ally collaço

Devaneios sobre cinema e outras coisas!

Ally Collaço

Eu sou aquela que tem mais perguntas que respostas. Inquieta e curiosa. Apaixonada por cinema, novas experiências, histórias e uma boa prosa. Também curto poesia, comida, música, museu e fotografia. Intensidade já faz parte do meu dia. Bora?

Diário de classe - um livro que PRECISA ser lido!

Este é um chamado e um lembrete, de que a luta por mudanças continua e depende de cada um de nós, num constante estado de coletividade. Se você ainda não conhece, precisa conhecer a história de Isadora Faber, criadora da popular fanpage Diário de Classe, evidenciando problemas na escola pública onde estudava, e como sua iniciativa repercutiu no mundo! =) #ficadica


Diário de Classe.jpg

Eu me lembro claramente quando comecei a seguir a fanpage Diário de Classe, em 2012, que denunciava problemas numa escola pública em Florianópolis, minha cidade natal, e lembro que em alguns momentos questionei se era realmente uma adolescente inquieta e questionadora de 13 anos, chamada Isadora Faber, que estava por trás daquela grande iniciativa. Envergonho-me de tal questionamento!

"Eu tinha um pensamento medíocre, infelizmente comum: achava que, como a escola era de graça, nós não podíamos e nem tínhamos o direito de reclamar. Tínhamos de nos conformar e aceitar." (...) Não queria de novo voltar para casa e saber que absurdos aconteciam e eu nada fazia." Isadora Faber em Diário de Classe - a verdade. (p. 25 e 23, respectivamente)

E quantos de nós nos calamos diante dos absurdos? Era tão surreal perceber que alguém tão jovem e com tão poucos recursos, conseguiu transformar sua própria realidade, que parecia difícil de acreditar que isso era realmente possível. E foi! E é!

"Eu vou, fotografo e divulgo. E eu não preciso de nada além de um celular e de um computador com acesso à internet." p.25

Sua atitude foi tão marcante e inspiradora, que em 2 anos, Isadora virou referência no mundo, como ativista pela educação, lutando por direitos e deveres, que cada vez mais parecemos esquecer. Ela teve a coragem que muitos de nós não temos, para levar adiante um único objetivo: exigir uma educação de qualidade.

"Se o Brasil não tiver uma boa educação, não vai haver pessoas sérias preparadas para resolver todos os problemas sérios do país. Se a gente não tiver educação boa, não vai conhecer nossos direitos e nossos deveres, e vai continuar deixando acontecer absurdos, que começam sempre com a ignorância." p. 24.

Sua experiência virou livro, recém lançado, e recomendo que cada pessoa desse país (e mundo) leia! Leia como esta adolescente se inspirou para fazer o que fez. Como os pais a incentivaram e a mediaram (e portanto responsáveis diretos por tamanho feito), enquanto toda a comunidade escolar desencorajava seus atos, por falta de entendimento, comprometimento e responsabilidade. Como o apoio do público virtual foi fundamental para que ela driblasse as duras críticas e ameaças constantes. Como políticos usaram indevidamente sua imagem, além de usar indevidamente seu cargo, como bem já sabemos. Como ela aprendeu mais fora da escola, do que dentro dela, evidenciando ainda mais o fraco sistema educacional do nosso país.

"Estamos em pleno século XXI, temos muita tecnologia, tudo evoluiu. Fico pensando: tanta coisa mudou e o mundo hoje é tão diferente de antes, como a educação continua a mesma? Só a escola não mudou? Se o mundo evolui, a educação tem que evoluir também, temos que ter uma educação moderna, condizente com tudo o que existe. (...) As redes sociais, a internet, o celular, o computador, o conhecimento todo disponível, os recursos da tecnologia não podem mais ficar de fora do dia a dia da escola. Se eles fazem parte da vida de crianças e adolescentes, precisam fazer parte da vida escolar. E os professores, diretores e profissionais da educação precisam aprender a lidar com isso, tanto na escola pública como na privada." p. 263

Eu li este livro de uma vez só. Devorei. Adoro literatura acessível. Isadora tem uma leveza necessária na escrita para ser compreendida, mas com a profundidade que muita 'gente grande' não tem.

E ao ler sua história, me senti uma COVARDE. Percebi que é mais fácil ENCORAJAR os outros do que ter a CORAGEM para promover mudanças. É mais fácil ficar na torcida, do que enfrentar os obstáculos que começam a surgir diante de toda luta por justa causa. E quantos de nós não estamos fazendo isso neste exato momento?!!

Aos poucos, espero remediar minha covardia, começando com a divulgação do trabalho de uma jovem que não pode ser esquecida e ficar reclusa a um mero 'viral'. Seu trabalho continua, mesmo não estando em pauta na mídia, como esteve enquanto era 'novidade', e depende do engajamento coletivo para continuar surtindo efeito.

Convido você a pensar sobre os absurdos que acontecem ao seu redor e você continua fazendo NADA, absolutamente NADA para mudar a sua própria realidade!

Enquanto ainda busco a coragem necessária para promover efetivas mudanças, sigo encorajando, na medida da possível, aqueles que me rodeiam e se apresentam menos covardes do que eu!

"Talvez Isadora ainda não saiba, mas sua coragem a transformou num exemplo para todos nós. Especialmente para os adultos medrosos ou cínicos, que vivem a vida em silêncio covarde ou não acreditam na força de uma ação honesta e cidadã." Ruth de Aquino - Revista Época - orelha do livro.


Ally Collaço

Eu sou aquela que tem mais perguntas que respostas. Inquieta e curiosa. Apaixonada por cinema, novas experiências, histórias e uma boa prosa. Também curto poesia, comida, música, museu e fotografia. Intensidade já faz parte do meu dia. Bora?.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious //Ally Collaço