cultivando palavras

Que tudo que eu quero não fique apenas no pensamento, mas que possa vir tornar-se realidade

Túlio Santos

"Odiamos o que quase somos."

Florbela Espanca - A dor do sofrer

Mesmo antes de seu nascimento, a vida de Florbela Espanca já estava marcada pelo inesperado, pelo dramático, pelo incomum.


download (1).jpg

Florbela Espanca, eterna poetisa portuguesa, nasceu em oito de dezembro de 1894, em Vila Viçosa. Alentejana nata, filha fora do casamento entre o seu pai João e Antónia - tudo isso porque a sua mãe adotiva não podia ter filhos - e naquela época o marido tinha o total direito de ter filhos se o seu cônjuge não pudesse ter. Além de Florbela, ele teve mais um filho: o Apeles.

Consequentemente, Antónia abandona João Maria, e os filhos passam a conviver com o pai e sua esposa, que os adotam. Em 1899, Florbela ingressa para o curso primário na cidade de Vila Viçosa. Passado algum tempo morre a sua mãe. O seu pai é um viajante nato e pouquíssimas vezes pára em casa.

Em 1900, Maria João torna-se um dos introdutores do cinematográfico em Portugal, despertando na filha a mesma paixão. Em 1903, já com seus sete anos de idade, Florbela faz seu primeiro poema: "A vida e a morte", e desde logo fica notório a sua precocidade e preferências a temas mais escuros e melancólicos. Alguns anos depois, sendo uma das primeiras mulheres, Florbela ingressa no Liceu de Évora e permaneceu por lá até 1912. Florbela não foi apenas uma mulher de muitas palavras. Casou-se duas vezes. Casa-se pela primeira vez com dezanove anos com Alberto Moutinho, seu colega de estudos. O casal viveu em Redondo até 1915, mas os dois sofrem dificuldades financeiras e sentem-se obrigados a regressar a Évora. Ora, mas como tudo que é bom dura pouco, Florbela divorcia-se em 1921 por conta de seu marido ter-se interessado por sua empregada. Tudo isso sob o olhar complacente de Florbela, mostrando-se uma mulher cheia de mistérios, desejos e anseios ocultos.

Novamente ela retorna à Redondo, já em 1916, e lá ela reúne uma seleção de sua produção poética de 1915, e inaugura o projeto: Trocando Olhares, coletânea de 88 poemas. Com sua inconstância e destreza de não parar em lado algum, regressa novamente a Évora em 1917 e se inscreve na Universidade para cursar Direito.

É de sublinhar também um aborto sofrido por ela em 1919, tendo que mudar-se para Olhão, terra do seu marido, para recuperar de sintomas de neurose. Seu casamento desfaz-se, ela volta para Lisboa e em junho do mesmo ano publica o livro: "O livro de mágoas".

No entanto, passa a viver com António Guimarães. Os dois casam-se em 1921. No vindouro ano ela publica o livro: Livro de soror Saudade. Florbela não consegue segurar uma criança no seu ventre e sofre novamente um aborto. Ela se separa, a família corta vínculos com ela e isso a deixa muito abalada. No que diz respeito ao irmão, o mesmo, é morto por um acidente drástico. E devido a isso, Florbela nunca será a mesma, sua doença agrava após o ocorrido e ela passa a sofrer de um edema pulmonar. Florbela começa a escrever seu diário de último ano em 1930 e passa a colaborar nas revistas Portugal Feminino e Civilização.

Seu diário é encerrado em dois de dezembro do mesmo ano com uma única frase: "e não haver gestos novos, nem palavras novas!" Tal equivale a dizer que no dia oito de dezembro, dia de seu aniversário, às duas horas, Florbela suicida-se em Matosinhos, ingerindo dois frascos de Veranol.

Não há dúvida de que Florbela estaria cansada de tudo, todos e sobretudo dela mesmo. Perde-se a vontade de viver. Ela foi-se, mas as suas palavras e palavras vagueiam até hoje. Ela morreu inexpressivamente e sozinha. Ela não tinha a quem pedir ajuda. Como é triste sofrer por algo que fica aqui dentro preso, entalado. Para Florbela, o seu escape era seus textos e poesia. Colocava os dedos na goela e trazia aqui para fora toda a sua dor e sofrimentos íntimos.

Florbela cresceu sem amor de mãe, talvez por destino ou bondade divina, fora esse o motivo de Florbela nunca poder ter filhos. Como podemos dar a alguém algo que nunca recebemos? Ela cresceu rodeada de tudo e de todos, mas sempre faltava alguém.

O seu objetivo fulcral era ser amada. Ela procurou durante a vida toda algo que ficou perdido na infância: o amor de mãe. O amor ela procurou a vida toda, ser amada era o seu principal objetivo. Nunca o encontrou. " Eu quero amar/ Amar perdidamente!/ Amar só por amar... aqui... além..."


Túlio Santos

"Odiamos o que quase somos.".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Túlio Santos