Ana Filipa Carvalho

Estudante de Belas-Artes apreciadora de todas as formas mágicas de Arte mas com um fraquinho enorme por música.

Senhoras e Senhores : os Clash !

Pioneiros do Punk, rebeldes de muitas causas, Joe Strummer, Mick Jones, Paul Simonon e Nicky “Topper” Headon ajudaram a consciencializar política, social e musicalmente uma juventude em rebelião contra o status-quo em finais dos anos 70 e inícios dos anos 80. “I Fought the Law and the Law Won” cantava Joe Strummer no hit “ I Fought the Law “. Mas eles definitivamente é que ganharam pois, afinal de contas, se tornaram numa das mais inesquecíveis bandas de sempre.



TheClash.jpg

Em 1976 surgiu em Londres um furacão musical capaz de provocar motins, acesas discussões políticas e ideológicas e concertos tão intensos e agressivos como jamais se vira. Os Clash eram altamente politizados. As suas letras eram frontalmente contra a guerra, o capitalismo feroz, o abuso policial e contra o mercantismo da indústria musical. Em 1976, Bernie Rhodes, o manager, formou os Clash recrutando o rebelde Joe Strummer para vocalista da banda que ele pretendia que fizesse sombra aos Sex Pistols. Já recrutara Mick Jones como virtuoso guitarrista, Paul Simonon, estudante de artes e ainda aprendiz de baixo. Faltava-lhe um líder carismático que arrastasse multidões. Já tinha ouvido falar de um "insurrecto" vocalista, animal de palco e rebelde na voz, que tocava com os 101ers. Resumidamente Rhodes, nos bastidores de um concerto dos 101ers que fora assistir propositadamente para ver Joe em acção, pergunta-lhe (na altura já tinha mudado de nome: de Joe Meller para Joe Strummer devido ás suas limitações como guitarrista) se queria-se juntar a uma nova banda que rivalizaria com os Sex Pistols. Passadas 24 horas, Joe aceita. Recrutam Nicky Topper Headon, um baterista de jazz relutante a tocar punk-rock, e voilá eis os Clash!

JS

Pediram-lhes para escrever sobre o que achavam que era importante na altura. Após Paul Simonon reparar no nome Clash diariamente estampado nos jornais devido aos conflitos sociais e políticos emergentes em Inglaterra, adotaram sabiamente o nome e apontaram baterias para o clima revolucionário que se vivia. O primeiro álbum “ The Clash” sairia em 1977 sendo o single “White Riot” o primeiro sucesso. Ao contrário dos Sex Pistols que possuíam uma visão punk niilista do mundo, Os Clash apesar de incitarem ao caos, faziam-no sob um caos consciente e positivo. Um alarme mental para o que de socialmente negro se passava na altura. A voz rouca de Strummer passou a soar com um grito de rebelião para uma juventude faminta de convicções políticas e de liberdade de expressão.

clashC.jpg

O sucesso foi imediato e consolidado com o segundo álbum “Give´Em Enough Hope” em que cantavam sobre política (claramente de esquerda mas não a favor da anarquia), liberdade e destinos a que toda a humanidade poderia atingir. A consagração aconteceria em 1980, com o álbum “London Calling”, um dos melhores álbuns rock de sempre. Uma bomba musical revolucionaria em que impera uma mistura de sentimentos: desobediência, coragem, revolução, guerra…Uma obra-prima, considerado o melhor álbum os anos 80. A partir dai, os Clash foram considerados como “ a única banda que interessa”. Para mim, o extraordinário nos Clash, para além da sua rebeldia contagiante, dos ideais utópicos de esquerda romântica, dos concertos arrebatadores em que davam tudo em palco, e se tornarem quase comícios políticos vibrantes, é possuírem uma pureza integra no que cantavam. Uma doçura encantadora que nos enchia a alma de esperança num mundo melhor. Os Clash foram os consciencializadores sociais da juventude dos anos 80. Não eram os média veículos educadores anti-Thatcheristas, era a arte destes quatro rapazes oriundos de famílias desestruturantes.

CO.jpg

Eles acreditavam piamente no que cantavam ao mundo a plenos pulmões. E numa época em que crescia o marketing em torno da imagem no meio musical, esta postura sincera era e é, tremendamente sedutora. Sem pudores para com a industria musical, como por exemplo em :

Complete Control :

"They said we'd be artistically free When we signed that bit of paper They meant let's make a lots a money An' worry about it later"

Após o quarto álbum Sandinista, um registo mais eclético em que abordam outros estilos musicais, como o funk, reggae,…) lançam “Combat Rock”, o quinto álbum já sem o baterista Topper Headon devido a problemas com drogas. Foi um sucesso. Os singles “ Rock the Casbah ” e “ Should I Stay or Should I Go ” tornaram-se inesquecíveis.

Thumbnail image for CL.jpg

Os Clash, no entanto, começam a desmembrar-se. A pressão do sucesso, as discussões entre Strummer e Jones, os problemas com drogas e o estatuto de banda milionária, chocavam frontalmente com os ideais de esquerda que defendiam. Passaram a fazer parte da elite musical que outrora, nos primórdios, criticavam. Deixou de fazer sentido e em 1985 infelizmente, após terem lançado o ultimo álbum “Cut the Crap” já sem Mick Jones, os Clash acabariam pouco depois.

Para a História fica uma banda única no espectro musical. Conseguiram sobreviver ao Punk, mesmo quando este definhava, optando por novas sonoridades mas sempre com espírito revolucionário e ao mesmo tempo injetando-nos doses de alegria e positivismo. Foram únicos na forma como afrontaram os poderes políticos e sociais instituídos. É caso para dizermos : Que falta nos fazem hoje em dia...I´m so bored with the world without them!

The+Clash.jpg

Ana Filipa Carvalho

Estudante de Belas-Artes apreciadora de todas as formas mágicas de Arte mas com um fraquinho enorme por música..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v3/s
 
Site Meter