astronauta

Entre os voos sub-orbitais e os delírios cotidianos.

Mylena D'Queiroz

"8.
Da Escola de Guerra da Vida - o que não me mata torna-me mais forte."
In: Crepúsculo dos ídolos.

Onna-bugeisha: a mulher samurai

Exceção e não regra, certamente, mas existiram sim "mulheres samurais".
Treinadas para caso precisassem defender suas casas, principalmente defensoras de suas famílias nobres, eram essas mulheres quais geralmente agiam quando os pais ou maridos estavam distantes, quando não mortos.


nagit.jpg

Costumeiramente, as Onna-bugeishas utilizavam a Nagitana como arma principal, dado o fato que são práticas para utilizar-se a média-larga distância do oponente, especialmente pensando no fato que, estando em casa, seria rápido de deter alguém que viesse atacar seu lar a cavalo. Mas elas também utilizavam arco e flecha.

nagina10.jpg

A nagitana, aliás, é geralmente associada às mulheres.

tomoe e.jpg Hangaku e Tomoe Gozen foram as mais destacadas mulheres a usar suas nagitanas com a destreza de um bushi, outro termo usado para designar samurai.

Onna_bugeisha_Ishi-jo-2C_wife_of_Oboshi_Yoshio-737x1024.jpg

O termo onna-musha também as denominava. E é interessante notar que mesmo sendo ferozes guerreiras elas vestiam sempre quimonos luxuosos de seda fina e coloridos, estavam sempre maquiadas e com os cabelos devidamente penteados. Havia todo um cuidado para que não deixassem de lado suas qualidades femininas.

nagitanaa.jpg

A mulher bushi não possuía função pública. Para a classe guerreira, a função primordial da mulher era o cuidado com os filhos. O que não significava que quando mulheres abandonavam a «fragilidade do sexo em busca do ser guerreiro» elas eram mal vistas. Pelo contrário, eram mulheres acima das outras caso desse espaço ao treinamento para o bushido.

onnajj.jpg «o homem e a mulher não devem ser mais que uma só carne» diz o livro Bushido, o código do samurai. Assim sendo, a viúva de um Samurai tornar-se-ia ela mesmo uma praticante da arte de ser um soldado da aristocracia.

Por fim, um vídeo de mulheres lutando com as tradicionais armas das onna-bugeishas.


Mylena D'Queiroz

"8. Da Escola de Guerra da Vida - o que não me mata torna-me mais forte." In: Crepúsculo dos ídolos..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// @destaque, @obvious //Mylena D'Queiroz
Site Meter