desmistificador de dálias

“inventar vida de onde [talvez] nunca saiu sequer um sopro de ar”

José Douglas Alves dos Santos

Escritor, pedagogo, cinéfilo, mestre em Educação e Desmistificador de Dálias

DICA DE FILME: LOCKE (2013)

Este é um filme diferente do habitual. Apenas um personagem sustenta toda a história. Talvez não seja uma obra que agrade a todos, mas ainda assim é uma experiência interessante de se apreciar e refletir.


Locke 00.jpg

Este é um filme diferente. É somente um ator em cena, durante todo o longa (os demais aparecem por meio da voz). Outro motivo que o difere de um filme comum é que ele foi filmado em tempo real durante os seus 90 minutos.

Locke 01.jpg

Sinopse: Um homem recebe uma ligação que pode mudar por completo sua vida. Ele, um profissional bem sucedido, com uma vida bastante equilibrada, entra no carro e começa uma viagem de inúmeras surpresas pelo caminho.

Locke 02.jpg

O filme é todo dentro do carro. E nós acompanhamos o personagem em sua jornada de muitas tensões. Escrito e dirigido por Steven Knight, Locke é um filme que nos chama a atenção por sua peculiaridade. Onde é possível vermos um filme com apenas um ator em cena? (sim, há outros personagens, mas que só “aparecem” por meio de suas vozes). Neste sentido, assemelha-se às obras Lunar (Moon, 2009), 127 Horas (127 Hours, 2010), Gravidade (Gravity, 2013) e Até o Fim (All is Lost, 2013), em que as histórias se sustentam em um (como é o caso de Até o Fim) ou pouquíssimos atores (como é nos demais casos citados).

Locke 03.jpg

Como protagonista da história, o diretor escolheu o ator Tom Hardy, que vem se destacando no cenário do cinema contemporâneo (ele teve grandes atuações em Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, 2012; Os Infratores, 2012; Guerreiro, 2011; O Espião Que Sabia Demais, 2011; A Origem, 2010; entre outros – e em breve o veremos como o novo Mad Max).

Locke 04.jpg

No entanto, o que mais chama a atenção são os detalhes da trama: parece uma metáfora desse modo de vida moderno (ou pós-moderno, como preferem alguns), dessa filosofia de vida, em que quase tudo passa a ser resolvido à distância, conectado, em alta velocidade, sozinho.

Locke 05.jpg

Durante os 90 minutos do filme, vemos o personagem tomar algumas das decisões mais importantes de sua vida ali, no carro, sozinho, conectado ao mundo (às outras pessoas) via telefone. Os erros e as consequências de suas atitudes nos intrigam a pensar o quanto vivemos em um período de grandes transformações (é preciso atenção para captar as mensagens que o diretor sutilmente – e com muita propriedade – vai colocando ao longo da obra). Talvez não seja um filme que agrade a todos, mas ainda assim é uma experiência interessante de se apreciar e refletir. Recomendo!

Loke 06.jpg

Veja abaixo o trailer do filme:


José Douglas Alves dos Santos

Escritor, pedagogo, cinéfilo, mestre em Educação e Desmistificador de Dálias.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //José Douglas Alves dos Santos