artefacto artefoto

O olhar perplexo de um Poeta diante da Vida

João Carlos Figueiredo

Um escritor e uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: arte e foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte...

A responsabilidade do voto

Não há como se eximir de suas escolhas. Ao votar em um candidato cada eleitor está assinando um termo de compromisso com as propostas e ideias desse candidato, incluindo sua ideologia e seus atos pregressos. Ao escolher Bolsonaro, os brasileiros aceitaram seu comportamento radical, seus preconceitos, seus ídolos de barro e, principalmente, sua pequenez intelectual. Se o STF - Supremo Tribunal Federal não impedir esse fascista de governar, iremos, inevitavelmente, para um golpe de extrema direita! Impeachment já!


903F21CE-B3B4-4455-A956-49B393D8EB4F.jpeg

A responsabilidade do voto ______________________

Ingmar Bergman, o grande cineasta sueco da década de 1970, produziu uma obra de arte ao denunciar o processo de surgimento do nazismo, em seu magnífico filme “O ovo da serpente”. No entanto, parece que a humanidade não compreendeu sua mensagem… prova disso é que, passado meio século, vemos o ressurgimento das ideologias fascistas pelo mundo afora. No Brasil não foi diferente. Tivemos nosso próprio holocausto nas décadas de 1960-1980, anos em que uma feroz ditadura causou o assassinato de centenas de jovens idealistas, cujo erro foi acreditar em uma utopia socialista, e reagir à violência, às torturas, aos desaparecimentos e à humilhação do estupro pelos agentes dos governos militares. Hoje, passados apenas 18 meses da eleição de Bolsonaro, nos defrontamos com o “império da ignorância”, do fanatismo religioso e da caça às bruxas dos petistas e quaisquer outras correntes de pensamento que não sejam a dos evangélicos mais radicais. O que nos surpreende, no entanto, é a tentativa dos eleitores arrependidos de se inocentarem da culpa pela escolha imbecil que fizeram, em nome de um falso moralismo, que cai por terra quando constatamos que o “mito” era uma grande farsa, desmascarada, justamente, pelo algoz de Lula, que, por interesses escusos, bandeou para o bolsonarismo quando lhe ofereceram um cargo de ministro da justiça… Agora, grande parte desses eleitores arrependidos são vistos nas janelas dos edifícios, batendo panelas e gritando “fora, Bolsonaro!” a plenos pulmões, fazendo crer que seus votos foram brincadeiras de criança, que não valiam nada, que um simples arrependimento resgataria sua honra e dignidade… Mas não é bem assim… 58 milhões de brasileiros votaram nessa escória, apoiaram suas bravatas e fingiram que ele não era assim tão ruim, apesar de seus 28 anos desperdiçados em sua “militância política” na Câmara dos Deputados, onde nenhuma atividade relevante teve esse energúmeno, a não ser ofender às mulheres, humilhar os homossexuais, ridicularizar negros e indígenas, e defender a invasão de terras pelos latifundiários… Não é possível apagar o passado com uma “canetada”, como costuma dizer o tal presidente… e quando tudo dá errado, ele diz, simplesmente, “e daí?”, como se essa expressão o inocentasse dos crimes cometidos por sua gangue dos aloprados… e, pela mesma razão, não é possível perdoar os votos daqueles que o elegeram, mesmo tendo sido avisados dezenas de vezes que estariam cometendo um erro gravíssimo ao trocar um intelectual por um asno desqualificado e cretino… Nossos alertas foram em vão… 58 milhões de eleitores votaram nele!... bater panelas não resolve… bater no peito e se “desculpar pelo equívoco” também não irá mudar o fato de que está no poder a pior escória desse país! Tentar justificar que teriam votado “contra o PT” é pior ainda, pois isso significa que não haveria outra opção! Sim, havia! Foram 12 candidatos das mais diferentes correntes ideológicas de nosso país… Mesmo que no segundo turno a escolha fosse entre o PT e o Centrão, entre um capitão reformado e um intelectual de esquerda, a escolha acertada seria óbvia: Haddad não é Lula, muito menos Dilma! Haddad não é Bolsonaro, muito menos seria “escoltado” por uma tropa de choque de trogloditas alucinados! Agora, quando “a casa caiu” e estamos diante de um impasse monstruoso, tentando sobreviver a uma pandemia sem precedentes na história recente e, ao mesmo tempo, tendo que neutralizar as cretinices de um presidente mal formado, que ameaça o Brasil de escolher um ministro do Supremo Tribunal Federal “terrivelmente evangélico”, que ameaça convocar seus MICOS amestrados a reagir contra o país inteiro no caso de sofrer um impeachment, nesse momento de comoção nacional causado por ministros intelectualmente incapazes, como Weintraub, Sales, Ernesto, Damares, Onix e tantos outros, todos subordinados à “ideologia da terra plana” do falso guru Olavo de Carvalho, ídolo dos filhotes do diabo, justamente agora, aqueles que desperdiçaram seus votos querem que eu me cale? Lamento, mas isso é impossível…


João Carlos Figueiredo

Um escritor e uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: arte e foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte....
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/Política// //João Carlos Figueiredo