caetanese

coração pra cima escrito embaixo: frágil.

Nara Gonçalves

Já toquei blog com nome de música dos Los Hermanos, pergunto o signo para puxar assunto e feminismo pra mim não é palavrão. Gosto do bom e velho Charlie Brown, literatura latina e assisto filmes de terror numa boa. Com a luz acesa, claro.

A moça que trabalha lá em casa

A moça que trabalha lá na sua casa é minha irmã. E ela é igual a milhões de outras moças de casa. Nordestina, ela se mistura. Nos pontos de ônibus que vão pra favela. Branca, ela se difere. E tem status. Porque é moça direita. Porque se é branca, é limpinha. Aos olhos da patroa queimada de praia.


394120_222995407792404_1145506623_n.jpg Foto: Luiz Braga

A moça que trabalha lá na sua casa é minha prima. Ela tem o segundo grau completo, e ensinou os irmãos mais novos a ler as primeiras letras. Que sorte é essa quando a única esperança é um bilhete de rodoviária? É toda sorte do mundo. Ganhar um quarto na casa da tia que ganhou a vida como empregada. Quem sabe namorar o entregador do delivery de comida chinesa. Os dois podem casar e alugar um canto. Sair do prumo da tia de língua afiada.

A moça que trabalha lá na sua casa é minha vó. Ela é preta e baiana. Faz tempero e doce de coco como ninguém. Veste uniforme azul marinho como num filme da Globo Filmes. Nunca passamos um Natal juntas, pois esses ela passa com gente que a considera da família. Que não a deixam sentar à mesa grande de vidro que ela poliu de manhã cedo. Que oram e comem a meia noite.

A moça que trabalha lá na sua casa é minha mãe. Que nunca conheci, pois meu pai batia nela. Um dia ela alisou meu cabelo logo cedo, me beijou a testa e fugiu. Chorou no braço da patroa, que a demitiu no dia seguinte. Ficou com medo do marido da moça, torneiro mecânico, invadir o prédio de 4 andares e tacar fogo na faxineira. “A gente não pode arrumar problema agora, Zé”. Disse pro esposo sonolento, dormindo com o jornal cobrindo o pijama.

A moça que trabalha lá em casa sou eu. Tenho graduação e um filho pequeno. Venci as noites de cansaço da faculdade, os estágios e conduções diárias. Não tenho minha própria faxineira, pois o apartamento foi parcelado em prestações a perder de vista, e a limpeza virou um luxo que eu tomo conta. Meu marido não sabe muita coisa sobre Veja, sabão em barra ou em pó. Então eu prefiro fazer sozinha. Ensaboando os azulejos do banheiro, enquanto meu filho choraminga. Fazendo as contas das contas que vão vencer essa semana. Vencida. Não tão distante da moça que trabalhará aqui em casa algum dia.


Nara Gonçalves

Já toquei blog com nome de música dos Los Hermanos, pergunto o signo para puxar assunto e feminismo pra mim não é palavrão. Gosto do bom e velho Charlie Brown, literatura latina e assisto filmes de terror numa boa. Com a luz acesa, claro..
Saiba como escrever na obvious.
version 18/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Nara Gonçalves