Diogo Brunner

distraídos venceremos

KEROUAC - Mario Bortolotto na pele do velho Jack

Os últimos dias de Kerouac num monólogo conduzido de forma intensa por Mario Bortolotto.


kerouac 1.jpg

Eram os últimos dias da vida de Jack Kerouac. Alucinado, bêbado, cuidando da mãe, em crise com seu catolicismo sempre meio atravessado, o desgosto algo dúbio e culpado na relação com os amigos, sobretudo Neal Cassady, mas também Burroughs, Ginsberg, Corso. O texto de Mauricio Arruda Mendonça, intensamente interpretado por Mario Bortolotto, é belíssimo e visceral, como Jack. E triste e melancólico, também como Jack, sobretudo nestes últimos momentos.

kerouac 2.jpg

Kerouac nunca quis ser rotulado em relação a nada. Colocaram-lhe rótulos garganta abaixo. Em certo momento da peça ele – agora na pele de Bortolotto – diz algo como “ninguém entendeu que eu estava simplesmente falando sobre beatitude, beatitude”. A escrita de Jack era inseparável da sua vida, do seu estômago, das suas bebedeiras, dos seus amigos e principalmente da sua alma. Por isso seu pavor em ser tratado como “um dos grandes”, e sem receber o que os outros recebiam, apenas tendo o ônus de que lhe tirassem a escrita do patamar que ele a colocava. Inseparável da vida, dos caminhos do excesso. Como ele mesmo diz, citando Blake.

kerouac 4.jpg

A vela que queima durante a peça toda é como Kerouac no fim, bruscamente apagado. A música é baixa, ao fundo, delicada e respeitosa. Julgado por muitos, esquecido, incompreendido. Impossível não sair do teatro com uma sensação esquisita, uma espécie de incompreensão, um vazio. Sim, no final Jack apoiou a Guerra no Vietnã, teve seus repentes reacionários. Nunca achei que devêssemos dar séria importância a isso. Nem Jack dava. Era um desajustado em outra esfera, ele era a tal da beatitude. E pagou um preço por isso. E respondeu altivamente como uma metralhadora giratória de genialidades confusas, encarnando ali mesmo – realmente numa espécie de palco, e não só do teatro – seus personagens, seus amigos, seus inimigos, seus demônios. Tudo ao mesmo tempo. Não havia como separar tudo isso. Jack era um só. O que vivia e o que escrevia.

kerouac 3.jpg

Kerouac está em cartaz em São Paulo no Teatro Cit Ecum - Rua da Consolação, 1623. Tem direção e iluminação do saudoso Fauzi Arapi. Atuação e sonoplastia de Mario Bortolotto e operação técnica do Marcelo Montenegro. As fotos da peça, presentes no texto, são do Grima Grimaldi.


Diogo Brunner

distraídos venceremos.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/artes e ideias// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Diogo Brunner