curiosas verdades

Artigos sobre verdades históricas não encontradas nos livros escolares

Cláudio B.

Gostou do artigo? conheça outros, publicados anteriormente em diversas mídias, através de minha Fan Page de Autor: www.facebook.com/autorclaudiob

As Falsas Quinquilharias dos Vendilhões do Templo

Do fariseu Simão, que teve seu nome posteriormente mudado para Pedro e que, como apóstolo de Jesus, fora morto crucificado de cabeça para baixo por Romanos, no antigo Circo de Nero (seus restos teriam sido encontrados em escavações no subsolo da Basílica que hoje leva seu nome) - tudo de acordo com a Igreja Católica, teriam sobrado "relíquias" de seu cadáver, as quais seriam um pedaço de pano e alguns ossos.


Falsasreliquias.jpg

Tais relíquias participaram hoje (24.11.2013) de pomposa cerimônia no Vaticano, apresentadas pelo papa Francisco, mais conhecido na Argentina como "El Santito". Para "inglês ver", a exposição de relíquias atribuídas a santos sempre foram espetáculos para conclamar fiéis a acreditarem na existência destas pessoas e nos escritos atribuídos à elas. No passado, negociadas por fortunas e hoje, produtos de merchandising que atraem fervorosos crentes em várias partes do mundo católico, sempre confortados em serem enganados.

Historiadores sérios sabem que Pedro fora expulso de Roma junto com judeus e cristãos pelo imperador Tiberius Claudius Drusus Nero Germanicus (Cláudio), voltando para Jerusalém e depois, Antioquia, conforme citamos de referência Ferdinand Christian Baur, Heinrich Dressel e mesmo o pesquisador luterano Adolf Harnack. Depois de falir com a frota de pesca que mantinha em Carfanaum, junto com seus sócios Tiago, João e Zebedeu, o pescador encerrou suas andanças entre Jerusalém, onde fora preso como agitador politico e Antioquia, local que provavelmente teria sido realmente enterrado e onde gozava de certa segurança para expor suas idéias, inclusive obtendo adeptos no "Incidente em Antioquia", outro fato em que provavelmente - segundo acadêmicos e até um historiador jesuíta francês chamado Jean Hardouin - jamais participou como protagonista, sendo mais um dos engodos históricos maquiados e patrocinados por sua Igreja.

Lembro aos leitores que no Circo de Nero, que teve sua construção iniciada ainda por Calígula, nunca foram enterrados corpos de cristãos lá martirizados, uma vez que os registros históricos revelam que os restos dos condenados, judeus, cristãos, escravos fugitivos e inimigos estrangeiros, todos eram levados para fora da cidade, para não atraírem pragas, mau cheiro, animais selvagens e possíveis parentes ou partidários religiosos ou políticos, hávidos por relíquias de mártires. Restos, pois geralmente, quando não eram destroçados e comidos por feras em espetáculos públicos, eram recolhidos já esquartejados parcialmente, sobras de lutas com gladiadores ou entre os próprios sentenciados. Este padrão para livrar-se dos cadáveres é observado em todos os estádios onde se promoviam estas carnificinas, inclusive no Coliseu. As carnes dos animais, eram consumidas pelos funcionários ou entregues aos escravos ou ainda, serviam como alimento às feras aprisionadas para os próximos eventos.

Outrossim, como já fui questionado inúmeras vezes sobre estas óbvias e incontestes afirmações, por gente que nem lê meus textos e decide emporcalhar meu trabalho na historiologia, acrescento hoje ao meu artigo, as seguintes provas:

