da janela das eumênides

...cada amanhecer traz a razão para recomeçar...

Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!

Hacienda La Ciénega — Ecuador

Os tradicionais hotéis-fazenda são lembranças vivas de um mundo perdido. Deixar-se levar pelo fio condutor do passado pode ser uma fonte de descobertas...


Foto: Rainer Brockerhoff

pueblo de Lasso fica a poucos quilômetros do Parque Nacional Cotopaxi e lá, ao fim de uma alameda de eucaliptos centenários, enormes, está a Hacienda La Ciénega com um estiloso brasão. É hoje um confortável hotel, muito bem escolhido por nossa agência Happy Gringo.

Foto:Rainer Brockerhoff

A antiga e rica casa-fazenda, em estilo inca e espanhol-colonial, com 6.000 m², resistiu a arrasadora erupção do Cotopaxi em 1742, certamente pela sólida construção de pedra e argamassa.

Foto: Rainer Brockerhoff

Nos amplos apartamentos, com enormes janelões para os canteiros com flores de todas as espécies, podemos ver a espessura de até 2m das paredes. Há 300 anos pertence a famílias ilustres e em seus salões os políticos e visionários cidadãos gestaram a independência e tramaram as vitoriosas lutas contra os espanhóis a partir de 1808.

Foto: Rainer Brockerhoff

Também nesta Hacienda, a história romântica do herdeiro Gregorio Matheo de la Escalera; tendo-se enamorado de uma marquesa em Lima, raptou-a e, com a proteção de cem criados, trouxe-a para La Ciénega, onde se casaram. Oxalá tenham sido felizes para sempre...

O La Ciénega é um Hotel Victoria FallsZimbabwe — do Séc. XVIII. Os salões com fotos e pinturas antigas, as mobílias, os adornos, os sofás em formatos ondulados, o piano são finas peças de antiquário transportando-nos para um outro tempo! Bem adaptado para uma confortável hospedagem, este lugar já foi “descoberto” por turistas da Escócia, Inglaterra, Suécia, Japão, China, como verifiquei no livro de visitas.

Foto: Rainer Brockerhoff

Os três espaçosos restaurantes tem vista para o jardim do pátio interno e a tilápia en papillote, no jantar, é deliciosa. O serviço é eficiente e, à noitinha, uma gentil senhorinha vem reavivar o fogo na lareira. As árvores e palmeiras seculares, a acolhedora capela antiquíssima resgatam um mundo de lembranças.

Em frente ao hotel há uma fazenda de roseiras. Aliás, em toda parte, até nas encostas, cultivam-se rosas e o Ecuador é um dos principais exportadores depois de Holanda e Colômbia. O trabalho, as pesquisas nestes centros de cultivo de rosas são minuciosos e eficientes; por exemplo, cada botão é coberto para evitar o bolor ou mofo. A camomila é plantada nos canteiros, pois é mestra em detectar os primeiros sintomas de doença/praga nas roseiras.

Curioso é o tamanho do caule das rosas exigido por diferentes países: Rússia, 90cm; Europa, 45cm; Estados Unidos, 30cm... e as encomendas são rigorosamente atendidas.


Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @obvious //Maria Brockerhoff