artefacto artefoto

O olhar perplexo de um Poeta diante da Vida

João Carlos Figueiredo

Um escritor e uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: arte e foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte...

O Atentado de Paris e o êxodo contemporâneo

A humanidade se perdeu em algum momento, e as principais causas são, justamente, seu maior orgulho e prazer: o desenvolvimento tecnológico alcançado e a liberdade de expressão, sem regras e sem limites. A primeira estimula o consumo desenfreado, o descontrole sobre o desperdício e a exaustão dos recursos naturais do planeta. A segunda, a irreverência, quebra a cadeia de comando do ser humano, tornando frágeis todas as suas estruturas e instituições sociais, sem colocar nada em seu lugar, senão o vazio da inconsciência. Quanto durará esse processo, e se ele determinará a extinção da "raça humana" somente o tempo nos responderá, mas talvez já seja tarde demais para reverter esses processos e recuperar tudo o que foi perdido..


Atentado de Paris

Em meio à revolta e à consternação causadas pelas notícias que circularam nas mídias internacionais, uma questão se destaca, inevitavelmente: "até que ponto os refugiados da guerra civil da Síria facilitaram a penetração de terroristas em território europeu, contribuindo ainda mais para a rejeição dessas populações, cada vez mais hostilizadas pelos franceses e outras nações ocidentais"?

Circulam, pelas mídias sociais, manifestações preconceituosas, aproveitando-se do clima de medo e incertezas, afirmando que o islamismo está ameaçando a sobrevivência da cultura europeia, fazendo exigências para que as instituições religiosas, de ensino e sociais adotem as leis do Islã. É compreensível que a população, que desconhece a História, extrapole seus limites de perplexidade.

Cabe, porém, outra análise sobre tais acontecimentos. E a questão é a intolerância religiosa, não importa o local, o povo, a época. Há séculos, as religiões alimentam mais o ódio que o amor; mais as guerras que a Paz; mais a segregação que a união entre os povos; mais a violência que a harmonia.

Entre os séculos XI a XIV, os cristãos, que eram únicos, radicalizaram seus preceitos, criando as Cruzadas, em busca de resgatar a Terra Santa, curiosamente no Oriente Médio, palco da origem dos atuais acontecimentos. E as disputas eram as mesmas, entre muçulmanos, cristãos e judeus. Enquanto isso, no continente europeu, uma violenta perseguição aos "infiéis" (dessa vez, os cristãos eram as vítimas de sua própria igreja), através de uma instituição denominada de Santa Inquisição, milhares de pessoas inocentes, foram queimadas vivas em praça pública, enquanto os "Exércitos de Deus" seguiam ao seu destino, em busca do solo onde Cristo nasceu e pregou seu evangelho.

Muitas foram as "guerras santas", mas poucas tão violentas como a que ocorre agora, entre judeus, cristãos e muçulmanos. Os mesmos personagens, cada vez mais inimigos, cada vez mais poderosos, belicosos e intolerantes. E sempre a crueldade se pratica "em nome de Deus"! Teríamos mesmo um deus tão cruel e vingativo, apartando os homens de si mesmos em nome de falsos dogmas?

Há cerca de dois anos, o êxodo de sírios, libaneses, palestinos e africanos (estes, vítimas de outra organização cruel: o Boka Haram) se expandiu e criou uma nova situação a agravar ainda mais a crise econômica da Europa pós-recessão. Milhares de homens, mulheres, crianças e idosos se arriscam diariamente na travessia do Mediterrâneo em busca de água, paz, dignidade e alimentos.

Mas por onde passaria a ponte que une esses dois acontecimentos, senão pela causa comum de um grupo de fanáticos pretendendo estabelecer um Estado Islâmico radical, onde as regras são interpretadas de forma crua e implacável, principalmente contra as mulheres, os homossexuais e os incrédulos?

Não é difícil concluir que essa migração descontrolada facilitaria o ingresso, em grande número, de terroristas nos países europeus. Também nos parece evidente que este e outros atentados estariam relacionados fortemente com o êxodo para o ocidente europeu. Mas por que a França? Da primeira vez, a óbvia relação foi declarada pelas suas vítimas, cartunistas irreverentes, lidando, justamente, com o mais precioso sentimento de idolatria e adoração a Maomé! Mas, e agora, que atinge jovens, estudantes, classe média, potencialmente aqueles que poderiam se sensibilizar com as "causas islâmicas"?

Para aqueles que ultrapassaram as barreiras do convívio social, dos valores individuais e coletivos, das estruturas familiares, de uma sociedade democrática e de outras regras da existência em grupo e da tolerância das ideias divergentes, é muito difícil encontrar limites para o terror que alimenta suas ações. Sem esses liames que sustentam a vida, basta fazer crer a seus adeptos que seu deus, seja ele quem for, quer ver a consecução de seus planos, e não interessam os meios.

Se essa violência é maior ou mais cruel do que em tempos medievais, é difícil avaliar. Cada tempo e cada povo, na medida de sua própria existência, estabelece os limites da (in-)tolerância que determinarão sua conduta. Para nós, hoje, nos parece que atingimos o apogeu da violência e da crueldade. Mas não é verdade; sempre é possível superar o mal, o ódio e o desespero.

Nosso mundo humano caminha para a destruição. E esse não é um vaticínio baseado em atos terroristas, mas uma constatação de que não mais respeitamos convenções, não conhecemos mais a Ética, desacreditamos da Justiça, seja ela humana ou divina, e até matamos nossos deuses, substituindo-os por ícones e textos, supostamente sagrados, que, ao invés de pregar a Paz e a Compaixão, alimentam o ódio entre os seres humanos e o desprezo pela Natureza. É um caminho equivocado e sem retorno, que, infelizmente, não terá um final feliz.

Desses fatos, que se repetem com mais frequência do que gostaríamos de observar, se depreende que a humanidade se perdeu em algum momento, e as principais causas são, justamente, seu maior orgulho e prazer: o desenvolvimento tecnológico alcançado e a liberdade de expressão, sem regras e sem limites. A primeira estimula o consumo desenfreado, o descontrole sobre o desperdício e a exaustão dos recursos naturais do planeta. A segunda, a irreverência, quebra a cadeia de comando do ser humano, tornando frágeis todas as suas estruturas e instituições sociais, sem colocar nada em seu lugar, senão o vazio da inconsciência. Quanto durará esse processo, e se ele determinará a extinção da "raça humana" somente o tempo nos responderá, mas talvez já seja tarde demais para reverter esses processos e recuperar tudo o que foi perdido..


João Carlos Figueiredo

Um escritor e uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: arte e foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte....
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //João Carlos Figueiredo
Site Meter