atualidades

Pensamentos críticos diante daquilo que acompanha o momento presente.

Anna Claudia Rodrigues

Uma pisciana que de tanto amar, morreu. Estudante de filosofia. Atriz que vive da dor, e sonha em ser uma folhinha de grama no alto de uma montanha inexplorada.

Asfalto Esquizofrênico

Abriram-se as portas da infelicidade, uma vez que, o culto sagrado é o suplemento para esse vazio espiritual. Ode a cafeína, aos vícios, a vontade de sair do real e circular nas entranhas do impossível. Ode a natureza!

paranoide.jpg

O desprezo pelo lado sensível está matando o mundo, a humanidade está velada, disputando ar. O comodismo juntamente ao capitalismo produzem todos os dias uma massa de seres não pensantes e individualistas. Seres voltados a olhar para o chão, enquanto no céu há nuvens, há cores e vidas que correm em câmera lenta, aproveitando cada instante de existência.

O humano contemporâneo briga consigo mesmo por querer ser visto, desejado, “macro”...ele apenas reproduz e calcula, é um indigente do ruído do seu próprio ego. Cada um defendendo as suas particularidades, roendo as sombras alheias, buscando lugares para a soberania. O chorume dos deuses se envergonha das culturas que, por conta dessa guerra não virtuosa, se encerraram em tribos. Esse mundo das imagens, das mídias, do eu e eu mesmo, é um mundo instantâneo e incoerente. É um mundo muito rápido e sem memória, efêmero e fugaz.

Universalidade do dinheiro, cegueira e abandono dos encontros, abriram-se as portas da infelicidade, uma vez que o culto sagrado é o suplemento para esse vazio espiritual. Ode à cafeína, aos vícios, à vontade de sair do real e circular nas entranhas do impossível. Ode à natureza!

Voluntariamente, o homem é a sua alma, cultivada a partir da cartase da sua concepção. Nós somos nós e nossas circunstancias, e o mal está na dor. E mesmo que se decompõem os átomos, que acabem com o LOGOS, ainda que um Sócrates descontente, e assim como o destino aquele deus implacável, nunca saberemos o que somos, e sim o que deveríamos ser, porque viver é uma ataraxia. Uma perturbação da alma.


Anna Claudia Rodrigues

Uma pisciana que de tanto amar, morreu. Estudante de filosofia. Atriz que vive da dor, e sonha em ser uma folhinha de grama no alto de uma montanha inexplorada. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Anna Claudia Rodrigues