artefacto artefoto

O olhar perplexo de um Poeta diante da Vida

João Carlos Figueiredo

Um escritor, uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: Arte e Foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte...

O DILEMA DE BOLSONARO

Diante da provável eleição de Joe Biden, o que restará ao "MITO" senão o amargo sabor da derrota? Como a "diplomacia" brasileira, nas mãos sujas de Ernesto Araújo, reagirá a essa inevitável derrota? E os EUA, como se comportarão à perda de seu próprio "MITO"?


IMG_20201104_183450.jpg

Para quem apostou todas as fichas em outro governante radical, como fez o fascista brasileiro, a perda desse suposto e incerto aliado será dramática, pois Joe Biden, certamente, não entrará na mesma canoa furada de Bolsonaro. Fica evidente que as portas do radicalismo começam a se fechar, ou, pelo menos, se mostrar em sua verdadeira face nazifascista no cenário internacional, pois a comunidade europeia também já percebeu a visão estreita, deformada e decadente desse falso "mito" da "nova" política brasileira.

Caso se confirme a guinada para a centro-esquerda na política norte-americana, o acordo Mercosul com a União Europeia também poderá ficar comprometido. E ainda haverá uma tênue, sutil esperança para a salvação das grandes florestas tropicais do Brasil. O medíocre ministro do Meio Ambiente provavelmente será, definitivamente, defenestrado do comando desse processo nefasto de destruição da Amazônia ("Rainforest"), do Cerrado ("Savanah"), do Pantanal ("Wetland") e da Mata Atlântica ("tropical forest")...

Mas não apenas a política ambiental terá sua segunda oportunidade ("second chance")... também a Educação, a Saúde, os Direito Humanos, as Relações Internacionais, a Economia e as políticas sociais terão sua oportunidade de resgate da própria dignidade, e se preparar para uma "nova normalidade" (o que é isso?), que ainda não significa a emancipação dos valores democráticos, mas apenas um afrouxamento das pressões radicais desse grupo horrível, hediondo, desprezível que está no poder.

Ainda restará a face obscura do atraso cultural, do fanatismo religioso, das mentalidades primitivas, dos preconceitos e da corrupção dos costumes, impostos por esse grupo despreparado e arrogante. Infelizmente, mesmo sendo muito otimista, levará anos para que o Brasil volte a ser uma Nação digna e progressista, e possa retomar seu caminho e assegurar que as futuras gerações tenham alguma chance de ser competitiva... mesmo assim, serão necessárias mudanças radicais na sociedade, reduzindo o imenso desequilíbrio social, com suas desigualdades históricas e seus privilégios indecentes.

O primeiro passo está sendo dado, curiosamente, longe de nossas terras, e num país que, mesmo sendo a maior potência econômica, bélica e tecnológica mundial, guarda em si os piores defeitos herdados do processo colonial a que as Américas foram submetidas pelo domínio europeu. Haverá esperança para a Humanidade, que sempre teve, em suas costas, a culpa de um passado cruel e injusto? Difícil acreditar...


João Carlos Figueiredo

Um escritor, uma câmera: palavras ilustradas pela vivência cotidiana, cenários explicados pela expressão da alma... Artefacto servindo ao poeta: Arte e Foto num sincretismo que se entrelaça nas relações deste escritor com o mundo que o rodeia e perverte....
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Sociedade// //João Carlos Figueiredo