cadê o futuro

Não tenha pressa, logo, logo chega.

Valter Geronimo Camilo Junior

Co-fundador e idealizador do Puta Letra. Graduando em Direito. Redator freelancer. Sempre incisivo.

Allen Ginsberg e a revolução (não)literária

“Primeira ideia, melhor ideia”. Esse princípio budista marcou a geração Beat, fundamental para a literatura dos anos 40-50. Essa geração teve como expoente nada mais, nada menos que Allen Ginsberg, com seus poemas políticos, fugindo à métrica e aos padrões de então (para sua segurança não o leia).


Ginsberg teve livros censurados antes mesmo da publicação, nos Estados Unidos, com poemas que condensavam dadaísmo, surrealismo, jazz, visão profética, o método ideogrâmico de Ezra Pound, bem como o estilo habitual de autores como Walt Whitman e William Blake. Seu objetivo principal era construir uma poesia não literária, criada a partir da experimentação, o que resume suas experiências com a loucura, alucinógenos e sexo.

Ginsberg.jpg

Improviso em Pequim (Tradução: Leo Gonçalves)

Eu escrevo poesia porque a palavra Inglesa Inspiração vem do Latim Spiritus, respiração, eu quero respirar livremente. Eu escrevo poesia porque Walt Whitman deu permissão mundial para falar com candor. Eu escrevo poesia porque Walt Whitman abriu os versos da poesia para a respiração desobstruída. Eu escrevo poesia porque Ezra Pound viu uma torre de marfim, apostou num cavalo errado, deu aos poetas permissão para escrever no idioma vernacular falado. Eu escrevo poesia porque Pound indicou aos jovens poetas do Ocidente que observassem as palavras da escrita pictográfica chinesa. Eu escrevo poesia porque William Carlos Williams que vivia em Rutherford escreveu o Novajerseyês “I kick yuh eye”, perguntando, qual a medida disso em pentâmetro iâmbico? Eu escrevo poesia porque meu pai era poeta minha mãe vinda da Rússia que falava Comunista, morreu numa casa de loucos. Eu escrevo poesia porque meu jovem amigo Gary Snyder sentou-se para olhar seus pensamentos como parte dos fenômenos do mundo exterior exatamente como numa mesa de conferência em 1984. Eu escrevo poesia porque eu sofro, nascido que sou para morrer, pedras nos rins e pressão alta, todo mundo sofre. Eu escrevo poesia porque eu fico confuso por não saber o que as outras pessoas pensam. Eu escrevo porque a poesia pode revelar os meus pensamentos, curar minha paranóia e também a paranóia de outras pessoas. Eu escrevo poesia porque minha mente vagueia entre assuntos de sexo política meditação Buddhadharma. Eu escrevo poesia para fazer boa imagem da minha própria mente. Eu escrevo poesia porque tomei os Quatro Preceitos do Bodhisattva: a sensibilidade a ser liberada das criaturas é inumerável no universo, minha própria ignorância gananciosa corta a infinitude da verdade, as situações em que encontro a mim mesmo enquanto o céu está bonito são incontáveis, e o caminho da mente desperta não tem fim. Eu escrevo poesia porque essa manhã eu acordei tremendo com medo o que é que eu iria dizer na China? Eu escrevo poesia porque os poetas Russos Maiakóvski e Iessênin cometeram suicídio, alguém mais precisa falar. Eu escrevo poesia por causa do meu pai que recitava o poeta Inglês Shelley e o poeta americano Vachel Lindsay em voz alta dando exemplo grande alento de inspiração. Eu escrevo poesia porque escrever sobre sexo é censurado nos Estados Unidos. Eu escrevo poesia porque milionários de Leste a Oeste dirigem Limousines Rolls-Royce e pobres não têm dinheiro nem para ir ao dentista. Eu escrevo poesia porque meus genes e cromossomas se apaixonam por garotos e não por garotas. Eu escrevo poesia porque não tenho responsabilidades dogmáticas de um dia para o outro. Eu escrevo poesia porque eu quero estar sozinho e quero falar para as pessoas. Eu escrevo poesia para me voltar e falar com Whitman, jovens aos dez anos falam com velhas tias e tios que vivem ainda nas proximidades de Newark, Nova Jersey. Eu escrevo poesia porque ouvi negro blues no rádio em 1939, Leadbally e Ma Rainey. Eu escrevo poesia inspirado pela alegre juventude das canções envelhecidas dos Beatles. Eu escrevo poesia porque Chuang-Tzu não podia dizer se era homem ou borboleta, Lao-Tzu disse que a água flui montanha abaixo, Confúcio disse para honrar os mais velhos, eu quis honrar Whitman. Eu escrevo poesia porque ovelhas e gado superalimentados vindos da Mongólia para o Ocidente Selvagem dos Estados Unidos destroem a grama nova e a erosão cria desertos. Eu escrevo poesia calçando sapatos com pele de animal. Eu escrevo poesia “Primeira idéia, melhor idéia” sempre. Eu escrevo poesia porque não-idéias são compreensíveis exceto se manifestadas em determinados minutos: “Não-idéias mas nas coisas”. Eu escrevo poesia porque o Lama Tibetano diz, “As coisas são símbolos delas mesmas”. Eu escrevo poesia porque as manchetes de jornal são um buraco negro em nossa galáxia-central, nós somos livres para noticiar isto. Eu escrevo poesia por causa da Primeira Guerra Mundial, a Segunda Guerra Mundial, a bomba nuclear e a Terceira Guerra Mundial se queremos isto, eu não preciso disto. Eu escrevo poesia porque meu primeiro poema Uivo não precisou ser publicado para ser perseguido pela polícia. Eu escrevo poesia porque meu segundo longo poema Kaddish homenageava o parinirvana da minha mãe num hospital psiquiátrico. Eu escrevo poesia porque Hitler matou seis milhões de judeus, eu sou judeu. Eu escrevo poesia porque Moscou, segundo Stalin, exilou 20 milhões de Judeus e intelectuais na Sibéria, 15 milhões deles nunca voltaram para o Café Stray Dog de São Petersburgo. Eu escrevo poesia porque eu canto quando sinto que estou sozinho. Eu escrevo poesia porque Walt Whitman disse “Eu me contradigo? Muito bem, então eu me contradigo (Sou vasto, contenho multidões.)” Eu escrevo poesia porque minha mente se contradiz, um minuto em Nova York, o próximo minuto nos Alpes Dináricos. Eu escrevo poesia porque minha cabeça contém 10.000 pensamentos. Eu escrevo poesia porque sem razão sem porquê. Eu escrevo poesia porque é o melhor caminho para dizer tudo o que penso dentro de 6 minutos ou uma vida inteira.


Valter Geronimo Camilo Junior

Co-fundador e idealizador do Puta Letra. Graduando em Direito. Redator freelancer. Sempre incisivo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Valter Geronimo Camilo Junior