coqueluche

muito para ser efêmero, pouco para ser eterno

Fabiane Pianowski

Curiosa e digitalmente hiperativa, acredita que toda informação deve ser compartilhada. Atraída pelo que não é canônico, busca arte e cultura nos interstícios do cotidiano

Blancanieves e os seis anões toureiros

O clássico conto "Branca de Neve" ambientado na Espanha dos anos vinte, em um filme que emociona, surpreende e hipnotiza.


poster.jpg Poster para a estreia na Espanha

Um dos filmes mais espetaculares que vi nos últimos tempos foi Blancanieves, estreia em longa-metragem do espanhol Pablo Berger. Para a crítica e, inclusive, para o cineasta Pedro Almodóvar também está entre os melhores filmes 2012. Premiada em vários festivais e com 18 nominações ao Goya 2013, é decepcionante saber que não foi nominada ao Oscar de filme estrangeiro.

Como em The Artist (2011) dirigida por Michel Hazanavicius, a proposta de Pablo Berger retoma a narrativa clássica do cinema, gravando em preto e branco um filme mudo, ambientado na Espanha dos anos vinte. No entanto, além de ser muito mais intrigante que a última ganhadora do Oscar, Blancanieves foi idealizada muito antes que a francesa, posto que Berger levava 8 anos tentando materializar o projeto, os últimos cinco dedicando-se à sua produção.

madrasta_Blancanieves.jpg Maribel Verdú como madrasta

A fotografia, a trilha sonora, o figurino, a dramaticidade dos personagens e a poética montagem fazem deste filme algo hipnotizante, que resgata a magia do cinema, perdida em muitas das super-produções que arrombam as bilheterias.

Blancanieves_infancia.jpg Angela Molina interpretando a avó de Blancanieves (Sofía Oria)

A singularidade deste filme está na atmosfera gótica e ao mesmo tempo folclórica que ambienta o conhecido drama. A adaptação do conto dos irmãos Grimm é espetacular, porque conhecemos a história, porém, a mesma está contada com uma originalidade e frescura, que nos surpreende a cada sequência.

anoes.jpg Os sete anões do conto original se converteram em seis anões-toureiros

Entre instantes de terror, humor negro e drama, numa mistura bem feita de todos esses gêneros, transcorre a vida de uma Branca de Neve espanhola, na qual o mundo taurino e flamenco preenchem a tela, dando nova vida à personagem.

blancanieves.jpg Macarena García é Blancanieves

A atriz Maribel Verdú encarna uma madrasta sexy, fetichista e muito má, que teve a sorte de casar com o toureiro viúvo, interpretado por Daniel Giménez Cacho, pai da protagonista que na infância é Sofía Oria, e na adolescência, Macarena García.

daniel.jpg O pai de Blancanieves, interpretado por Daniel Giménez Cacho

Não deixe de ver esta jóia cinematográfica!


Fabiane Pianowski

Curiosa e digitalmente hiperativa, acredita que toda informação deve ser compartilhada. Atraída pelo que não é canônico, busca arte e cultura nos interstícios do cotidiano.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @destaque, @obvious //Fabiane Pianowski
Site Meter