animus movendi

Relativizando o movimento e o referencial

LuhanaSP

Palavras libertam sentimentos - movimento contínuo

Efêmera Música Nova Brasileira

“Descobre o peito
Pinta a boca e beija o espelho
Que reflete a silhueta que você acabou de descobrir
Perfuma a nuca,
Perfuma o pulso,
Sente o seu perfume
E sai de salto por aí”.


As rosas não falam, as rosas não cantam... estávamos à espera da flor certa.

tulipa1.jpg

A cantora e compositora Tulipa Ruiz realizou um excelente trabalho com a concepção e concretização do álbum “Efêmera”. A seleção das músicas foi feita de maneira a propiciar a integração e o diálogo entre as faixas, formando um todo personalíssimo. Aquela ideia retrô de princípio, meio e fim, interligados por uma identidade rítmica. Você poderá destacá-las e ouví-las em separado e mesmo assim observará que a atmosfera “Efêmera” se manterá íntegra e perceptível.

Um desses momentos felizes em que se torna impossível não ouvir toda a sequência, todas as faixas, uma a uma, e ao final, diante daquele encantamento que ecoa pelos ouvidos – acionar o botão mágico: repeat.

tulipa-ruiz.jpgfoto divulgada e publicada em colunistas.ig.com.br; Os músicos e os arranjos que integram esta obra acertaram na alquimia do processo criativo, muito atraente e interessante . Os primeiros acordes de “Pontual” me levaram diretamente ao filme Hair – a cena do casamento imaginário, onde a música de fundo é um “pout pourri” de mantras Hare Krishna – o verso “Creia, na boa” e a sonoridade peculiar, desencadearam esta associação. O instrumental de “Pedrinho” acende da lembrança aqueles clássicos filmes de terror, em preto e branco, no melhor estilo Família Adams. “A ordem das árvores”, e a tipificação da fauna e flora, inspira quase uma homenagem ao inesquecível Tom Jobim.

Escrutinando detalhes mínimos, decorando as entradas, pausas e métricas, é possível descobrir que este CD, apesar de muito recente, apresenta uma música contemporânea que já nasceu clássica. Traz uma doçura nostálgica, uma benesse: “comfort memories”. Nas palavras da Tulipa Ruiz “...tudo pode ser linguagem, uma microfonia, um erro”, por isso, tenhamos os ouvidos bem abertos para uma mente livre.

tulipa-ruiz_por-samuel-esteves.jpgfoto by Samuel Esteves, divulgada e publicada em miojoindie.com

Boa composição – Efêmera:

Uma produção de amigos e familiares - o pai toca e compõe, o irmão, Gustavo Ruiz, assina a produção e toca vários instrumentos. Dudu Tsuda, Duani, Márcio Arantes, Stéphane San Juan e outras participações especiais: Kassin, Céu, Thalma de Freitas, fazem o sucesso deste trabalho, que foi premiado pela revista Rolling Stone Brasil como o melhor disco de 2010.

Visite o blog da cantora Tulipa Ruiz


LuhanaSP

Palavras libertam sentimentos - movimento contínuo.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @destaque, @obvious //LuhanaSP