caneta tinteiro

Rascunhos digitais. Textos analógicos.

Murilo Reis

Murilo Reis nasceu em Araraquara/SP. Mestrando em Estudos Literários pela Unesp, escreve para o site "Homo Literatus". É autor do blog "O paralelo" e do livro de contos "Identidades secretas" (Lamparina Luminosa, 2016)

A tênue linha que separa razão e loucura

A mente mais insana e enigmaticamente real da ficção analisada por Brian Azzarello e Lee Bermejo.


coringa1.jpg

Poucas são as pessoas sem diploma na parede que se atrevem a analisar a mente de um indivíduo tido como louco pela sociedade, mesmo que esse sujeito seja personagem da ficção, caracterização que a teoria literária definiria como redonda ou esférica, dada a imprevisibilidade de seus atos. Ainda mais em se tratando do Coringa, um dos mais impressionantes vilões já criados.

Alan Moore fez uma das mais bem sucedidas análises psicológicas ao publicar A Piada Mortal, em 1988. Para conseguir expor graficamente seu roteiro, utilizou o talento de Brian Bolland, criando uma das mais perfeitas obras relacionadas à nona arte. Pensava-se que ninguém mais ousaria explorar uma mente tão insana e enigmática.

coringa.jpg

Pensou-se errado.

Vinte anos mais tarde, Brian Azzarello resolveu dar sua visão sobre o Palhaço do Crime. Com a arte impactante de Lee Bermejo, criou Coringa, história que, se não se equipara ao conto espetacular de Moore e Bolland, leva o leitor a equilibrar-se na tênue linha que separa razão e loucura.

coringa2.jpg

O narrador de tal jornada é Jonny Frost, um simples fora-da-lei que acompanha o maior criminoso de Gotham City numa espetacular e sangrenta saga para a retomada do poder. Frost acompanha de perto todo o inexplicável modo como seu superior arquiteta armadilhas e aplica castigos àqueles que não o agradam. O traço de Bermejo e as cores aplicadas por Patricia Mulvihill exploram semelhanças entre narrativa gráfica e cinema. Impossível não se lembrar do Coringa de Christopher Nolan, vivido por Heath Ledger nas telonas.

Ao final, Azzarello nos deixa a certeza de que, assim como uma doença, há muitos coringas espalhados pelo mundo real e não há cura ou homens-morcego suficientes para tais pragas.


Murilo Reis

Murilo Reis nasceu em Araraquara/SP. Mestrando em Estudos Literários pela Unesp, escreve para o site "Homo Literatus". É autor do blog "O paralelo" e do livro de contos "Identidades secretas" (Lamparina Luminosa, 2016).
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Murilo Reis