da janela das eumênides

...cada amanhecer traz a razão para recomeçar...

Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!

Miragem


As estrelas salpicam o céu. Com um sentimento de inquietação e prazer aguardo os passos lépidos, o sorriso largo à porta destrancada… num átimo, o calor de um abraço em rodopio apagaria o hiato infinito do desejo.

Foto: Rainer Brockerhoff

A mesa preparada com a cerveja escura na medida do seu paladar. As frutas suculentas e o cheiro de semente de papoula no pão nos envolveriam num recreio de brincadeiras de roda, de cabra-cega.

Ao som do piano, compreenderíamos ser a aceitação da acolhida a única via para amenizar a travessia neste deserto humano.

Já no ponto, a água tépida do banho para enxaguar-lhe o cheiro lá de fora, o pó das regras oficiais e a nos dissolver a couraça.

Agora, o coração pronto para tecer

os enredos perdidos

os silêncios truncados.

Para remendar os segredos

e cerzir os desencantos.

A noite, a única espectadora do diálogo dos corpos, da entrega por inteiro, da experiência nova a cada reencontro. …depois, o inefável descanso como o da sombra de uma árvore e o gosto de um gole d’água fresca no côncavo de uma outra mão…

Foram-se as estrelas… o seu lugar… vazio.


Maria Brockerhoff

As Eumênides acreditam, piamente, na sorte do trevo de quatro folhas… regado com suor, garra, técnica e insônia!.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Maria Brockerhoff