da janela das eumênides

...cada amanhecer traz a razão para recomeçar...

Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!

Gangtok — Capital de Sikkim, Índia

A cidade, com a sua gente cordial e hospitaleira, é o ponto de partida para paisagens incomuns e mosteiros milenares. É uma importante referência para os estudiosos do Budismo tibetano.


Foto: Ani & Matthias NesterO caminho para Gangtok — através de Pelling e Yuksom — é uma subida, uma subida verde, exuberante dos Himalayas. A vista é uma escada gigante com muitos telhados e o verde cristalino das plantações de arroz nos degraus. As águas-turquesa do Rio Rimbi lutam bravamente com as pedras enormes nas passagens estreitas. As pontes suspensas — quase pinguelas — onde, às vezes, passa apenas uma pessoa, acrescentam mais uma pitada pitoresca à natureza.

Foto: Ani & Matthias NesterÉ curioso ver bando de crianças bem pequenas com os uniformes arrumadinhos, desacompanhadas de adultos, percorrendo longas distâncias a caminho da escola. As crianças da região são autosuficientes — uma diferença enorme das do lado de cá! — correndo pela rua, desviando-se dos bichos e dos veículos com a esperteza lhes transmitida pela vida difícil. Vimos grupos de jovens de idades variadas também de uniformes, bom sinal! Não há transporte público, todo o mundo anda a pé.

Também, curioso o trabalho pesado de quebrar pedras, sem proteção alguma, a cargo das mulheres. Vimos dezenas delas encarapitadas em montes de estilhaços, com os quais se recompõem as estradas. Curiosíssima a manobra da pá amarrada a uma corda, feita por dois trabalhadores. Um deles pega o cimento ou areia com a pá e um outro puxa na corda para ajudar no movimento. Se a moda pega por aqui…

Foto: Ani & Matthias NesterPernoitamos em Pelling, no Mount Pandim, um agradável hotel com inacreditável vista para o Kanchenjunga! Daqui para Yuksom há, em todas as cercas, extensíssimos pés de chuchu, enormes e velhíssimas mangueiras — exóticas novidades para os turistas alemães. As açucenas são um escândalo em beleza e cor.

Foto: Rainer BrockerhoffGangtok é antiga, com 100 mil habitantes amontoados em sobrados morro acima. Aqui está começando uma campanha para coleta de lixo e limpeza de ruelas, quintais e praças. O quarteirão fechado para pedestres, com lojas e cafés, é limpo; mas em geral há lixo por toda parte. Isto encerra uma interessante questão cultural: há anos, os nepalis e os nativos lepcha e bhutia jogavam fora folhas, palhas, cascas, sementes. Além disso, os bichos, ao devorarem os restos, faziam a limpeza. Com a “modernidade” vieram os plásticos, as latas, papéis alumínio, isopor, etc. etc. e o povo continua atirando tudo pela janela, como se ainda fosse degradável. É um problema seríssimo, como no Brasil também, infelizmente.

Em muitos pontos há painéis sobre o tratamento da Hanseníase, ressaltando não ser doença hereditária, nem punição de pecado ou maldição.

Foto: Rainer BrockerhoffO Hotel Nor-Khill é um antigo palácio de verão do rei Namgyal, com belos jardins, boa comida apimentada e a tradicional cerveja chaang. Daqui vimos, também, um estádio no qual se desenrolava uma animada “pelada”. O futebol parece popular; muita gente veio nos consolar pelo escabroso 7x1 na última copa...

Neste hotel, ainda se serve o tradicional five-o’clock tea; o tal “chá inglês” tem origem prosaica. Foi o jeito de a Duquesa de Bedford acalmar o vazio do estômago, já que em meados do Séc. XIX o jantar era muito tarde. Assim, enganava-se com um chá Darjeeling por volta das 17:00; aos poucos, os famosos scones ou bolinhos ingleses vieram para a mesa. Não ficava bem a uma duquesa comer a sós, assim convidou algumas amigas também famintas e... ao longo do tempo virou o chá das cinco!

Gangtok não é uma cidade bonita; a gente tem excelentes motivos para vir:

  • Foto: Rainer BrockerhoffPemayangtse, um dos mais antigos mosteiros, a 2085m de altitude. Fui seguindo um som harmonioso e envolvente pelas escadas acima chegando — uau! — a um amplo salão onde uns 20 jovens, dois bem mais novos, entoavam os textos tibetanos. Sentei-me junto a eles, que disfarçaram o riso pela minha falta de jeito na cerimônia. O ambiente leve é aberto a todos. O acolhimento é espontâneo; a alegria dos jovens noviços é invejável; não queria sair de lá. Tais momentos trazem uma sensação muito boa de completude!
  • Foto: Rainer BrockerhoffDubdi-Gompa, um outro belíssimo mosteiro. O sinuoso caminho coberto de musgo já compensa a subida forte.
  • Foto: Rainer BrockerhoffRumtek é um dos mais importantes centros de estudo budistas da Ásia. É muito grande, imponente e colorido. Os monges lavavam, alegremente sob a chuva, o pátio enorme. Usam xilogravura de antigos textos tibetanos com matrizes de madeira, uma arte do Séc. XIV.
  • • O Instituto de Tibetologia é magnífico, guarda preciosos manuscritos em sânscrito e os painéis em seda, pintados à mão, relatam toda a vida de Siddarta Gautama, o Buda.
Através de Gangtok chega-se a Nathu La Pass, um corredor de passagem entre Índia e Tibet, fechado em 1962. A antiga Rota da Seda, reaberta em 2006, é a mais alta estrada para veículos motorizados: 4.310m. Estrangeiros não tem autorização para percorrê-la.

Despedimo-nos de Sikkim e rumamos para o Bhutan, o reino do dragão.


Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 12/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Maria Brockerhoff