dezcobertas

a arte que ninguém vê na tevê, deitado na cama, embaixo de dez cobertores

Luiz Guilherme Libório

Autor de "Instruções" (Penalux, 2018)

Bilhete pensando naqueles que "vestem-se de violência como de adorno"


Não se orgulhe do seu caráter violento. Não considere corajosa a sua postura de atiçar guerras e arquitetar contendas por onde passa; essa, pelo contrário, é apenas a índole covarde de quem não consegue habitar a paz e por isso quer transtorná-la.

Digo isso porque, cansado por ver a belicosidade de alguns homens que se dizem cristãos, repito em meu coração o versículo 6 do Salmo 120 ("A minha alma bastante tempo habitou com os que detestam a paz") e pergunto:

Por que vocês detestam a paz?

Por que a vossa língua enrola-se no cardume das horas e o veneno escorre viscoso pelo vosso queixo?

Por que usam o santo nome de Deus para justificar vosso odor de morte?

Eu também fico com raiva, claro. Mas não me orgulho disso, pelo contrário, me envergonho quando acontece.

"Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus" (Tiago 1:20).

Qual é, portanto, a razão em haver vaidade nos que se fazem filhos da guerra?

Mesmo que os mais raivosos tenham posição de destaque em nosso século doente, não devemos louvá-los; mesmo que os mais raivosos ganhem prêmios, não devemos segui-los.

Já que "Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus", conforme Mateus 5:9.

Nós, tais filhos de Deus, fomos chamados para a paz.

Leia mais em Pés de bronze, voz de águas.

Moonlight Battle - Rosa Bonheur (1822–1899).png "Batalha ao luar" - Rosa Bonheur


Luiz Guilherme Libório

Autor de "Instruções" (Penalux, 2018).
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Luiz Guilherme Libório