Gregório Grisa

Doutor em Educação pela UFRGS e simpatiza com a ideia de que aquilo que muitos chamam inteligência pode ser, em grande medida, curiosidade

Oportunidades na crise

O momento brasileiro é muito fértil, as manifestações de várias correntes de pensamento são oportunidades para exercer discernimento e qualificar concepções políticas. A crise é pleno momento de criação e aprendizado. Podemos expandir nossa capacidade de compreender o que desejam cada grupo político que se manifesta, refletir sobre seus argumentos e demandas.


crise.jpg

O desafio político atual é conseguir diferenciar as perspetivas, há as conservadoras que vão as ruas pelos seus bolsos, visando reivindicar mais privilégios individuais, pois esses, de alguma forma, foram tocados pelo aumento de preços, do dólar e pela estagnação econômica. Por outro lado, há os movimentos por ampliação dos gastos sociais em serviços públicos, por reformas estruturais como a política e a tributária, que realmente ataquem o falido modelo vigente de organização do Estado.

As ruas terão os que desejam que o Estado corte gastos, diminua a máquina pública e impostos para deixar o livre mercado se auto organizar. Ao contrário, veremos em marcha os que querem maior regulação do Estado diante do capital financeiro, que desejam aumento de impostos para a parcela mais rica e redistribuição de patrimônio a fim de combater as desigualdades.

A crise nos traz esses ingredientes, os oportunismos eleitoreiros de alguns partidos, endossados por parte na imprensa, são cada vez mais fáceis de identificar. A corrupção se torna tema capaz de mobilizar muitos cidadãos que sonegam impostos, que nem sempre declaram seus rendimentos e posses corretamente, que usufruem cotidianamente de tráfico de influência na profissão, que furam fila, que superfaturam nota fiscal e por aí vai.

download.jpg

Os atos de corrupção de algumas pessoas e partidos parecem valer bem mais do que de outros, a denúncia de criminosos assumidos se torna julgamento final diante da exposição diária de escândalos. O uso da corrupção como manobra política é muito maior que o real desejo de que os mal feitos sejam corrigidos e punidos.

Vivemos tempos movimentados, de necessidade de organização e manifestação contra governos desastrados como os que temos na esfera federal, estadual e municipal. Mas há tendências antagônicas em movimento, as de caráter privatista, moralista e individual e as de tipo publicista, da diversidade e coletivas. Me vejo no segundo time, a crise está oportunizando que todos se politizem mais e passem a definir suas perspectivas para a vida e para a sociedade.


Gregório Grisa

Doutor em Educação pela UFRGS e simpatiza com a ideia de que aquilo que muitos chamam inteligência pode ser, em grande medida, curiosidade.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @obvious //Gregório Grisa
Site Meter