calango neptuniano

Breve análise sobre as patavinas psicossomáticas

Gabriel Bortolot Ferreira

Eu sou o tropeço da eternidade, a asfixia do tempo, o feijão do cosmo, o calibre 7.62 na testa de minha modéstia!

Max Farago: Magnificamente Comum

Por um mundo que não passa desapercebido.


Por vezes, meros mortais buscam sem sucesso, enquadrando em indicadores e polegares algumas fotografias imaginárias, como forma de distração ou quiçá buscando, literalmente, um ponto de vista, um dom para exercer a fotografia. Boa parte das tentativas em vão. O que não veio ocorrer com o apresentado da vez, o espetacular retratista Max Farago.

Boa parte da malta fotográfica atual é classificada pelo incomum; pelo que certamente não é convencional, pelo instante singular, talvez inédito. Porém, a questão que se levanta no instante de suas mostras é "Por que não vi isto?". Farago nos reapresenta o cotidiano, nos faz sentir numa constante obra artística, lembrando que logo ali, no canto qualquer, há beleza.

1_farago0810-s1-0020-1.jpg1_201.jpg1_0715-036a.jpg1_08.jpg

Confiram:

maxfarago.net/


Gabriel Bortolot Ferreira

Eu sou o tropeço da eternidade, a asfixia do tempo, o feijão do cosmo, o calibre 7.62 na testa de minha modéstia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/fotograficamente// @destaque, @obvious //Gabriel Bortolot Ferreira