da janela das eumênides

...cada amanhecer traz a razão para recomeçar...

Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!

A Cidade de Brinquedo — Paro, Bhutan

Paro parece mesmo de brinquedo, com as cortinas vermelhas de pimenta secando ao sol nas janelas e nos telhados…


Foto: Rainer Brockerhoff…e esta gente elegante: gho.jpgFoto: Karma WangchukEste traje típico é de uso obrigatório em lugares públicos. Foto: Rainer BrockerhoffA cidade de Paro é o único aeroporto de Bhutan; uma cidadezinha cercada de altas montanhas completamente verdes. A paisagem é magnífica mas complicadíssima para pousos e decolagens. Apenas alguns exímios pilotos estão autorizados.

As estradas para Paro, Punakha e Thinpu — a capital de Bhutan — estão ainda em construção. Mais uma preparação para o turismo. É uma obra pesada e custosa, pois corta florestas, montanhas em curvas apertadas e salpicadas de cachoeiras. Além disso, o trabalho, iniciado há muitos anos, avança muito pouco devido às constantes paradas para o tráfego de veículos.

Bhutan limita-se com o Tibet e Índia, é uma monarquia constitucional com parlamento nos moldes ingleses. O rei e a rainha são bem jovens. O país se abriu ao turismo em 2006. Assim, temos a sorte de encontrar uma terra praticamente virgem, sem os pecados do turismo de massa. A Internet, por exemplo, só chegou no ano passado; o acesso é intermitente e eventual. Na verdade, é uma vantagem: nos faz imergir nos costumes, no cotidiano de pessoas bem diferentes, nos cheiros e cores. Foto: Rainer BrockerhoffA arquitetura é única, variando as cores e os desenhos. Só vendo! Foto: Rainer BrockerhoffO espetacular TaktsangTiger’s Nest/Ninho do Tigre — é o símbolo de Bhutan, um mosteiro budista encravado na face de uma montanha de pedra muito íngreme. Já foi destruído por terremoto e incêndio; a reconstrução é uma prova indiscutível da tenacidade e força dos seus seguidores. Originalmente uma caverna de meditação do Guru Padmasambhava, que aqui chegou, segundo a lenda, voando nas costas de uma tigresa, o mosteiro foi construído em 1692. Foto: Rainer BrockerhoffCumprindo o roteiro, saímos bem cedinho para o “ataque” ao Ninho do Tigre. Paro está a 2200m de altitude e, na caminhada, sobe-se outros 800m. O acesso, bem difícil, é de aproximadamente 6 horas ida e volta. Fomos até a casa de chá, um pouco além da metade do caminho. Foto: Rainer BrockerhoffA parte final, dizem, é pedra pura, além de centenas de degraus entalhados na montanha. A vista cá de baixo satisfaz completamente. Já fizemos o nosso Everest! Foto: Rainer BrockerhoffNo Hotel Tenzingling recuperamos a alma! Há os banhos com pedras quentes, muito comuns nas pequenas vilas também. São construções de pedra de onde se pode ver as estrelas. No hotel, o ofurô é de madeira, com uma parte separada por tela, onde se colocam as pedras vermelhas em brasa retiradas de uma fogueira. A água é fervente e, cá fora, a temperatura é bem fria. Depois de um tempo, a gente consegue afundar-se e ficar só com o nariz de fora. Deve ser assim a sensação no útero materno. Foto: Rainer Brockerhoff


Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Maria Brockerhoff