cadê o futuro

Não tenha pressa, logo, logo chega.

Valter Geronimo Camilo Junior

Co-fundador e idealizador do Puta Letra. Graduando em Direito. Redator freelancer. Sempre incisivo.

Dor

Este artigo, utilizando da história do personagem Nagato, do desenho Naruto(um anime japonês criado por Masashi Kishimoto) pretende discutir a dor e o sofrimento presentes no mundo.


Nagato

Acabar com a dor e o sofrimento existentes no mundo parece uma constante nos desenhos animados. O anime Naruto representa bem esta temática,trazendo personagens cujo objetivo e razão é garantir que o mundo ninja recupere a paz que existia antes das guerras entre nações. A dor é encarada como motor das guerras e as guerras, por sua vez, geram mais dor. Então é um dilema muito grande que o herói(ou anti herói) tem de resolver, tendo de um lado a guerra e o conflito e do outro a tão sonhada paz.

Nagato acredita que os indivíduos, depois de conhecerem a dor e o sofrimento, podem viver mais tranquilamente. Isso decorre da sua própria experiência, na qual vivenciou a morte dos seus pais por ninjas de outra nação. Mas não vou entra em detalhes, uma vez que suponho que muitos de vocês não conheçam o referido desenho.

O mundo precisa de ideologias. As ideologias é que fomentam as revoluções. Nagado objetivou um propósito e construiu sua tese a respeito da paz, desenvolvendo métodos para alcançá-la, mesmo que isso significasse a guerra entre todas as nações.

Vivemos em um mundo onde o comodismo se tornou banal. Percebemos alguns poucos grupos que enfrentam os problemas, estipulam metas e articulam planos. Encaram de frente aquilo que lhes é desagradável. Os desenhos animados colocam em choque duas formas de poder: os mocinhos, que nem sempre são mocinhos; os vilões, que nem sempre o são. O ponto central é o enfrentamento de uma condição inerente ao homem, a dor.

O sofrimento não é uma constante na vida real, embora esteja presente nos noticiários e jornais. As pessoas vivem em relativa comodidade e conforto, excluindo-se desse conjunto aqueles grupos marginalizados. Enfrentar a dor alheia é pesado. Ador alheia é alheia, pelo óbvio, não nos afeta e não nos causa tanto espanto.

Bom, este é apenas um esboço do tema, qual seja, a dor e o sofrimento no mundo. Termino com estes versos tortos, que não devem agradar a ninguém, nem pretendo que agradem.

Dorme o pequeno herói sonhando com um dia de sol e sorrisos.

Sonha que tudo é bonito, sem saber o que é bonito. Mas é um sonho, então não importa.

O herói não tem poder e sente medo e frio enquanto sonha.

Acorda querendo ser rei, esquecendo que está acordado. Depois se recorda do mundo e abre os olhos: vê tudo ao contrário do que havia sonhado.


Valter Geronimo Camilo Junior

Co-fundador e idealizador do Puta Letra. Graduando em Direito. Redator freelancer. Sempre incisivo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Valter Geronimo Camilo Junior