animus movendi

Relativizando o movimento e o referencial

LuhanaSP

Palavras libertam sentimentos - movimento contínuo

Existe amor na música nova brasileira

O rap e a canção na fala cantada do Criolo - cantor e compositor, fundador "da Rinha dos MC's", espaço criado para as batalhas de freestyle. Aquele que deixou de ser Doido, mas não perdeu a insanidade contestadora do "status quo".


Um “Nó na Orelha”, porque nem todos têm um ouvido absoluto

Sim, as críticas sociais estão presentes e retratam o quotidiano a partir das observações próximas da “realidade-tema”. Narrações de um observador personagem, transitando e participando da vida em que está imerso, enquanto o mundo gira: denúncias, contestações, desabafos e alertas.

Criolo_capa.jpeg

A música é um veículo muito eficiente, porque transpõe as dificuldades e encurta as distâncias. Letra e melodia realizam o teletransporte atemporal, a viagem telepática na velocidade da luz, ao redor do mundo e através dos mundos. É impossível ignorar a qualidade, nenhum sectarismo fica imune ao gênero, ritmo e estilo, quando a música consegue provocar uma emoção genuína. A maior evidência é o diálogo entre a sensibilidade e a percepção.

Criolo.jpeg

Criolo trouxe um novo fôlego

O rap nacional ganha em qualidade e visibilidade, a evolução de uma linguagem conceitual, mantidas as temáticas centrais e a matéria-prima das canções – a realidade. E uma transformação estética resultante da mistura de elementos do jazz, funk, soul, blues e afro-beat, aproximando-se, no aspecto formal, da MPB. Mas, o Criolo é, notadamente, um rapper. Um MC com muita experiência nas levadas do seu gênero musical embrionário, que, arriscou-se a cantar e começou a investir nas composições que transcendem a levada “falada”, forte característica do rap.

crioloFoto-Luiz-Maximiano.jpg Foto Luiz Maximiano

Criolo também foi premiado na categoria Revelação pelo júri da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Venceu o Prêmio Faz a Diferença na categoria Música, na qual concorreu com Roberto Medina e Chico Buarque. O disco “Nó na Orelha” (2011) foi considerado o melhor álbum do ano e “Não Existe Amor em SP”, a melhor música, em publicação da revista Rolling Stone - Brasil.

Website oficial do Criolo

Não existe amor em SP.jpg


LuhanaSP

Palavras libertam sentimentos - movimento contínuo.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @destaque, @obvious //LuhanaSP