culturiar

Culturiar é uma neologia, um verbo que exemplifica o nossa curiosidade sobre a cultura.

Mário Lúcio

Eu sou apenas um rapaz latino americano sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo da Grande São Paulo...

Se não tem escolha, o jeito é rir de si mesmo.

Artistas que levaram na esportiva uma zoação coletiva.


Como diria a jornalista Eliane Brum, “Rir de si mesmo é um ato civilizatório”, o riso não é só o melhor remédio como também diagnóstico de bom senso e espírito esportivo. O bom comediante deve saber aceitar uma piada contra si, afinal na lei de Newton, ação e reação movimentam o mundo. Se for permitido o escárnio, a ironia, o sarcasmo com alguém é de extrema lucidez saber compreender uma anedota caricata muitas das vezes sobre nós mesmos. Claro que várias pessoas não aceitam, esperneiam e alegam pegar pesado, há ainda uma cultura entre a sociedade que com os outros é permitido, mas quando é com a gente a coisa muda. Nos últimos tempos no Brasil, algumas empresas resolveram adotar dessa questão do auto bullying para alavancar vendas de seus produtos, e por incrível que pareça a receita deu certo. William Arthur Ward foi brilhante quando afirmou que “Errar é humano, tropeçar é comum. Ser capaz de rir de si mesmo é maturidade.”. Partindo dessa premissa, o conceito de saber levar as coisas no chamado “espírito esportivo” é um sinal não só de maturidade como sabedoria. Um exemplo simples disso nós vemos nas escolas, quando alguém recebe um apelido que não gosta e demonstra revolta, aí a alcunha fica pra sempre, mas aquele que consegue levar tranquilamente o escárnio alheio como algo insignificante e acaba rindo não sente o bullying de sua maneira mais forte. Depois dessa breve explanação sobre essa questão de uma das vertentes mais nobres do riso, veremos as campanhas publicitárias que usam de personalidades para mostrar que o jeito é rir de si mesmo e ser feliz;

Byafra (Banco Bradesco) A propaganda com o slogan “Vai que...” da equipe de Seguros do Bradesco mostra aos clientes que é melhor ter um seguro para o carro, afinal não terá um Byafra pra cantar e acabar espantando o Ladrão.

Anderson Silva (Burger King) O grande campeão de MMA sempre vira piada por causa de sua voz fina, e o seu patrocinador Burger King não poderia perder a oportunidade de usar isso como gancho para um de seus lanches com o slogan “Tão assustador que você afina”.

Ricardo Macchi (FIAT) Quem se lembra da novela Explode Coração logo recorda da má atuação de Ricardo Macchi como cigano Igor, a FIAT não deixou isso passar em branco e numa comparação com Dustin Hoffman mostra que “Pra ser um atorzão não precisa ser grande e nem pra ser um carrão”.

Nathalia Guimarães (Ipanema) No concurso de Miss Universo de 2007, absurdamente a Miss Brasil na época Nathalia Guimarães acabou perdendo para a candidata do Japão, a empresa de sandálias Ipanema usa isso como gancho ao dizer “É a 2ª mais vendida no Brasil. Mas você vai ver que a vice é mais gostosa”.

Joel Santana (Head & Shoulders) Esse comercial com certeza é um dos mais engraçados de auto bullying, todos lembram na Copa das Confederações de 2009 quando Joel Santana era treinador da África do Sul e acabou dando uma entrevista no campo, digamos com um inglês bem improvisado. A empresa de shampoos usou esse mico do Joel com maestria para mostrar sobre seu produto.


Mário Lúcio

Eu sou apenas um rapaz latino americano sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo da Grande São Paulo....
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/// @destaque, @obvious //Mário Lúcio
Site Meter