arbitrário

música, cinema & cultura pop

Wellington Almeida

Paulista de nascimento e cigano de coração, mudou-se no Inverno de 2002 para a ensolarada capital portuguesa mas só em 2009 encontrou o seu "lar doce lar" em Berlim. Considera-se um misantropo full-time mas assume que tem muitos dias de Amélie Poulain

Her - somos todos Theodore

Em "Her" o novo filme de Spike Jonze, Joaquim Phoenix vive um escritor profissional de cartas de amor que se apaixona pela voz do sistema operacional do seu computador, Samantha (brilhante caracterização na voz de Scarlett Johansson) e Jonze faz uma parábola de todos nós, cada vez mais dependentes do universo digital.


her4.jpg

Como bem lembrou o Carlos Merten no Estadão, Her faz lembrar um pequeno filme de 1995 "Denise Está Chamando" (Denise Calls Up) sobre alguns amigos, em Nova York, que se comunicam apenas por telefone e fax. Até que um dia, combinam todos de se encontrar pessoalmente só que na hora H, ninguém aparece. Em "Her" Joaquim Phoenix interpreta Theodore – vive um escritor profissional de cartas de amor. Mesmo sendo um profissional exímio nas letras, Theodore tem uma certa dificuldade em expressar sentimentos e relacionar-se com outras pessoas (resquícios do fantasma da sua ex-namorada, da qual ele nunca esqueceu) e, por isso vive sozinho sob a proteção das paredes do seu apartamento. Theodore é tão solitário que começa a interagir com um programa de inteligência artificial – Samantha – e acaba por apaixonar-se pela voz desse programa (interpretada por Scarlett Johansson).

her3.jpg

A semelhança com "Denise Está Chamando" evoca a dependência tecnológica que os primórdios da internet já denunciava no início dos anos 90. O filme até se assemelha um pouco ao fenômeno das linhas telefônicas no Brasil, quando se tornaram acessíveis ao resto da população e deixaram de ser uma coisa da elite e todo mundo podia se comunicar em qualquer canto do país. Olhando agora para trás, o filme parece meio profético, antecipando as testemunhas digitais nas quais nos tornamos.

denise esta chamando1.jpg cena do filme de 1995 "Denise Está Chamando" escrito e dirigido por Hal Salwen

Mas 'Her' não parece olhar de fora, com o dedo acusador, mas sim perdido como nós, no meio desse tornado de emoções dilaceradas. As mesmas as quais nem Samantha consegue lhes dar nome. "Sometimes I think I have felt everything I'm ever gonna feel" diz Theodore em determinado momento do filme; e eu me sinto carregado para o centro dessa pequena maravilha que é Her.


Wellington Almeida

Paulista de nascimento e cigano de coração, mudou-se no Inverno de 2002 para a ensolarada capital portuguesa mas só em 2009 encontrou o seu "lar doce lar" em Berlim. Considera-se um misantropo full-time mas assume que tem muitos dias de Amélie Poulain.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Wellington Almeida