devaneios e embriaguez duma rapariga

um monólogo introspectivo livre, tal qual o estado dos sonhadores e embriagados.

Íldima Lima

Relações Públicas de formação. Pensativa, curiosa, comilona e faladeira por natureza

Vicent e o nascimento do expressionismo Burtoniano

Muito mais que revelar a influência que a vanguarda expressionista alemã exerceu em seu primeiro curta em stop-motion, Vicent inaugurou o estilo Burtoniano de fazer filmes, desenhado por contornos estéticos e formais que garantem um reconhecimento instantâneo de suas obras fílmicas desde então.


Tim-Burton-s-Vincent-tim-burton-29555713-1360-768.jpg

Aos sete anos Vicent Malloy quer ser Vicent Price.

É assim, brotando de versos, que Tim Burton nos apresenta o pequeno garotinho Vicent Malloy que, ao contrário dos meninos desta fase caracterizada por uma pluralidade de quereres, restringe seu desejo a ser um personagem nada convencional para a idade em questão. Vicent não quer ser astronauta, piloto de corridas ou bombeiro. Ele quer ser Vicent Price*.

Tal qual Vicent, Tim Burton quis ser Vicent Price. Afora as possibilidades fantásticas e ilimitadas que o cinema possibilita aos seus personagens, Burton, em sua prisão real, não podendo ser Vicent Price, criou para si um universo em que sua fascinação e identificação com o cinema de horror e influências da vanguarda expressionista alemã lhe dariam o corpo e forma muito além do imaginado em sua infância.

A filmografia do diretor lhe é facilmente atribuída graças ao seu traço e contorno repletos de signos que conferem um reconhecimento imediato da influência que a vanguarda exerce em seu trabalho. Planos estético e formal dialogam e se complementam em suas obras reafirmando a recorrência da vanguarda em seus filmes.

tim_burton_vincent_021.jpg Vicent e seus monstros

Em Vicent, curta-metragem em formato de animação (Disney - 1982), Burton condensa os elementos expressionistas que futuramente serão recorrentes em seus trabalhos. A história do angustiado garotinho de sete anos que, entre outras estranhezas, sonha em ser como o ator de terror - e que tem como autor preferido Edgard Allan Poe, é construída sob a perspectiva expressionista que externaliza, através de recursos visuais, o interior do personagem, reforçando os sentimentos de melancolia, desespero e solidão.

Essa influência se revela em diversos aspectos. Como expressão estética, há um carregamento visual do personagem: olhos marcados, cabelos desgrenhados, boca pequena, aparência esquálida e pálida, tal qual o personagem Cesare aparece em O Gabinete do Doutor Caligari (1920), obra de Robert Wiene que se tornou referência clássica da vanguarda expressionista alemã. Já a composição espacial é bipartida em face real e face imaginária (criada pelo personagem), sendo assim há clareza e conformidade quando a intenção é ilustrar o cotidiano de Vicent, em contraponto com a estética que representa sua fantasia de ser Vincent Price, onde o ambiente é reforçado para retratar sua perturbação interior. Alto contraste entre claro e escuro, luz e sombra, objetos distorcidos, linhas geométricas gerando ambientes graficamente deformados, monstros projetados pela sombra são recursos utilizados por Burton para compor o ambiente fúnebre, instável e macabro que é abrigado por Vicent Malloy.

caligari3.jpg Cesare

A história, contada em forma de poema, foi escrita pelo próprio Burton e narrada pelo ator Vincet Price, que é a inspiração do personagem. A narrativa é marcada por uma intensidade dramática, reforçando a natureza exagerada do personagem principal e seus conflitos perturbadores.

Quando voltamos a nossa atenção para esses elementos, fica fácil verificar em outros trabalhos do diretor esse legado expressionista. As outras animações, que também evidenciam a influência da vanguarda: A Noiva Cadáver (2007) e Frankenweenie (2012) são prolongamentos daquela primeira animação de 1982 que já sinaliza fortemente a atmosfera fantasmagórica e fúnebre, construída através da estilização do ambiente, registros constantes em suas produções.

Frankenweenie guys.jpg Personagens de Frankenweenie

Mantendo o compromisso estético, os filmes de ficção não ficam devendo nada às animações. Edward Mãos de Tesoura (1990) nos apresenta novamente uma Cesare, desta vez ainda mais mímico do que Vicent Malloy. Batman – O Retorno (1989), A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça (1999), A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005), Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet (2007) e Alice no País das Maravilhas (2010) são construções anti-naturalistas do diretor que expõem as inquietudes e angústias dos personagens principais através do ambiente que os circunda, construindo elementos que endossam a existência de um universo espelhado no interior de cada um deles.

Apesar do traço constante e por vezes recorrente, seria injusto definir Burton como um construtor que se repete em cena. Suas criações nos transportam para esses mundos oscilantes e cheios de alegorias que nos dão pistas de um universo particular que é latente na necessidade de ser exibido. Não há riscos em afirmar que Burton realmente seja o pequeno Vicent Malloy, que tem sua vida cotidiana aparentável, mas que resolve através de seus filmes suas questões internas tão típicas e singulares dos seus próprios personagens. Sendo assim, ao experimentarmos o universo fantástico de seus filmes, não somos expectadores dos processos e evoluções dos personagens, mas de alguma maneira estamos mergulhando no inconfundível e sempre revelador oceano íntimo de inquietações e representações do Burton em si.

tumblr_l4uc68IFWi1qbly54.jpg Vicent

*Vicent Price foi um ator norte-americano que ficou conhecido por suas diversas atuações, em quase cinco décadas, em filmes de horror. Conhecido como Mestre do Macabro foi também narrador em muitos filmes, graças a sua capacidade de imprimir tensão e ritmo ao texto, agregando uma áurea sombria, característica indispensável dos filmes do gênero. Curiosamente, é a voz dele que ouvimos em Thriller, de Michael Jackson (como não lembrar?). Em 1990 Vicent Price aparece em Edward Mãos de Tesoura como inventor de Edward. Visivelmente uma bela homagem do diretor ao seu grande inspirador.


Íldima Lima

Relações Públicas de formação. Pensativa, curiosa, comilona e faladeira por natureza.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Íldima Lima
Site Meter