chrizoca

Expressando os sentimentos como exercício para a alma

Christiane Afondopulos

Psicóloga e Advogada, mas que acima de tudo ama escrever e se encontrar em meio às palavras.

A GERAÇÃO QUE PLANTA ÓDIO ONDE NÃO EXISTE

Será que ainda existe tanto ódio mesmo entre as pessoas, ou algumas mentes cruéis querem que acreditemos nisso?


geração odio 2.jpg

Outro dia estava assistindo uma entrevista com o presidente Barack Obama, e ele disse uma coisa que eu nunca havia pensado: "o mundo nunca esteve em um momento tão bom; hoje temos menos violência (em todos os sentidos), menos pessoas passando fome, menos desemprego, menos desigualdade, menos preconceito, etc."

No começo achei meio estranho porque estamos acostumados a ver tantas coisas ruins, cada dia mais, que fica difícil acreditar que o mundo é melhor hoje do que há tempos atrás. Mas refletindo melhor, percebi que ele tem razão, pois se compararmos os dias atuais com toda a história de guerras e destruições pela qual o mundo passou, realmente podemos enxergar uma época mais promissora.

Mas então qual o motivo de tanto ódio e tanta descrença entre as pessoas? Será que esse conflito é real ou por vezes é plantado e rapidamente espalhado pelos meios de comunicação? Afinal, ações e discursos circulam indiscriminadamente no mundo atual.

Penso que essa é uma geração que planta ódio onde não existe, cria conflitos onde poderia haver paz, perpetua preconceito numa era que luta pelo seu fim. Sim, lutamos todos pelo fim de todas as desigualdades, mas alguns insistem que elas continuem vivas em nossos pensamentos. Isso é injusto e cruel.

A mídia possui grande responsabilidade nessas discussões e poderia contribuir para uma cultura de paz. Ao invés disso, dá carta branca para matérias "lunáticas", criando pensamentos que jamais passariam pela cabeça do ser humano, ou seja, criam um conflito que não é real. Posso citar como exemplo uma matéria publicada na internet em que a redatora diz que o uso de turbante por pessoas brancas é ofensivo, pois trata-se de uma "apropriação cultural" da tradição africana, o que acaba por causar um sentimento de inferioridade para o negro. Isso não é real, pelo contrário, é o reconhecimento de que algo é bonito e tem valor, e por isso pessoas de outras culturas tem vontade de usar, pelo simples fato de que apreciam uma tradição diferente da sua. Trata-se de um ato de admiração, e uma matéria como essa, que traz um falso discurso, totalmente prejudicial na medida em que incita uma visão preconceituosa, jamais deveria ser publicada. Queremos que o preconceito seja excluído das nossas vidas, então pra que criar discussões desnecessárias como essa e insistir que ele permaneça?

Além desse exemplo, temos outros diversos, como discursos feministas permeados de revolta que até pouco tempo não existiam. Claro que a mulher ainda tem muito o que vencer em termos de igualdade, mas nunca fomos tão longe, estamos no caminho certo e portas estão se abrindo, somos reconhecidas dia a dia. Portanto, esse tom de ódio nos discursos que vemos é desnecessário, ele não trará nada de bom, não provará nada a ninguém, só lhe causará uma sensação de superioridade momentânea. Por que estamos fazendo isso? Estávamos indo muito bem até essa "moda" surgir.

Da mesma forma vemos a discórdia e o rancor ganhando força por conta de uma geração que se acha no direito de culpabilizar qualquer um que pense ou tenha um estilo de vida diferente do seu. Se ocorre uma situação de emergência em que um animal tem que ser sacrificado (infelizmente) para salvar uma vida humana (o que é óbvio nesse mundo, e sempre foi assim), surgem brigas, discussões, atos de manifestação, críticas aos responsáveis, enfim, mais um conflito desnecessário. Se uma pessoa continua comendo carne ou alguns alimentos específicos, como sempre fez, e como de costume em nossa sociedade (e cada um é livre para escolher), são lançados protestos pesados, vídeos e reprovações cruéis que o comparam com um "assassino". Outro conflito desnecessário, plantado pelos "donos da razão". Ainda surgem as discussões políticas tomadas por comentários que só servem para fortalecer a segregação, o desprezo pelo outro, a injusta insistência em dizer que um grupo tem privilégios quando na verdade lutamos pela igualdade. Queremos o bem de todos, tantos se doam para isso, e pregar um discurso contrário, que não existe, é desleal.

Se podemos mudar nossos hábitos para viver num mundo melhor? Sim, claro que podemos e é ótimo que isso aconteça. Você pode apresentar suas idéias e ajudar o outro a enxergar as coisas de forma mais humana. Mas tudo leva tempo e devemos respeitar os limites de cada um. Culpar, criticar e insultar não é o caminho. Se fizer isso, só estará contribuindo para o ódio que não deveria existir.

Portanto, podemos acreditar que o mundo está sim no seu melhor momento apesar de toda a ignorância, e que todos esses conflitos podem ser evitados pelo simples fato de que não são reais. Estamos criando desavenças desnecessárias que não precisavam existir, e não vamos proporcionar um mundo melhor para as futuras gerações se continuarmos agindo dessa forma, impondo nossos valores e obrigando outras pessoas a pensar e agir como nós.

Até porque, aqueles que não percebem de forma óbvia o valor de certas coisas, nunca serão convencidos por palavras ou explicações intelectuais. Então não criemos novas guerras sociais na tentativa de impor nossos conceitos, pois isso não nos trará nada de bom e atrasará cada vez mais nosso avanço para a paz. Nós podemos mudar tudo isso, basta querer!


Christiane Afondopulos

Psicóloga e Advogada, mas que acima de tudo ama escrever e se encontrar em meio às palavras..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Christiane Afondopulos