Gregório Grisa

Doutor em Educação pela UFRGS e simpatiza com a ideia de que aquilo que muitos chamam inteligência pode ser, em grande medida, curiosidade

O governo, o PT e a capacidade de autocrítica

Dentre as várias contradições que saltam aos olhos nesse momento de grenalização da política, as da oposição pró-impeachment são conhecidas pelos caros leitores. E as do governo e do PT?


planalto-1200x800.jpg

PSDB votando durante 2015 contra um ajuste fiscal que concorda e promoveria. Interesses ligados a ampliação da terceirização, mudanças nas leis trabalhistas e no acesso estrangeiro ao petróleo do pré-sal. Desvinculações de receitas da educação e da saúde para fins de política fiscal (superávit primário para pagar juros aos detentores da dívida pública). Isso tudo se sabe que está no horizonte...e nas razões do impeachment.

Mas o que impressiona também, agora pelo lado do governo e da direção do PT, é a incapacidade de autocrítica. Incapacidade de entender que é um dos principais responsáveis pela atual crise política, pois ofertou espaços de poder e muitos recursos para figuras como Eduardo Cunha e Michel Temer por anos.

O discurso monossêmico de que a direita quer dar um golpe (e quer) e que a "onda conservadora" quer derrubar o governo (e quer) como única explicação para a crise é feito para a militância, mas agride inteligências.

Furnas e Caixa Federal foram fontes de recursos para Eduardo Cunha nos governos Lula, assim como a Petrobrás foi fonte para o PMDB e outros. Cunha financiou, direta ou indiretamente, um terço dos deputados da Câmara que lhe devem lealdade com dinheiro conseguido por sua aliança com o governo.

Isso vale para alianças com o agronegócio, com a bancada evangélica, com Kassab, com o PP e com toda parte podre da política que hoje lidera o processo de impeachment. Muitos foram os avisos de vários políticos sérios (Olívio Dutra, Ciro Gomes, Frei Beto).

FOTO2EXPRESLULAPRESDILMA2.jpg

Nas três administrações do PT, segundo dados oficiais, o governo federal (administrações direta e indireta), gastou R$ 26,4 bilhões em propaganda. As TVs são as campeãs no recebimento dessas verbas, as organizações Globo recebem R$ 6,2 bilhões desse total.

A Globo e outros grandes canais fazem campanha aberta e declarada pelo impeachment. O governo não conseguiu propor e avançar sobre a regulação dos meios de comunicação que obedece a uma lei de 1962, não enfrentou.

Dilma errou gravemente e em sequência durante esse segundo mandato, isso vai desde sua desastrosa política econômica, clonada do plano de governo de Aécio Neves, e vai até a Lei Antiterrorismo e a ventilação, na crise, de uma reforma da Previdência que retira direitos.

Sem esquecer a hidrelétrica de Belo Monte, construção fulcral para que as campanhas fossem pagas no Brasil, tanto do PT, como do PMDB e do PSDB. Empreiteiras superfaturaram e transformaram propina em doação de campanha (lavagem) através de um projeto que desrespeitou e desrespeita os direitos humanos, a biodiversidade e as populações indígenas e ribeirinhas.

O governo é também responsável pela crise política, pela crise econômica e por sua provável queda. Plantou muito do que hoje colhe, criou monstros em seu quintal, se beneficiou de práticas que o PT sempre criticou.

O discurso em defesa da democracia pode ser uma arma política legitima nesse pontual momento, mas deve ser lembrado e usado quando muitos direitos não são respeitados diuturnamente no Brasil, em especial nas periferias e regiões pobres do campo.

A democracia deve ser defendida quando a Constituição Federal é apenas uma linda formalidade sem vida, pois direitos fundamentais são negados a imensas parcelas da população.

Como está nosso sistema carcerário? Quantos tem acesso a saneamento básico em tempos de Zica e Dengue? Porque mais de 50 mil pessoas são mortas por arma de fogo em um ano, em especial jovens negros? Porque as polícias cometem boa parte desses crimes? Por que a reforma agrária ficou tanto tempo parada?

Por que a auditoria da dívida pública que estrangula o orçamento do país não é feita se está prevista na Constituição? Sem auto-crítica honesta o discurso pronto não cola.

Todos esses problemas justificam um impeachment sem crime de responsabilidade? Não. Mas ajudam a explicar porque ele está prestes a ocorrer sem que a massa da população o denuncie como ilegitimo. Pois, infelizmente, para grande maioria das pessoas "tanto faz", mesmo que saibamos que faz muita diferença.


Gregório Grisa

Doutor em Educação pela UFRGS e simpatiza com a ideia de que aquilo que muitos chamam inteligência pode ser, em grande medida, curiosidade.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious //Gregório Grisa