da janela das eumênides

...cada amanhecer traz a razão para recomeçar...

Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!

  • P1180526.jpg
    Uummannaq — Groenlândia

    Uummannaq — é outro espanto! O relevo da Groenlândia é uma sucessão inimaginável de pedras emoldurando a vila.

  • image.jpg
    Qeqertarsuaq — Groenlândia

    Os topônimos são um quebra-língua, cheios de consoantes, vogais dobradas, lindos e... impronunciáveis. Vêm do groenlandês as palavras caiaque e anoraque. Qeqertarsuaq — a costa oeste da Groenlândia / Kalaallit Nunaat é de uma imponência dramática. Da escotilha, fachos de luz e céu muito azul cheio de gaivotas.

  • P1180391.jpg
    Cidadinhas da Groenlândia

    Paamiut — 1742 — é cercada de pedras quebradas por martelos gigantes em diversos tamanhos.

  • P1180345.jpg
    Estreito Prins Christian — Groenlândia

    O navio sai do mar aberto e navega pelo Estreito Ikerasassuaq ou Prins Christian, ao sul. A beleza desta passagem é incomum.

  • P1180287.jpg
    Groenlândia... finalmente!

    Costa da Groenlândia à vista. Pela escotilha desfilam castelos de icebergs, cordilheiras de gelo ao pôr do sol. Neste fim de mundo o ciclo de cor, de luz, de movimento é um espetáculo ímpar...

  • P1180988.jpg
    Islândia — Reykjavík

    A Islândia até a II Guerra Mundial era um dos países mais pobres do ocidente. Hoje ocupa o topo do mundo em renda e o maior número de livrarias — ah, invejável! — per capita. Aqui o centro antigo de Reykjavík.

  • P1180133.jpg
    Islândia — Akureyri

    Com 17 mil habitantes, a antiga Akureyri é uma cidade grande. Há um estudo para limitar a avalanche de turistas — convenhamos, uma praga! — a esta ilha civilizada.

  • P1180066.jpg
    Islândia — Seyðisfjörður

    De Bremerhaven à Islândia são dois dias de navegação. Além da superfície azulada, os montes verdes deslizam gentilmente pela escotilha...

  • Albatros.jpg
    Groenlândia — Mar à Vista

    O embarque em Bremerhaven, um dos maiores portos da Europa, às margens do Rio Weser, traz curiosa excitação.

  • P1170942.jpg
    Bremen — Alemanha

    Nos arredores de Bremen visitamos o Moor — são pântanos como na Irlanda. No séc. XVIII eram fazendas de onde se extraia a turfa usada para aquecimento e combustível. O trabalho era feito pelas famílias, inclusive pela criançada. Atualmente o Moor é um parque enorme, belíssimo.

  • P1170894.jpg
    Rumo à Groenlândia

    A aventura para cruzar o círculo polar ártico começa com o gosto bom do vinho do Porto em Lisboa. Daqui, o vôo para Bremen, ao norte da Alemanha. A cada vez, a cidade dos músicos — burro, cão, gato e galo — é mais agradável. O ícone de Bremen é a figura destes personagens...

  • P1160921.jpg
    Transiberiana — Gran Finale

    De Novosibirsk a Moscou — a etapa final — as cidades foram restauradas ou reconstruídas da sanha cruel de Stalin e Lenin. Como fênix, ressurgiram fortes, imponentes e se desenvolvem em ritmo acelerado.

  • P1160423.jpg
    Sibéria

    Ao norte da Ásia, entre os Montes Urais e o Oceano Pacífico, esta terra imensa foi formada pelas civilizações nômades antes da era cristã. Em meio a grande desenvolvimento, ainda conserva, sem radicalismo, suas tradições ortodoxas, cujo símbolo é esta catedral.

  • P1150944.jpg
    Mongolia — Sob a Luz das Estrelas

    O Zarengold permanece na estação, havendo as opções de pernoite no hotel em Ulan Bator ou no Parque Terelj. Escolhemos pernoitar sob a luz das estrelas no confortável acampamento. Esta escolha traz-nos surpresas: pode-se caminhar em todas as direções, absorver o por-do-sol, saborear lentamente os diferentes pratos no jantar, deitar na grama com o céu estrelado quase no nariz...

  • P1150867.jpg
    Mongolia — A Cultura Budista

    Arruinados pelos comunistas, os templos foram reconstruídos e preservam a cultura, os bons costumes seculares. O budismo, por sua filosofia de inclusão, é a única saída — se houver — para o caos do mundo...

Site Meter