calango neptuniano

Breve análise sobre as patavinas psicossomáticas

Gabriel Bortolot Ferreira

Eu sou o tropeço da eternidade, a asfixia do tempo, o feijão do cosmo, o calibre 7.62 na testa de minha modéstia!

Mentira, a frustração estava ali


Ata-me as mãos, pois o frio desce. Ata-me as mãos para que eu não mais minta em sorriso. Ata-me as mãos para eu alcançar o brilho nas trevas de meu olhar e para que Deus vibre sobre meu mísero ponto de luz.

E, hoje, eu vou sorrir; mas só por falta de alternativa. Vou sorrir por esta manhã despertar atrasada e pela minha falta de esforço ao apoiar-me sobre a latrina onde te cuspo nem clara, nem viscosa. Meu sorriso volta à translucidez por conhecer o céu e mais um cento de curiós.

Te mato por meu indulto e te condeno por toda vida.

tumblr_m1iu4sWSxq1qa6xn7o1_500[1].jpg


Gabriel Bortolot Ferreira

Eu sou o tropeço da eternidade, a asfixia do tempo, o feijão do cosmo, o calibre 7.62 na testa de minha modéstia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/Prosa// //Gabriel Bortolot Ferreira