Dos 12 principais e "oficiais" apóstolos, o único a ter sua morte registrada na Bíblia é Tiago (Atos 12,2), em Jerusalém, por volta de 40 d.C. Outra evidência da ficticía morte de Pedro em Roma - inventada apenas para justificar o que seria uma "profecia" mal interpretada - é que teria ocorrido em 67 d.C. Mas, o falso "Incidente de Antioquia", entre Pedro e Paulo, conforme os mesmos escritos "sagrados" em Epístola aos Gálatas 2,11, não teria acontecido em 48 d.C? Em mais de vinte anos coordenando a Igreja Cristã desta cidade, casado, com bastante conforto e segurança, uma vez que lá não haviam execuções dos seguidores da nova religião, seria muito estranho o já ancião Cefa, considerado hoje como o Bispo de Roma, se deslocar e sózinho até aquela cidade: Apenas para se entregar à crucificação, cumprindo uma profecia que é totalmente questionável sobre se seria ou não, à respeito de sua morte e deixando sua igreja sem um líder, uma vez que não considerava Paulo, como tal?

Monte de mentiras.

Pedro nunca foi Bispo de Roma. Podemos ver isso claramente em Atos 24:5 de Lucas: "Paulo era o principal líder dos nazarenos" e de acordo com História Eclesiática, livro III, 2:1, o próprio Paulo designa Lino, como o primeiro Papa, de acordo com sua Carta à Timóteo. Quanto à viagem fatídica de Pedro à Roma, a prova cabal que esta nunca aconteceu, está escrita pelo próprio Paulo, em seu Atos - O Martírio, 10:1 - "Ora, havia em Roma, à espera de Paulo, Lucas da Galácia e Tito da Dalmácia." Por que Pedro não é sequer citado? Simplesmente porque ele não estava em Roma, à espera de Paulo.

Sabemos que os romanos registrariam imediatamente esta crucificação, como faziam com todos os condenados e principalmente, com os líderes ativistas do cristianismo. Não existe tal registro. O que existe é uma carta do Bispo de Roma, Clemente, escrita em 95 d.C. para "legalizar" o engodo e ainda afirmando que sua sentença fora executada na colina do Vaticano, no mesmo dia em que Paulo foi decapitado. Raymond Brown discorda, assim como Eusébio de Cesareia, que aponta para o ano de 64 d.C. a morte de Saulo (seu nome verdadeiro) enquanto o apócrifo Atos de Pedro, diz que Paulo sobreviveu a Roma e viajou para o oeste, para a Hispânia, o que está de acordo com o que o próprio Paulo afiançou em Romanos 15:24. Como o já defunto Pedro - conforme as datas aceitas pelo Concílio de Jerusalém para as escrituras - teria então, escrito esta afirmativa?

Finalizando e recibando à um certo arcebispo católico, que me questionou recentemente, quanto a viagem de Pedro à Roma, ter sido por causa do "enganador" Simão Magus, quem com suas magias e encantamentos "milagrosos", teria "quebrado" a Igreja Cristã estabelecida por Paulo, na capital, logo após sua partida para a Hispânia (Atos de Xantipas, Polyxea e Rebeca, Cap.24), devo lembrar aos meus leitores, apenas uma coisa - o mesmo que lhe respondi na hora: o encontro de Pedro e o gnóstico Simão Magus foi em Samaria e não em Roma, muito bem descrito em Atos dos Apóstolos 8:9-24. Leiam sobre Simão Magus em meu artigo da série Curiosas Verdades "Messias da Antiguidade".

Muito obrigado aos meus conscientes e sóbrios leitores.

Nas ilustrações abaixo, o Imperador Cláudio, no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, o autêntico Circo de Nero, em um velho mapa de Roma impresso em 1561 e ruínas do que sobrou de Antioquia, a maior cidade do Império Romano, na Ásia Menor (Síria), após o grande terremoto que a devastou em maio de 526 d.C. As "relíquias" do certamente Bispo de Antioquia, teriam sido levadas até embaixo do Vaticano, rolando aqui e ali, pelas rochas movidas pelo deslocamento geológico deste terremoto? Eu mereço!

ImagemOBVIOUSReliq.jpg


Cláudio B.

Gostou do artigo? conheça outros, publicados anteriormente em diversas mídias, através de minha Fan Page de Autor: www.facebook.com/autorclaudiob .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @obvious //Cláudio B.