café não te deixa mais cult

Sabe o que há entre uma xícara de café e outra? Literatura, fotografia, cinema, música... Arte.

Marcelo Vinicius

“Não fazemos uma foto apenas com uma câmera; ao ato de fotografar trazemos todos os livros que lemos, os filmes que vimos, a música que ouvimos, as pessoas que amamos” (Ansel Adams).

A origem de Dostoiévski: escritores russos e seus sobrenomes

Tolstói e Dostoiévski, Tchekhov e Pasternak, Nabokov e Soljenítsin... A Gazeta Russa descobriu o que significam os sobrenomes dos clássicos russos e de seus personagens.


O Gazeta Russa publicou matéria interessante acerca da origem dos nomes russos, confira!

pushka.JPGIlustração: Natália Mikhailenko

Púchkin

Aleksandr Púchkin é provavelmente o principal símbolo da literatura e da cultura russa, como Dante na Itália ou Goethe na Alemanha. No entanto, para aqueles que não dominam o idioma russo é bastante difícil entender a razão disso, pois a sua poesia perde muito ao ser traduzida. Os Púchkin constituem uma antiga linhagem nobre, iniciada ainda no século 14 por Gregóri Morkhínin, que foi apelidado de “Púchka” (canhão) por ter sido o primeiro artilheiro da Rússia. Atualmente, Púchkin tornou-se uma figura quase mitológica, por exemplo, os pais podem dizer a uma criança preguiçosa: "Quem fará as lições por você? Por acaso será Púchkin?".

Lérmontov

Talvez o segundo mais importante poeta russo seja Mikhail Lérmontov, contemporâneo mais jovem de Púchkin. Seu sobrenome é de origem escocesa: um antepassado do poeta, George Learmonth, passou a servir no exército da Rússia em 1613. Curiosamente, o sobrenome do protagonista da obra mais famosa de Púchkin, o romance em versos “Evguêni Onéguin”, foi formado a partir do nome de um rio do norte da Rússia, o rio Onega, e Lérmontov deu ao personagem principal do seu romance mais conhecido, “O herói de nosso tempo”, o sobrenome de Petchórin, formado a partir do nome de outro rio, também do norte, o Petchora.

Tolstói

Sem dúvida, o principal prosador russo é o autor de "Guerra e Paz", o conde Lev Tolstói. Os Tolstói também constituem uma antiga linhagem nobre, cujo primeiro representante, ao que tudo indica, foi um homem de compleição bastante robusta ("tolstii", que em russo significa gordo). Em “Anna Karenina”, outro romance seu, Tolstói deu a um personagem um sobrenome “revelador”, Lévin (do nome Liev), uma clara alusão de que ele era uma espécie de alter ego do autor. Mais dois representantes da linhagem dos Tostói estão ligados à literatura: Aleksêi Konstantinovich Tolstói, contemporâneo de Lev Tostói, e o escritor soviético Aleksêi Nikolaievitch Tolstói, que tinha o apelido de "Conde Vermelho" por causa de sua lealdade ao poder soviético. Uma escritora russa da época atual, Tatiana Tolstaia, é neta dele.

Dostoiévski

O sobrenome do grande escritor tem uma origem "geográfica": os antepassados de Fiódor Mikhailovich eram naturais de um lugarzinho na então Bielorrússia chamado Dostoiev. No romance de Mikhail Bulgákov “O Mestre e Margarida” está presente a seguinte cena: a funcionária da portaria não quer deixar os dois heróis entrarem no restaurante da Casa dos Escritores sem as respectivas carteirinhas de associados, e quando um deles diz que Dostoiévski, por exemplo, não tinha nem poderia ter qualquer carteirinha de associado, ela responde "Dostoiévski morreu". Então o escritor contesta: "Protesto, Dostoiévski é imortal", frase que se tornou muito conhecida. O sobrenome Bulgákov, por sua vez, é formado a partir do nome Bulgak, comum nos tempos antigos, e que significa "irrequieto, alvoroçado".

