de dentro da cartola

Entre um sacudir e outro: a palavra

Giseli Betsy

Meu instrumento é a palavra. Minha maior motivação é o desafio.

Tippi: a menina da África versão "Mogli"

Tippi Benjamine Okanti Degre é uma criança que teve uma infância bem diferente das demais, sendo conhecida mundialmente como “Mogli da vida real”. Isso porque ela nasceu e cresceu em meio às fantásticas paisagens africanas e também cercada de animais selvagens, convivendo com diferentes espécies e fazendo amigos inusitados.


Tippi9.jpg

Os pais Sylvie Robert e Alain Degre, fotógrafos franceses da vida selvagem, viajaram por toda a África com a filha. A aventura começou quando Tippi nasceu na Namíbia e terminou com a sua visita a países como o Botswana, o Zimbabwe e a África do Sul.

Essa é a história real da menina francesa que viveu até os 10 anos na selva africana. As imagens publicadas estão por todo o mundo no livro Tippi: My Book of Africa (Tippi: O meu livro da África). Fotografias que nos mostram uma conexão singular entre o ser humano e os animais.

Tippi3.jpg

Tippi8.jpg

Tippi se sentia à vontade com os animais selvagens, costumava se comunicar com eles através do olhar e com o coração. Sempre usando sua inocência e imaginação, fez amizade com um dos gigantes do reino animal, um elefante africano de 28 anos chamado Abu que Tippi o tinha como “irmão.”.

A menina cresceu em total liberdade era como ter um enorme quintal, só que não havia crianças por perto, então brincava com um leopardo chamado J&B que era seu melhor amigo, um avestruz, um crocodilo, alguns leões, girafas, zebras, cobras, camaleões e quem mais quisesse participar.

Tippi11.jpg

No livro podemos ver fotos incríveis como: Tippi sentada nas costas de um avestruz, deitada tranquilamente com um caracal, brincando com um elefante entre outras. Podemos observar um entrosamento incomum, mas tranquilo, entre o homem e a fera. Mas ela já foi atacada sim, por um suricato, este lhe deu duas mordidas.

Curiosamente o nome do meio de Tippi é Okanti, que significa suricato, em dialeto namíbio, eles eram parte da sua família na África. Em certa ocasião, os pais de Tippi, Sylvie e Alain filmaram um dos povos mais antigos da África, a tribo San Bushmen, que vive da caça e coleta no deserto de Kalahari. Tippi passou um dia inteiro sozinha com o grupo. Ela se vestiu e brincou como as outras crianças da tribo.

Tippi14.jpg

Tippi também é considerada uma criança índigo, estas que são geralmente classificadas como possuidoras de habilidades sociais mais refinadas, maior sensibilidade e ainda segundo alguns, um ser mais evoluído. O que ela é ou deixa de ser não sabemos, mas especial certamente é.

Aos 10 anos, Tippi se mudou com os pais para Paris e foi matriculada na escola, mas após dois anos precisou voltar a estudar em casa, por ter “pouca coisa em comum” com as outras crianças. Na África ela teve uma infância extraordinária, era um mundo mágico. Paris não era o mundo de Tippi, por isso ela não conseguia se adaptar. Os relatórios da escola diziam que ela não participava, não falava. Sentava-se longe dos outros colegas de sala. Sentia-se uma estranha e tinha dificuldade em fazer amigos.

Tippi13.jpg

Logo que chegou a Paris, foi questionada sobre sua nacionalidade e ela respondeu: “Sou africana.” Hoje em dia, dá a mesma resposta: “Sou africana.”, diz ela. ”Sinto-o no coração. Não tem nada a ver com nacionalidade.” Em Tippi: O Meu Livro da África, editado depois do seu regresso a França, ela escreve: “Todas as pessoas têm problemas. Eu nunca tive um problema enquanto vivi na selva da África.”.

Escreve também: “Quando regressei a França, tentava falar com os passarinhos, com os cães, com os pombos, gatos, vacas e cavalos. Mas não funcionava. Não sei por quê? Eu acho que é porque o meu verdadeiro país é a África, não é a França”.

Pudera, em Paris, Tippi encontrou um mundo completamente diferente. Sentiu como se a África tivesse-lhe sido arrancada injustamente. Ela não reclama, mas também não fala sobre o assunto. Deve ter sido difícil para Tippi adaptar-se à vida urbana em Paris no ano 2000. Com a agravante de os pais terem decidido separar-se logo que chegaram à França, depois de 25 anos juntos.

Tippi7.jpg

Tippi mora em Paris, tem pouco mais de 20 anos e estuda cinema na Sorbonne Nouvelle University, mas ainda hoje continua a ter dificuldade em conciliar os dois mundos diferentes em que viveu. Tippi teve que se habituar a outra selva, a de concreto.

Difícil saber como Tippi está, pois é raro encontrar fotos dela adulta, só no blog pessoal da mesma, no entanto, não o atualiza desde 2010, mas parece improvável que a vida não a leve de volta à África. Segundo Sylvie, sua mãe, “É na África que está o coração de Tippi".

Tippiultima.jpg


Giseli Betsy

Meu instrumento é a palavra. Minha maior motivação é o desafio..
Saiba como escrever na obvious.
version 73/s/fotografia// @destaque, @obvious //Giseli Betsy