blog extraño jr.

Do Carvern Club ao La Cueva...

Maria Laura Marques

O realmente maravilhoso mundo animal

Um disco que não está aberto a discussões. É tão minuciosamente real, que nos resta sentar, ouvir e absorver o máximo que nossos ouvidos são capazes de compreender. No momento em que temos todas as informações possíveis nas pontas de nossos dedos, falta a calma para focar no que é imanente a todos os ciclos que possamos fechar durante nossas vidas. Cientificos del Palo criou um sumário do mundo para guardar na estante e frequentemente revisitar.


Aclamado pela crítica e pelo publico, o El maravilloso mundo animal (abreviado para EMMA), do trio mar delplatense Cientificos del Palo, foi lançado com um nobre objetivo: Ser um manual do mundo. Sem mais.

Cientificos del Palo

La histeria Argentina (2011), disco digno de patrimônio cultural, trouxe um conceito melódico muitro atrelado à sua teoria. A história da Argentina em seus altos e baixos impos a necessidade da agressividade. Timbres secos ou a retomada de um timbre baladeiro com o som mais tradicional de stratocoaster setentista. Ainda assim, tudo isso gira meticulosamente em torno do que a banda tem como peculiar: técnica apurada e feeling. Aqui de certa forma mais atrelada a uma perspectiva íntima e fechada acerca a produção.

Em seu novo disco, El maravilloso mundo animal (2015), o som apresentou-se de uma maneira mais universal. Pode-se notar uma maior harmonia com a tendência internacional. Entretanto, antes que isso soe como uma fraqueza ideológica - como alguns gostam de relacionar esse tipo de produção - o que torna ainda mais digna de aplausos é a habilidade de correlacionar diferentes estilos locais e ainda presentear a cena músical atual em sua totalidade.

Científicos-del-Palo-El-maravilloso-mundo-animal.jpg

O conceito, contundente, como já lhes é peculiar, trata sobre os grandes dilemas existenciais. Se Schelling, filósofo idealista alemão, diria uma vez que a arte é, na verdade, a plenitude e o equilibrio dentre uma maneira prática e teórica de agir e pensar, por certo encaixaria a banda em seus critérios. El Maravilloso Mundo Animal é a representação de uma realidade trespassada pela individualide do autor que, conquistado o cenário de sua inspiração, demonstrou-a com a virtuosidade e posse de quem sequer pulou uma vírgula de sua expiração.

Pepo

Logo no início, somos pegos de surpresa com uma música sublime – palavra que define perfeitamente o encanto que a canção nos proporciona no seu decorrer. "Prólogo" está em uma dimensão tão sutil que parece andar sobre uma fina linha que exige ternura. A impressão é que se respirarmos iremos atrapalhar e perder algum detalhe da mensagem que nos é passada com a invejável calma de quem tem o mundo em suas mãos. A música parece ter sido desenhada nos céus. Posso facilmente ver o compositor deitado sobre os pampas argentinos ao lado de sua filha e, com o coração na mão, apresenta o mundo com o medo de detalhar em demasia. Preocupado entre o limite e o risco de cultivar medo querendo coragem.

O disco segue e as guitarras são postas em posição de ataque. Como já característico, bem compassadas. Misturando-se às vezes entre outros instrumentos, um arranjo de muita cumplicidade. Desviam com maestria da tendência natural da música atual de supertexturizar. Por vezes, se assemelham ao ópera rock. Cada música fala por si só. Foi dada esta liberdade. Basta observarmos o contraste bárbaro entre “Prologo” – canção que encabeça o disco – e “Tratar de tratar”. Talvez proposital – a vida repentinamente nos joga aos trilhos da existência sem muitas considerações.

Destaque para as letras. De onde saem grande axiomas como “El que más dispara, es tambíen el que más erra”. Destaque para Seba Quintanilla. Pertencente de uma classe de baterista que nasce em bons intervalos de tempos. Sensibilidade, expressividade, tecnica e groove são ingredientes que raramente vemos concomitantes, e em uma só música apresenta todos de maneira muito harmoniosa.

Cientificos del Palo

Destaque para os timbres. Brilhantes, únicos. Destaque para as melodias. Brilhantes, únicas. Destaque para as novas pronúncias. Absolutamente únicas. Destaque para a atmosfera de Querer y saber. Profunda e vibrante. Destaque para a arte do disco. Põe muito em pauta! E tudo isso passa pelo filtro Cientificos del Palo. O autoconhecimento tem muito a oferecer nestes casos: Saber o que se é em essência são os pilares para qualquer arte. E permaneçam o que são: Capazes de soar o que der na telha.


version 1/s/musica// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Maria Laura Marques