Joyce Barbosa

Artista

Pode ser a gota d'água

Abordar um pouco o pensamento do cantor e compositor Chico Buarque sob a perspectiva da peça “Gota D’água”, de 1975, escrita conjuntamente com o escritor e ensaísta paraibano, Paulo Pontes, para compreender o papel da mulher na sociedade brasileira, sob o foco da personagem “Joana”, que anuncia, no seu modo de vida pobre e humilde, uma tragédia pulsante, que apenas consolida a tragédia, por vezes, de ser mulher num mundo onde o amor é banalizado e respeito não existe como valor.


“Eu transfiro pra vocês a nossa agonia porque, meu Pai, eu compreendi que o sofrimento de conviver com a tragédia todo dia é pior que a morte por envenenamento”

A tragédia está anunciada.

A tragédia é uma morte anunciada pelo vento.

Gota 3.jpg

A fome e a miséria, tragédias infelizes do cotidiano. As trocas desiguais e a ausência de renda, uma anunciação do fim. É assim que a vida de Joana e de seus dois filhos têm fim na peça do paraibano Paulo Ponte em parceria com Chico Buarque, escrita e encenada em 1975, pela grande Bibi Ferreira.

Entre a dureza da vida, que como um rolo compressor vai desfazendo os sonhos da sociedade e as tentativas de viver um mundo melhor, que Joana nos avisa: “qualquer desatenção, faça não. Pode ser a gota d’ água”, e assim ela traça, com arame, sangue e veneno, um destino cruel, mas que só não é mais dilacerante do que a triste sina de viver as microtragédias diárias dessa terra de ninguém chamada Brasil.

Gota 4.jpg

Os atos de desencantamento pelo mundo e o entristecimento de perceber que nem o amor, por mais puro que seja, sobrevive quando a desgraça bate à sua porta, fazem Joana repensar a sua estadia no mundo. É assim que, com delicadeza de quem parece ser uma mulher, Chico Buarque nos expõe a fragilidade da troca e da traição perpetradas por Jasão, esposo de Joana na dolorosa “Gota d’água”.

Gota 2.jpg

Não há do que se refazer quando se nasce com o compromisso de morrer. A frase pode ser dura, mas é nesse cenário, real e fatídico que muitas senhoras, mães de família, “sobre vivem” em nosso país. Joana é um exemplo teatral de uma realidade que convençe pelo nível de sinceridade e aproximação. Que mulher é essa que tem que se perder para se encontrar? Que tem que se descobrir para se desencobrir?

Quando pensamos em Joana, também pensamos em “Angélica”, mãe do Stuart, que “mora na escuridão do mar”. Preso e torturado pela ditadura, teve seu corpo lançado ao mar, como em desova. Pensamos no pedaço de cada uma de nós, quando ele nos fala “que a saudade é o revés de um parto. A saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu”.

Gota 5.jpg

Ser mulher nessa sociedade é saber “perder” o tempo inteiro. Perde-se um filho, perde-se a dignidade na violência, perde-se o respeito na passada de mão dentro do ônibus. É sempre perder. Perder a jovialidade. Perder o próprio nome, quando nos tornamos “mãe de alguém”. Perder sangue todo mês. As vezes, perder de gozar. Perde-se o encanto pela vida quando a vida não mais encanta.

Mais do que ninguém, Chico, enquanto poeta e, por isso, mulher, nos fala tão alto sobre nossa natureza e nossos caminhos de pedra. Ele sabe e entende o trajeto da perda: ser mulher o tempo inteiro, na multidão, nos compromissos, nas torturas do dia a dia, na ausência e na saudade é delirar de dor intermitentemente.


Joyce Barbosa

Artista.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/artes e ideias// @destaque, @obvious //Joyce Barbosa