Tchekhov

Esse sobrenome não tem nada a ver com os tchecos, ele remonta ao antigo nome russo “Tchekh” (ou “Tchokh”), que por sua vez está relacionado com o verbo "tchikhat" (espirrar): pessoas que sofriam de constantes resfriados e que espirravam frequentemente recebiam tais apelidos. Em sua juventude, o médico Anton Tchekhov publicava regularmente histórias humorísticas em um periódico e utilizava uma variedade de pseudônimos; o mais famoso deles era Antocha Tchekhonte e entre outros havia o “Irmão do meu Irmão”, “Laerte”, “Ulisses”, “Homem sem baço”, “Champanski” e “Schiller Sheikspirovich Goethe”. Em um de seus contos, "Sobrenome de Cavalo", o herói revê sem sucesso dezenas de variantes tentando lembrar de um sobrenome que havia esquecido e que de alguma forma estava relacionado a cavalos; por fim acaba-se verificando que o sobrenome era “Ovsov” (da palavra "ovios", que em russo significa aveia, ou seja, alimento dado aos cavalos).

Escritores que ganharam o Prêmio Nobel

No século 20, cinco escritores russos foram laureados com o Prêmio Nobel de Literatura: Ivan Búnin, Boris Pasternak, Mikhail Sholokhov, Aleksandr Soljenítsin e Joseph Brodsky.

O sobrenome de Búnin se formou a partir do apelido Bunia, com o qual, no passado, chamavam uma pessoa que era arrogante e orgulhosa.

Pasternak (Pastinaca sativa), também conhecida como cherovia, é um legume cujo nome virou sobrenome. Outra curiosidade é que o sobrenome do herói do famoso romance de Pasternak, “Doutor Jivago”, aponta para o fato de que o personagem principal pertencia a uma família da aristocracia, o que é indicado pela antiga terminação característica "ago" (na versão moderna, o adjetivo "jivoi", que em russo significa vivo, no caso genitivo se transforma em “jivogo”).

O sobrenome Cholokhov provém do adjetivo "cholokhii", que em muitos dialetos, significa "de rosto áspero”, ou seja, uma pessoa que tem marcas de varíola.

O sobrenome de Soljenítsin foi formado a partir da palavra "soljenitsi". Era assim que eram chamados aqueles que se ocupavam de "solojenie", ou seja, do cultivo e secagem do malte. E “Chukhov”, o sobrenome do protagonista de seu romance mais famoso, "Um dia na vida de Ivan Denisovich”, provavelmente vem de “Chukhi”, que é um dos diminutivos do nome Aleksandr (Sacha – Sachukha - Chukha); ou seja, como Tolstói no caso de Levin, com a ajuda de tal recurso, Soljenítsin certamente insinua indiretamente que neste caso está escrevendo sobre si mesmo.

Bródski é um típico sobrenome "geográfico" que indica que os antepassados do poeta eram naturais de Brody, uma cidade da Galícia (atualmente situada no território da Ucrânia).

Nabokov e Erofeev

O sobrenome de Vladimir Nabokov vem da palavra "nabokii", que significa "torto, que manca de um lado". Quando na segunda metade de sua vida Nabokov, vivendo no exílio, começou a escrever em inglês e conquistou, após a publicação de "Lolita", a popularidade na América, ele dizia que seu sobrenome representava certa dificuldade para os americanos em termos de pronúncia: constantemente eles o chamavam de Nabakov ou Nabukov.

A origem do sobrenome do autor do famoso poema em prosa “Moscou – Petuchki”, Venedikt Erofeev, é clara: ele foi formado a partir do antigo nome Erofei. Mas, também com esse sobrenome está associado um caso curioso. Viktor, um autor que tem o mesmo sobrenome do falecido Venedikt, atualmente escreve e tem sido frequentemente publicado no Ocidente. Quando o seu primeiro nome é abreviado ele praticamente se torna um perfeito homônimo do outro escritor: V. Erofeev.

* Aleksêi Mikheev / Gazeta Russa


Marcelo Vinicius

“Não fazemos uma foto apenas com uma câmera; ao ato de fotografar trazemos todos os livros que lemos, os filmes que vimos, a música que ouvimos, as pessoas que amamos” (Ansel Adams)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Marcelo Vinicius