bem carregada visualmente, com fortes apelos ao psicodélico, e claro, muita música eletrônica, propagada à máxima potência por poderosos sound systems. Tudo isto para a recepção desta incrível tribo nômade moderna.

1014749_10151691161435854_402652446_o.jpg
rave.jpg

Com uma filosofia próxima à do Rainbow Gathering, e participantes que facilmente se misturariam, poderia-se pensar que são celebrações praticamente indênticas. Contudo, a Família Arco-íris obedece preceitos muito mais fechados, e buscam inclusive se distanciar de outros festivais.
Diferentes ou não, uma coisa é certa, as imagens dos festivais brasileiros são igualmente impressionantes e belas. Confira mais algumas fotos:

criança_ohmjpg

16436_1210046369382_272151_n.jpg

31179_1384633613954_2917725_n.jpg

976151_581742911847139_414469695_o.jpg

887048_550986051589492_292905524_o.jpg

149430_602196069808482_416114326_n.jpg

902183_608307412530681_1282585518_o.jpg

kombi_psy.jpg

458755_441180329236732_66203017_o.jpg

481907_495470580494571_2125780886_n.jpg

460771_582110301810400_452866887_o.jpg

tumblr_lwh6m8kZmw1qifjbno1_1280.jpg

477917_581658595188904_1645161571_o.jpg
© Murilo Ganesh, Sonora Satya e Rodrigo Fávera.
Fotos dos Festivais: Universo Paralello, Zuvuya, 303 Art e Aho.



Alice Rangel

"Quem é você?", perguntou a Lagarta. Não era um começo de conversa muito animador. Alice respondeu, meio timidamente, "Eu... eu mal sei, senhor, neste exato momento... ao menos eu sei quem eu era quando eu levantei esta manhã, mas acho que já passei por várias mudanças desde então.".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @destaque, @obvious, eros //Alice Rangel